domingo, novembro 29, 2009

KORDA E LEMOS MOSTRAM OBRA

Mário Cesariny por Fernando Lemos.

A obra de Alberto Korda em Lisboa, Cordoaria, a partir de terça. Um grande acontecimento fotográfico. Fiquei hoje a saber pelo Câmara Clara onde o fotógrafo Fernando Lemos, surrealista e tudo, já com oitenta e muitos, falou longamente com a Paula Moura Pinheiro. Uma conversa muito interessante, também a propósito da sua exposição que vai inaugurar na Fundação Cupertino de Miranda.

PS: E em Janeiro António Pedro Ferreira na Galeria Kameraphoto.

FIDEL AMIGO DOS FOTOJORNALISTAS


Belo documentário sobre Alberto Korda, o fotógrafo mítico da Revolução Cubana. Passou hoje na 2. Assim vale a pena ter serviço público.

Quando os 4 fotógrafos revolucionários se encontram com Fidel é um grande momento. E Fidel diz com grande sabedoria: se não fossem os fotojornalistas não havia nada que pudesse testemunhar, evocar visualmente aqueles tempos de mudança. Fidel mostrou uma compreensão enorme pela fotografia e um respeito e consideração superiores sobre Korda e seus companheiros.

Um décimo esperaria eu de alguns ex-revolucionários cá da terrinha que hoje olham para a fotografia como uma actividade secundária praticada por magarefes. Eles pensam, mas se for preciso mandamo-los para Cuba em estágio. Por lá fazem umas operações milagrosas às cataratas!!!

A BRONCA DO ACIDENTE DO SUPER-POLÍCIA

O acidente grave que ocorreu ontem na Av.da Liberdade entre dois carros do Estado, um do Super Polícia, outro do Presidente da AR, podia ter sido um acaso infeliz, uma coincidência do Diabo. E devíamos todos lamentar os feridos e os danos.

Mas mesmo lamentando os feridos por piedade, não podemos deixar de nos indignar pelo que representa aquele acidente. Foi um acidente fruto de uma postura cada vez mais banal no uso dos carros oficiais e que é também consequência da arrogância e prepotência com que os titulares de cargos públicos utilizam os carros pagos por todos nós (os poucos que pagamos impostos!).

Ao que dizem testemunhas, o carro do Super-Polícia passou um sinal vermelho a grande velocidade porque ia atrasado para a posse dos Governadores Civis, como se isso fosse um motivo suficientemente forte para se porem em perigo vidas e bens. Quer dizer: é o responsável máximo pela Polícia que se dá ao luxo de circular a uma velocidade criminosa, dentro de uma cidade, numa via movimentada. E fá-lo porque é o chefão da Polícia, e porque as luzinhas azuis encastradas na grelha da frente e uma sirene lhe abrem alas, passando por cima de tudo e todos podendo até estampar-se contra o carro da segunda figura do Estado,que por milagre não ia a bordo.

Com que moral pode esta gente andar a multar pacatos cidadãos que passam a 51km por hora no túnel do Marquês ou a outros 51 frente ao CCB, e depois se dão ao desplante de andarem a fazer corridas de carros na Av. da Liberdade? Julgam que o circuito de Fórmula I que António Costa autorizou naquela via ainda está a decorrer? Ou pensam que isto é tudo deles e que podem usar a figura do "carro do Estado em missão pública" (ou lá como lhe chamam!) em tudo como ir tomar café de manhã e passarem o traço contínuo na Rua Castilho?

Quem "andar parado" na A5 entre as 8 e as 10 da manhã vê todos os dias 4-5 carros do governo a andarem na berma com os tais faróis azuis na grelha acesos. Passam à frente dos totós que votaram neles e que lhes pagam os carrões de serviço. Mas se o empresário de uma grande empresa, que cria riqueza e empregos e que precisa de chegar cedo for aquela hora pela berma é multado e a carta sacada. Mas o lorde do ministro acha que tem esse mordomia.

São os mesmos que rosnam contra os carros privados, insultam os contribuintes e mandam os seus polícias de fila mandar parar nas rotundas para assaltos em forma de multas, ou mandam paparazis fardados esconderem-se atrás de moitas e arbustos para fotografarem cidadãos que excedem limites de velocidade muitas vezes definidos por burocratas em gabinetes.

Era bom que este acidente fosse investigado até às últimas consequências. E que não ficasse sem culpados. É que além do mais os carros do Estado não têm seguro, e os cerca de duzentos mil euros do BMW série 7 ao serviço de Jaime Gama ( um V12 topo de gama!) mais os 80 mil do Audi alguém vai ter que pagar. E quem vai ser ? Os totós do costume.

PS: Há um ano na auto-estrada Leiria- Caldas apanhei dois carros de seguranças de altas individualidades (aqueles OPEL descaracterizados) a andarem a 200 à hora. Quando me aproximei deles no meu Porsche os tipos picaram-se e começaram a andar ainda mais depressa. Dei-lhes uma lição e passei para os meus 150 da tranquilidade. Os bonzões continuaram. Claro, não sabiam que eu era jornalista e que conheço aqueles carros de ginjeira. E nem pirilampos tinham ligados. Voilá!!!

sábado, novembro 28, 2009

7 milhões para se comentar receitas de culinária

Não me tinha apercebido ainda que os 7 mil milhões que pagamos do nosso bolso para a tal educação pública e democrática, contra o ensino particular, é muito pior e muito mais lamentável do que eu imaginava. Hoje no Plano Inclinado do Mário Crespo fiquei a saber que os alunos do antigo liceu não fazem exames mas provas de aferição onde comentam receitas de cozinha, textos dos Morangos Com Açúcar e fazem contas de 6 a dividir por três e multiplicar por 7.
Os Lusíadas foram erradicados, Sofia de Mello Breyner facultativa e Virgílio Ferreira emprateleirado porque escreve sobre a Morte, tema que os jovens preferem desenvolver nos jogos da Playstation.

Fiquei a saber também que os professores chegam à profissão sem um exame de acesso e que muitos podem ensinar os últimos anos tendo tido uma progressão escolar marcada pelo chumbo endémico a português e matemática. Ou fiquei a saber ainda que o programa de Matemática foi elaborado por uns burocratas de serviço e que a Sociedade de Matemática não foi tida nem achada.

Já sabia que os meus compatriotas tinham reeleito para primeiro-ministro um ex-aluno com um desempenho escolar medíocre. Não tinha ainda avaliado o calibre deste ensino que é dos mais caros da Europa por cabeça estudiosa(!) e que afinal...é uma merda total.

quarta-feira, novembro 25, 2009

E agora senhor Teixeira dos Santos ?

É a tempestade perfeita. Como diria o camarada Sócrates, se ainda estivesse em campanha eleitoral para desculpar o mau desempenho económico do seu reinado. Mas já não estamos em campanha, embora todo o mandato de Sócrates não seja mais do que uma longa e determinada campanha eleitoral. Uma estratégia permanente para se manter à tona, navegação à vista, sem rumo, nem sentido, nem norte.

Os números da economia portuguesa são arrepiantes. E não me chamo Medina Carreira! Os 8 por cento de deficit são alarmantes, e se pensarmos que o governo pouco investiu na crise mas mais no BPN, e que a crise pouco mais dura do que há um ano, e de que as medidas de emergência foram accionadas há meses, o que seria se a crise tivesse estalado há mais tempo?

A verdade é que há 11 meses um dos piores ministros das finanças da Europa, mas uma iminência parda para o líder do desgoverno, vinha dizer que a crise morava ao lado, era dos outros e que até podia baixar o IVA. E baixou. Uma medida que não teve o mais pequeno reflexo no poder de compra de ninguém, mas que acabou por fazer um buraco ainda maior nas finanças do Estado. Um crime de lesa-Nação é o que se pode chamar a essa medida populista, tomada por uns loucos que parecem governar uma nave à deriva e que continuam a cantarolar e a beberricar alegria.

Claro, os resultados aí estão.

Desprezaram o saneamento dá máquina do Estado. Prometeram aumentos chorudos à Função Pública, gastaram em rotundas, Magalhães e outros caprichos, construíram via-lácteas para o despesismo, sonharam com brinquedos caros, deram benesses e beneficiaram amigos em concursos de milhões, não sanearam as contas da Saúde, da Educação. Muito mais grave: deixaram a Justiça num atoleiro e na maior descredibilidade, afugentaram o pouco investimento estrangeiro que havia, fecharam-se aos mercados emergentes....a lista é longa e pode acabar nesse desprezo arrogante e analfabeto pela cultura. Mataram o cinema, o teatro, a dança, a música. Deixaram o património histórico em derrocada ao mesmo tempo que alcatroavam o país e erguiam uma floresta selvagem de betão.

Compraram guerras com os médicos, os juízes, os professores, os agricultores, as farmácias, os jornalistas. Intervieram na liberdade de imprensa, chantagearam estações de televisão, sanearam jornalistas incómodos. E para sufocar ainda mais os jornalistas tiraram-lhes a Caixa dos Jornalistas criada por Salazar e presidida na hora do assassinato pela decana Maria Antónia Palla, mãe de um dos cúmplices, o Sr. António Costa depois eleito pela esquerda festiva em Lisboa.

Contudo os portuguesinhos, essa raça que Cavaco diz homenagear no 10 de Junho, acabaram por votar em gente desta, nos que deixaram essa multidão á beira do abismo e agora os convidam a dar um passo em frente de TGV.

Para Guterres as pessoas não eram números mas para Sócrates os números são a tragédia total.

terça-feira, novembro 24, 2009

25 de Novembro faz 34 anos

O fim da aventura dos pára-quedistas de Tancos no 25 de Novembro de 75, na objectiva do fotojornalista francês da Gamma Alain Maingain.

Há 34 anos o meu Citroen 2CV (ID-84-16) ao subir a Calçada da Ajuda partiu o cardin da frente ficando sem tracção. Era 25 de Novembro e eu ia a caminho do Quartel da Polícia Militar para tentar ver o que se passava de movimentação. Era um tempo onde a informação corria depressa, embora não houvesse net nem telemóveis com sms. Havia passa-palavra, telefones fixos e a gente deslocava-se quando queria encontrar amigos e coisas.

Fiquei apeado e sem essa facility dos dias de hoje que é a Assistência em Viagem. Encostei o 2CV e esperei que um primo da minha mulher de então nos viesse rebocar com um Fiat 127.

Horas mais tarde esse primo apareceu lá em casa com dois sacos de sarapilheira para escondermos no sótão. Aceitei sem perguntar o que seria, embora tivesse percebido que não eram batatas da terra. Passados muitos dias fui lá espreitar, embora com algum receio e timidez, e dei comigo a apalpar o cano de uma G3. Telefonei ao primo e no dia seguinte apareceu um tipo que mais tarde foi deputado pelo PS, mas que tinha estagiado na LUAR, a buscar as armas. Aquelas tinham estado sem dúvida em boas mãos.

O 25 de Novembro foi um blackout total em informação. Ninguém sabia o que se estava a passar. Nem os militares envolvidos na operação.

Lembro-me agora que horas antes da avaria do carro eu tinha estado no telhado de uns prédios frente ao Ralis, onde estava também o Eduardo Gageiro, e ainda fiz algumas fotografias. Lembro-me que tinha uma Nikkormat preta, nova, com uma 24mm 2:8. Passado pouco tempo vendia a Nikkormat. Detestava a máquina, o sítio do anel das velocidades, o disparo, a medição de luz e o obturador.

O 25 de Novembro foi o fim da festança revolucionária. E o galgar do capitalismo até ao estado a que se encontra hoje. Deixem-me ser hoje de esquerda, please!

A fotografia em anexo é do grande fotojornalista françês Alain Maingain, na altura dos quadros da Agência Gamma de Paris. Uma das melhores fotos sobre o Portugal pós-25 de Abril. Maingain adora Portugal, tem por cá grandes amigos e costumava vir como jurado no concurso da Visão.

Alunos desesperam Magalhães desde Junho!

O meu filho de 8 anos anda angustiado. Espera desde Junho que chegue o seu Magalhães. Na aula dele, no Externato Florinda Leal em S.João do Estoril, já receberam os trastes muitos colegas. Vieram as férias, começaram as aulas e há alunos que não percebem porque há quem tenha computador (?) e outros não.

Claro que nem um canal há no desgraçado ministério para poder dar uma informação que possa tranquilizar as crianças.

Para minimizar o estrago acabei por lhe emprestadar o meu Mac G4.

A conversa Vara-Sócrates

"PI.....PIIIIIIIII.....PIPIPI....PIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII.PI" - a conversa Vara-Sócrates em fodcast.

Vitinho quer aumento de impostos e pira-se

Vítor Constâncio ( Vitinho quando era candidato a primeiro-ministro e perdeu com Cavaco) quer aumento dos impostos e vai começar por dar o exemplo: abdicar do seu ordenado principesco de Governador do Banco de Portugal, no mínimo até atingir o valor do salário do Presidente da Reserva Americana. Claro que não vai dar esse exemplo, mas outro. Vai fazer tudo para ir para o Banco Central Europeu e deixar os seus conterrâneos enterrados até ao pescoço em dividas.

Grande Vitinho! Quem sabe faz, quem não sabe pira-se!

segunda-feira, novembro 23, 2009

Lacão, a Voz do Dono e a humilhação da Justiça

O Partido Socialista tem agora duas figuras desenterradas do período pantanoso do guterrismo. O Lacão e a Voz do Dono. O primeiro trouxe para a ribalta política aquele estilo de falar com bons modos que ninguém entende, com tiques de burocrata de serviço.

O segundo, o chefe de fila da bancada socialista, com aquele penteado á Kim Jong-il ( o que é natural visto ainda ser do Norte por afinidade com o líder comunista) tem a suprema lata de fazer uma conferência de imprensa a desancar naqueles que tiveram o brio e a competência profissional de investigar um caso de corrupção de dimensões ainda incalculáveis.

Pois bem. A Voz do Dono socialista não tem poluídos e em nome de uma pretensa justeza morde nas canelas da Justiça e, tal como o tinham feito os outros dois camaradas socialistas, insulta as instituições da justiça.

Para alguns especialistas em direito, as acusações do ex-ministro da contra-reforma Vieira da Silva contêm matéria criminal e como tal o atrevido devia ser chamado à barra. O mesmo se aplica ao ex-ministro da propaganda o agora emprateleirado Augusto Santos Silva, que teve também o atrevimento de achar que uma investigação policial feita a malandros, e que por acaso apanhou o PM várias vezes em conversas com um dos principais suspeitos, se trata de um caso de espionagem política.

Para um partido que mudou uma lei fundamental em 2007, porque os visados no Processo Casa Pia seriam beneficiados, e que agora vem lançar sobre o Ministério Público, juízes e polícias de investigação tal acusação e calúnias, é grave e preocupante. Está em causa o Estado de Direito. Aliás, um dos juízes de Aveiro chegou também a avançar que havia aspectos do Estado de Direito que podiam estar em causa numa das gravações.

Não se percebe também, onde está a oposição deste país, a Assembleia da República e o Senhor Presidente da República. Se o Presidente tem de zelar pelo cumprimento do Estado de Direito, e pela honra das instituições, parece que começa a haver razões mais que suficientes para meter os patins nesta camarilha. O Santana foi andar por aí por muito menos. E Sampaio até o conseguiu por a patinar e não chorar!!!

O bruxedo das certidões mandadas arquivar

Deixem-me ver se eu percebi esta cegada do arquivamento das escutas por parte do PGR.

Há uma investigação feita pela PJ e confirmada por dois juízes de Aveiro. Emitem várias certidões para o PGR. Ele dá seguimento a todas mas as que contêm conversas onde figura o primeiro-ministro são mandadas para o presidente do STJ, porque o PGR tem dúvidas. Mas antes de mandar as certidões para o STJ ficou com elas desde Junho porque não tinha todos os elementos. Depois do STJ se pronunciar,e não sabendo nós o teor do relatório, passou a ter todos os elementos e mandou arquivar.

A coincidência de só as certidões que tinham o PM a falar serem todas arquivadas e todas as outras não, é no mínimo uma coincidência tramada. Depois ficamos a pensar: será que os magistrados de Aveiro são assim tão incompetentes ao ponto de terem considerado válidas para investigação as tais 6 gravações mandadas para o lixo?

Pode não haver coincidências mas que há bruxas...ai não que não há!!!

domingo, novembro 22, 2009

O bordel dos assalariados da alta gestão

Os rendimentos dados a conhecer ontem no Correio da Manhã do camarada e amigo Armando Vara são de ficar de boca à banda. Calculávamos que o esperto ganhava bem, eu nunca imaginei que fosse um tamanho euromilhões.

O que abala ainda mais todo este estado de cangalhada a que chegou o país não é um gestor ser pago a peso de ouro. Um gestor que faz crescer uma empresa, cria postos de trabalho e gera dinheiro deve ganhar na proporção do seu desempenho. Aliás, o mesmo se deve aplicar a um trabalhador. Deve ganhar em função da mais- valia que produz. Agora um gestor que foi posto no lugar por razões políticas, que não tem curriculum profissional para o cargo e que tem a tarefa facilitada por não ser a sua acção que vai melhorar ou piorar a empresa, é um escândalo total honorários da estratosfera.
Estar num lugar confortável de um banco, ser Vara, o Rato Mickey ou um irmão metralha não deverá fazer grande diferença para o banco. São cargos fáceis de ocupar e pagos de uma forma completamente imoral atendendo ao país, aos trabalhadores do banco e, já agora, aos clientes que depositam lá o seu dinheiro vendo que esses lucros são esbanjados em mordomias para uma elite oportunista.

Claro que os portugueses são uns invejosos e odeiam quem ganha mais um tostão do que eles. Eu não pertenço a esse tipo de gente. Defendo que se deve pagar bem a quem o merece e que terá de haver quadros que devem ser bem pagos com a responsabilidade proporcional ao que ganham.

O que mais uma vez fica a descoberto é a trama de interesses, a promiscuidade entre o Estado, os partidos do poder e as empresas. Não é promiscuidade, é um bordel total.

sexta-feira, novembro 20, 2009

David Carvalho há 8 anos


Há 8 anos nascia o meu filho David. Prematuro com 1,5 quilos. Teve um acompanhamento perfeito na Maternidade Alfredo da Costa. O tempo passou rápido. Então eu experimentava a primeira máquina digital, uma Canon D30 com 3 milhões de pixels. Excelente para a altura.

A vida mudou muito num tão curto espaço de tempo. É muito bom estar vivo.

Aula a alunos de Palmela no estúdio LIGHTSHOT

Alunos da St. George's School de Palmela no Estúdio LIGHTSHOT, na LxFactory, durante uma aula de Luiz Carvalho sobre a experiência dos workshops. Ainda houve tempo para um panorama rápido da História da fotografia. Uma hora muito estimulante.

Direitos da Criança, 20 anos não é nada.

Fotografia de William Klein
Há 20 anos foi assinado por vários países a Declaração Universal dos Direitos da Criança. Os Estados Unidos e a Somália não o fizeram. Por razões diferentes. Mas com declaração ou sem assinatura a verdade é que os direitos das crianças são atropelados a todos os momentos no Mundo. E nem vou falar dos casos óbvios de violência, exploração de trabalho, castigos corporais e coacção psicológica. Esse é o lado visível do drama.

O que está escondido passa-se no interior dos lares, das escolas, das instituições. Há um muro de silêncio do tamanho da vergonha mais ignóbil por todo o lado. Nos países ricos e nos famintos, nas casas dos ricos, nos pardieiros dos pobres.

As nossas escolas desistiram de uma educação total que vá para além de um saber livresco muitas vezes inútil, chato e que faz criar anti-corpos aos alunos perante o saber. Os nossos professores, esses que não querem ser avaliados embora ganhem a vida a avaliar os outros, de uma forma geral dispensam uma cultura e prática humanísticas para se dedicarem ao cumprimento burocrático de um programa.

Com Declaração ou sem ela os primeiros anos das nossas vidas estão longe de terem uma atenção de qualidade de forma a preparem os homens e mulheres de amanhã.

quarta-feira, novembro 18, 2009

Portugal levanta voo depois da vitória na Bósnia


Já vi pior, já vi melhor. Portugal mexeu menos mal os pézinhos e aquele golo bem ali no instante fatal atirou-nos para a estratosfera da nossa grande imaginação colectiva.

Aquele campo pelado cercado de energúmenos pelos quatro lados, não assustou a rapaziada que tocou no esférico como Sócrates toca na Nação. E o resultado deu para levantar voo. Não foi futebol total, mas deixemo-nos de intelectualísses à beira da vitória. O que conta é concretizar mesmo que o estilo seja uma treta. Mas quem se pode inspirar a jogar com uma trupe de snipers que não hesitou em apedrejar no árbitro assistente?

Queirós já vinga o brasileiro e a Pátria está de pé. Vai ser dura a pancada na queda.

Os cães também já fabricam CO2

O meu cão Óscar a fazer CO-CO depois de ter produzido CO2!
A ecologia tornou-se no negócio do século. O que começou como um movimento de pacifistas tontos, acabou num negócio tentacular para empresários dinâmicos. Até Sócrates que apostou um dia em lucrar com um negócio de venda de gasolina, acabou num beato verde que gosta de insultar os utilizadores de veículos particulares, embora utilize diáriamente um Phantom que produz tanto CO2 como um TIR.

Empresários que militam politicamente como Ângelo Correia e Passos Coelho, ou o ex-empresário vermelho Alexandre Alves, apostam agora na energia verde. Ainda bem.

Mas o que começa a entrar já numa paranóia mundial são os estudos de uns tantos patetas que querem fazer da ecologia o novo catecismo da ideologia dominante.

Um estudo hoje revelado já chegava ao ridículo de afirmar que ter animais domésticos era contra a ecologia e exemplificava que alimentar um cão com mais de 15 quilos equivalia a andar de Toyota Land Cruiser durante 10 mil quilómetros. E dar whiskas aos gatos equivalia a outros 10 mil quilómetros num Golf!!!

Isto no dia do não-fumador onde televisões como a RTP fizeram peças completamente
arregimentadas
contra os fumadores, esses novos bárbaros do século XXI! A peça da RTP era construída (se é que se pode dizer isso de tal chacha!) na base de que o povinho se adaptou à ditadura da UE e da subsidiária ASAE, dando a ver uns subjugados à lei que meteu na ordem os doentios da beata.

Claro que não se falou da arrogância dos hóteis de 5 estrelas onde não há 1 metro quadrado para fumar, do desprezo dos restaurantes pelos clientes, da cegueira que Portugal adoptou na aplicação de uma lei que em França e Espanha foi aplicada de uma forma amiga dos cidadãos, defendendo quem não fuma e não criando um ghetto para os fumadores.

Mas em Portugal os únicos que não podem estar num ghetto são os homossexuais. O que acho sinceramente bem. Era o que faltava! Mas os outros são uma cambada de energúmenos que a ASAE toma conta deles.

Vara ainda mama 30 mil e 6oo mil desesperam.

Como dizia o realizador Fernando Lopes, "isto anda tudo ligado".

Vejam-se as notícias de hoje: o desemprego atinge 6oo mil trabalhadores, o maior número desde 1983, em Aveiro começaram a ser ouvidos os arguidos do escandaloso Face Oculta, mas PASME-SE: Armando Vara continua a receber 30 mil euros por mês, embora tenha deixado a Vice-presidência do BCP por ter sido constituído arguido no mesmo Face Oculta.

Mas o amigo de Vara, o senhorPrimeiro-Ministro Sócrates, veio hoje dizer que o desemprego é terrível mas a culpa é da a crise internacional, essa face oculta que serve para justificar todos os males não só do Mundo mas também do Portugal dos pequeninos.

Não fiquemos por aqui. Ao mesmo tempo que lamenta o desemprego, Sócrates anuncia que vai construir uma auto-estrada entre Sines e Beja e que assim vai criar 8 mil postos de trabalho! À mesma hora Braga de Macedo na TVI, comenta com uma excepcional clarividência e saber que a economia de Portugal nunca arrancará com obras faraónicas, mas com a excelência e a capacidade para se exportar para os mercados que estão a crescer como Angola e Brasil.

Uma ligação rápida entre Sines e Beja para quê? Com uma estratégia falhada para o Porto de Sines, o que é que vai ser preciso transportar assim com tanta pressa? Turistas para um aeroporto que é um flop? Camiões cisternas para uma cidade do interior alentejano em decadência? Ligar o pouco que chega ao Porto de Sines à Europa, se Beja nem ligação tem a uma auto-estrada?

Portanto: estamos perante mais um engodo socialista: construir vias lácteas para o despesismo e para o crescimento ainda maior da dívida pública.

Sócrates pode falar demasiado ao telemóvel e com amigos pouco recomendáveis, mas o grave é mesmo esta política suicida, decidida por caprichos e paixão pelo alcatrão.

terça-feira, novembro 17, 2009

Gays querem Estado como padrinho


Pertenço a uma geração que cresceu a marcar passo na Mocidade Portuguesa, a ser obrigado a usar gravata e a ir à catequese. Aos 15 anos acordámos para a vida e revoltámo-nos contra a família, a escola, o Estado e tivemos como prenda merecida o 25 de Abril.

Nunca me passou pela cabeça, depois de tanta luta, que um dia alguém pudesse pedir ao Estado para legislar sobre a minha conduta, o meu comportamento, as minhas opções sexuais, a minha opção de viver só ou acompanhado. Jamais!!!

Durante muitos anos a família era uma célula que o Estado usava para se servir como tentáculos para melhor controlar os "marginais", os que punham em causa essa santíssima trindade: Deus, Pátria Família. E se havia gente que considerava o Estado promíscuo na regulação dos comportamentos eram os homossexuais. Porque eram geralmente pessoas com um sentido ainda mais amplo da liberdade e usavam da coragem para enfrentarem a família e a igreja.

Fico agora parvo quando vejo quarentões e cinquentões de esquerda a implorarem ao Estado para os deixarem casar e poderem perfilhar filhos.

A família homossexual passou a ser uma bandeira esquerda, quando na versão hetero era uma bandeira de contestação.

A esquerda defender o casamento é tão aberrante como ser-se comunista católico. E não percebo qual é o interesse de legalizar um estado que só existe para se poder constituir família dentro de um conceito onde não cabe a homossexualidade.

Uma coisa é o Estado reconhecer que pessoas do mesmo sexo que declarem e provem viver em comunhão de bens, tenham os mesmos direitos e regalias sociais e fiscais. Isso é óbvio. É a única maneira de o Estado não marginalizar quem opte por viver junto, independentemente do sexo.

Outra coisa é o Estado patrocinar umas cerimónias patéticas de uns tipos de bigode e calças justas de cabedal a beijarem-se no cartório ou de um par de camioneras de véu e grinalda armadas em virgens de branco. Para cenas dessas basta os pombinhos voarem até Las Vegas e fazerem um desses casórios com ementas variadas.

Que fique claro: nada tenho contra ou a favor dos homossexuais. Ninguém tem a ver com o comportamento de cada um e o Estado não pode nem deve em circunstância alguma legislar sobre os comportamentos. É isto que a esquerda não quer ou não percebe.

Fazer deste assunto um tema de debate nacional já é caricato. Que os socialistas queiram insultar a maioria do povo português que não se revê neste tipo de palhaçadas é que é mesmo grave.

segunda-feira, novembro 16, 2009

A carta que Cebrian devia ter escrito a Pedro Múrias


O Pedro volta com as suas crónicas da sala de espera agora em blogue.

Como se sabe a PRISA, que é dona do Rádio Clube Português, decidiu despedir um grupo de trabalhadores do RCP, entre eles alguns jornalistas onde se incluía Pedro Múrias. Para cúmulo da vergonha, a administração mandou a carta de despedimento ao Pedro quando ele estava ainda de baixa, dias depois de ter sido operado a um cancro. Essa operação era mais que conhecida dos burocratas a mando dos espanhóis. Não foi gaffe, foi mesmo a matar.

Durante dois meses o Pedro fez diáriamente no RCP uma crónica onde contava com sentido de humor e uma dimensão humana pungente a sua experiência quotidiana com essa maldita doença. Os ouvintes mobilizaram-se em apoio ao jornalista. O hospital onde ele esteve internado encheu-se de amigos, de ouvintes, de gente que vibrara com as suas narrativas radiofónicas.

Pois bem. A administração deu-lhe como prémio um despedimento feito de uma forma miserável, sem respeito, sem ética, sem dimensão profissional. Uma rádio que faz jornalismo e que adopta o comportamento de um qualquer patrão boçal, como se trabalhasse em sucata e não em informação, não merece depois dessa atitude a mais pequena crededibilidade.

Não sei como ouvinte posso acreditar numa estação de informação que despede um jornalista como uma sopeira e lhe telefona a seguir a oferecer um segureco de saúde, a quem está a tratar de um cancro!..uma esmola beata, cínica e farisaica. Parece mentira. Mas acreditem. Foi no RCP!

Não é o Oliveirinha, o tipo doa ares condicionados, o Citizen Kane de Ranholas, o Valha-nos Deus, ou qualquer outro manhoso. Não. Foi a PRISA que teve este comportamento grosseiro e triste.lamentável. Pois bem, o Pedro voltou e o seu blogue vai dar muito que falar.

O primeiro post é fantástico. A carta que Cebrian, dono da PRISA e ex-jornalista, podia e devia ter escrito a Pedro Múrias.

Cliquem na imagem, em cima, entrem no texto.

domingo, novembro 15, 2009

A Face Oculta da Linha do Tua

Mota Andrade cochicha a Sócrates em Bragança, no comíçio da campanha, e em baixo já eleito na AR ao lado de Ana Paula Vitorino. Fotos LC.

PARE ESCUTE E OLHE, o documentário do Jorge Pelicano sobre o fim da linha do Tua, remete-nos para a tradição do cinema-verdade que de uma forma comprometida defende causas e testemunha culturas em vias de extinção. O filme foi apresentado ontem ao povo de Mirandela com grande sucesso. E faz-nos lembrar a fita dos anos setenta de António Campos sobre Vilarinho das Furnas, a aldeia arrasada na ira renovadora do Marcelismo e suas barragens.

O que o Jorge fez foi um filme sobre uma das mais belas linhas de comboio do Mundo, integrada na paisagem e servindo a população local. Uma linha que podia ser de grande atracção turística e que acaba de ser desmantelada pelo governo socialista, com o conluío do cabeça de lista por Bragança do PS Mota Andrade, aliás amigalhaço de Vara e Sócrates e que se transformou no porta-voz dos que atiraram a matar sobre a centenária linha ( 122 anos).

Ora, esta figura ímpar da democracia transmontana, defendeu o fim da linha do Tua, em rota de colisão com Ana Paula Vitorino, a ex-secretária de estado dos transportes, e não reconduzida no cargo embora tivesse sido de uma lealdade total a Sócrates. O cacique achava que a linha só dava despesa e que podia ser substituída por uma carreira de autocarro. Como desgraçadamente aconteceu. O que é mais incrível é como uma criatura destas consegue atacar a sua região e ser eleito pelos papalvos locais!

Ora foi o roubo de cinco mil e tal travessas na linha do Tua que despoletou a guerra entre Ana Paula Vitorino e Manuel Godinho. E parece já ter ficado provado que foi mesmo um roubo. O que é curioso no mínimo é esta relação amistosa Vara-Godinho-Andrade e o lobby que terá levado à não recondução de Ana Paula Vitorino, uma excelente secretária de estado, e estou à vontade, pois discordo em muitas opções que ela propunha.

O filme de Jorge Pelicano não pode ser mais actual. Oxalá ele possa contribuir para a descoberta de uma série de acidentes mal contados que não tinham outro fim que não fosse acabar com a Linha do Tua, um crime contra o património da Humanidade.

Sócrates que já se deixou aliciar pelo negócio da venda de gasolina, embora hoje seja um ecologista do quilé, ele que passa a vida com o credo na boca sobre ambiente, devia retratar-se e explicar aos portugueses porque quer matar uma das paisagens mais belas de Portugal, mandando às urtigas património, memória e uma possibilidade de negócio atraente para atraír turismo.

Afinal há linhas que se tocam e nelas surgem figurões que fazem todo o sentido numa história de acidentes, atentados à cultura e ganância nova-rica. Tudo um pouco do que é temperado o arrivismo socratista.

quinta-feira, novembro 12, 2009

As fotos dos alunos do I Workshop de fotografia

Slideshow das fotos dos participantes no I Workshop de Fotografia de Luiz Carvalho

Zézito ou o retrato de Sócrates enquanto jovem

Sucatagate já era. Vem aí o alcatrãogate!!!

Aprendemos cedo que na vida tudo é relativo. E damos conta na política que cada escândalo é relativo, minimizado pelo seguinte, esquecido passadas umas semanas, dias, tudo consumido na voragem das notícias.

Ontem era o Sucatagate. Hoje já desponta um novo caso, o caso dos dois concursos públicos adjudicados pela Estradas de Portugal, de onde se evaporaram entre as propostas iniciais e as aprovadas qualquer coisa como 450 milhões de euros. Portanto este valor em sucata dava quase para afogar o país em ferrugem e resíduos sólidos.

O Tribunal de Contas já entrou em acção mas, apesar de ser um Tribunal, não ordena, aliás como os outros de uma maneira geral. O Tribunal de Contas condena, puxa as orelhas, mas não pode impedir que as obras adjudicadas não possam ser erguidas pelas empresas construtoras.

Mas ainda não estávamos refeitos desta história de 450 milhões, já a Comissão Europeia emitia um parecer que deitava por água abaixo, o termo certo, o plano hidrográfico do país. Isto é: aquelas 11 barragens de que Pinho se orgulhava e de que Sócrates passava os comícios da campanha a elogiar, são uma estupidez. São caras e não trazem rentabilidade, tramam a paisagem, o ambiente e degradam a qualidade da água de vários rios.

Eu sempre desconfiei das barragens. Detesto barragens. Uma central nuclear da nova geração substituía dezenas de barragens e acabava com as irritantes eólicas, agora a encherem a paisagem do país de ruído de som e visual. Mas meus caros amigos: as barragens também já estão adjudicadas e a partir de agora é erguer betão. As máquinas registadoras já malham nos números.

O país está pior do que antes das eleições. Mas este fontismo de pacotilha não pára nem com a gripe A. Sócrates foi hoje à pica e até gostou.

Silvio+Berlusconi%27s+Women+Politics+%26+Power%3A+vanityfair.com

Silvio+Berlusconi%27s+Women+Politics+%26+Power%3A+vanityfair.com

quarta-feira, novembro 11, 2009

Português gasta 5,9 litros de vinho aos cem

Um estudo recente conduzido pela Universidade de Lisboa mostrou que cada português caminha em média 440 km por ano.

Outro estudo feito pela Associação Médica de Coimbra revelou que, em média, o português bebe 26 litros de Vinho por ano. Isso significa que o português, em média, gasta 5,9 litros aos 100km, ou seja... é económico!/ Eugénio Fidalgo

terça-feira, novembro 10, 2009

Sonotone pode ajudar a melhorar escutas

Há um desconforto nesta coisa das escutas. Começa por ser incrível que o Presidente do Supremo já soubesse delas antes das eleições. Ficaram no congelador. Depois do alarido nos jornais e televisões, rádios e internet, veio a notícia rápida de que as escutas não estavam autorizadas pelo Supremo. Logo: lixo.

Legalmente um escutado sobre nabos quando se estava a investigar sobre hortaliças não tem que ser implicado. É a lei meus caros. No caso das conversas entre Vara e Sócrates a PJ achou que o conteúdo era pertinente de ser tido em consideração. Portanto. a conversa não podia ser sobre TVI mas sobre sucata. Ou então a PJ anda a brincar às escondidas e não sabe nada de leis. o que todos duvidamos.

Ficamos de novo na suspeição. O país pequeno está a ficar, já está mesmo, sobrelotado de tanta finta jurídica. A Justiça ou é demorada rápida e chuta para canto, ou é surda e precisa de Sonotone.

segunda-feira, novembro 09, 2009

Do fundo da sucata oculta. Acção!!!

Esta saga entre primos de Sócrates, o emigrado chinês a estudar um qualquer Kung-fu ou o gordo que faz pela vida em Luanda, ou entre amigos de longa data como Vara ou Lello, esta teia que começou antes de Guterres subir ao Poder, e muito bem contada no jornal i, esta saga dava um filme em seriado. Pensei ir a correr ao Estoril fotografar Coppolla e propor-lhe este guião:

Uma família portuguesa com vários piri-piris.

Vejam: Trás-os-Montes na origem, a vinda para a grande capital, a boleia da política, a entrada na ribalta do poder, o novo-riquismo que até facilita nos doutoramentos, a moda à la carte, os fatos Boss, os trejeitos, as namoradas feministas e de esquerda...os escândalos à volta, o passar pelo fogo e nem chamuscado ficar. As trapalhadas, a arrogância, o marketing.

Há qualquer coisa de Eça, de Puzzo, de heróico, de espectáculo de casino, de glória e, um dia, a queda de um anjo e seu acólitos. Até casamentos-gay entram no script, não numa dimensão sexual, mas de esquerda, com laivos políticamente correctos, e se se puder meter eólicas e CO2 a história ficará mais completa do que O Padrinho.

Não estou a pensar em ninguém em concreto. Penso sim neste elenco que mete Sócrates e as ovelhas negras, o tio porreiraço e rico de Bentley coupé, um primo tarado, um gordinho patusco, um galã bancário, de andar gingão, promovido a banqueiro e outras figuras de terceiro plano, mas não menos interessantes, os que andaram a abrir bombas de gasolina, no tempo em que o ideal não eram os carros eléctricos, a perseguição à classe média que usa o automóvel, mas o lucro com o CO2 !

Coppolla fazia um grande filme. Imagine-se um cenário inspirado no" Do Fundo do Coração". Em vez de uma cidade nocturna,um estaleiro de sucata. Ouve-se Tom Waitts. O som de uma chapa a caír. E...Acção!!! Há um parque de estacionamento. Dois carros chegam. Dois vultos trocam sacos. Mais longe uns tipos de gabardina fotografam a cena. Percebem mais tarde no photoshop que os sacos....não são recicláveis!!...

O filme acaba com os protagonistas a desaparecerem num TGV a caminho de nenhures. UFFF!!.

Portugal renasceu!..

domingo, novembro 08, 2009

A16: A via láctea para o despesismo


Estou sempre a ser surpreendido com Portugal. De repente sinto-me num país irreal...mas muto rico.

Vou contar: vou na auto-estrada para Cascais, saio para Sintra, entro numa via rápida excelente, construída sobre a velha estrada que já fazia a ligação ao Shopping de Cascais. Contínuo, há uma recta explêndida de três faixas, não se vê um único carro e quando vou a gostar da coisa, e a gabar para a minha mulher esta óptima ligação, aparece uma portagem. Digo eu: " a portagem é para quem quer seguir para Mafra e não para a IC19!". Pura ilusão. Pago 0,90 cêntimos e saio na IC19. A minha mulher comenta: se não querias pagar vinhas pela outra estrada paralela que sai na rotunda de Sintra ( a 300 metros acima).

Na verdade não vi nenhuma indicação ao passar depois do Shopping de Cascais que ia entrar numa via portagada, mas só depois de pagar percebi que tinham feito uma auto-estrada ao lado de uma estrada nacional que só precisava de uns arranjos para funcionar com mais segurança. Quer dizer: o Estado gastou ali uns milhões para meia dúzia de gatos pingados pouparem um minuto e gastarem um euro.

Já tinha descoberto há meses essa auto-estrada em viaduto sobre o Ribatejo, agora mais uma via láctea para o despesismo nacional.

Claro que para os socialistas eu sou um pessimista, porventura um Medina Carreira sem habilitações, um Ferreira Leite radical, um vencido da vida. Era o que faltava !!!!

Quando o prolongamento da CRIL, essa sim uma obra urgente e que pouparia milhares de horas e milhares de toneladas de CO2 ( este argumento pega sempre!) está atrasado 10 anos (dez anos meus caros!), embora esteja a ser acabado a passo de caracoleta, temos uma auto-estrada patética num anel de circulação inter-urbana.

Nunca perceberemos se estes projectos são feitos para facturar alcatrão, para mamar nas comissões, para engodo dos eleitores ou para orgulho de autarcas narcisistas. talvez seja tudo somado e mais algumas luvas. A verdade é que um país assim é ingovernável. E temo seriamente que os mega-projectos nos venham lançar definitivamente na penúria.

Hoje ao ver o Plano Inclinado do Mário Crespo percebi de novo como tudo é frágil e incerto. Quatro milhões de portugueses vivem todos os meses do ordenado do Estado. Assustador. Os números reais da economia são péssimos. Mas Sócrates teima na despesa sem retorno.

sábado, novembro 07, 2009

SUCATAGATE


Sócrates está encurralado. Entre uma oposição e uns amigos que não interessam muito. A oposição dá cabo da cabeça do Primeiro. Os amigos dão-lhe cabo da paciência. Não bastavam já os tios e os primos, agora os amigos e, ainda por cima, amigos que ele colocou no pedestal da política, das empresas públicas, da finança.

A oposição entala Sócrates entre a espada e a parede. Os amigos deixam-no nervoso, à beira de um ataque. Quando o seu amigo Armando Vara lhe telefona e comenta o caso da compra da TVI e por azar há escutas...tudo uma chatice.

Os portugueses votaram no homem julgando que agora ia haver sossego. Enganaram-se. A face Oculta comparada com o Freeport, até se pode dar este último como brinde e esquecê-lo. A Face vai dar muitos folhetins desta saga socialista, agora no capítulo Sucatagate.

quinta-feira, novembro 05, 2009

O Hino aos funcionários públicos. Embrulhem!!!

FRASE

" NA SUCATA NADA SE PERDE TUDO SE TRANSFORMA"- como diria o Grande Midas e uns espertalhaços.

quarta-feira, novembro 04, 2009

O rei da sucata e o salto de Armando

Com esta face oculta da sucata nacional percebeu-se que afinal a corrupção, o favorzinho, a golpaça, não são só acções nas altas adjudicações mas também nas pequenas. É como no poder. Os gestos mais cruéis são praticados pelos chefezinhos de divisão, os directores de serviço e toda uma cambada de engraxadores, bufos e queixinhas. Isto quer se apontem repartições públicas ou sofisticadas empresas.

Portanto a sucata portuguesa está em rede e tem vindo a alimentar algumas contas pessoais em nome do desenrasca, da gorjeta, do dá cá o meu, do " é gamar enquanto há".

A suspensão de Vara pressionada pelo Presidente do BCP, que não escondeu na tv o seu desconforto, e por Constâncio receoso de mais uma bernarda sobre si depois do BPN, demonstra
a promiscuidade entre política e empresas. Vara é um dos embaixadores. Mas há muitos mais.

terça-feira, novembro 03, 2009

A ganância cega com o Multibanco

Das poucas coisas que funcionam bem em Portugal é o Multibanco. Fomos pioneiros neste serviço e hoje estamos à frente no Mundo nesta facilidade aos consumidores. Basta irmos a Espanha para constatarmos como o serviço do país vizinho está anacrónico. Por exemplo na portagem da auto-estrada Barcelona-França não são aceites cartões Electron. Numa gasolineira não me deixaram pagar com Visa e em Perpignan, França, é preciso andar 500 metros no centro para encontrar o único Multibanco disponível.

Via Verde, Multibanco, homebancking, são serviços excelentes em Portugal. São um sinal daquilo que podíamos fazer em inovação noutras áreas.

Pois bem. Como é um serviço avançado, aceite e usado por milhões de portugueses, como é também um serviço que poupa na mão de obra e em custos brutais nas empresas, principalmente na banca, que quer agora a banca? Passar a taxar o uso do serviço.

Andaram há 20 anos a seduzir os clientes para a indiscutível vantagem das operações online e agora que estão implementadas, e os clientes reféns dessa prática, os espertalhões da banca querem ir aí sacar mais uns milhões para os chorudos lucros.

Os mesmos lucros que servem para operações de duvidosas rentabilidades, como foi a operação da CGD com a OnGoing, ou o custo da nacionalização do BPN, ou a iliquidez do BCP sustentada pelos mesmos de sempre.

Não bastando toda esta lata, a banca depois de se ter portado da forma desgraçada como se portou em termos de credibilidade na crise, vem agora praticar spreads loucos, impedindo os pequenos de terem acesso ao crédito, enquanto os grandes manobram como querem.

Discurso de taxista ? Antes fosse. Com uma banca destas o melhor mesmo é meter a massa debaixo do colchão. E quando inventarem uns cofres baratos e seguros então é que a malta não vai mesmo depositar nos bancos.

segunda-feira, novembro 02, 2009

Vara e Sucateiro Ilimitada.

Ninguém aprendeu com a crise bancária, que foi uma crise por quebra na confiança e pelo rebentar de uma bolha de jogadas à casino. A banca abanou, o Estado deu a mão (nós pagámos) e os senhores banqueiros juraram portar-se bem. Estão a ver...

No nosso cantinho o BPN foi salvo com uma medida à PREC, o BPP teve uma mãozinha do Salvador e o BCP não foi nacionalizado, mas acabou com uma administração que parecia uma tutela do Estado, uma sucursal da Caixa. Socialistas e maçons depois do Jardim Opus Day.

Passada a borrasca, agora que parecia acalmar a tormenta financeira, surge a Face Oculta na banca, uma face que parece ter permitido jogadas de luvas e dinheiro vivo em conluíos entre sucateiros e doutores formados à pressa.

O escândalo Vara e sucateiro é demasiado reles para ser verdade. Claro que tudo isto é sempre considerando a presunção de inocência, mas o que a Judiciária acusa e o Tribunal aceita já é uma dimensão preocupante para este enredo.

O BCP não pode ter à frente dos seus destinos um administrador assim suspeito. E se a justiça só é feita quando o julgamento terminar até às últimas instâncias, não é possível ter administradores com um peso destes sobre a cabeça. É mau para o banco e é terrível para quem é suspeito. Mas a vida é assim. Quem tem cargos públicos deve ter a capacidade de se saber retirar quando está a ser o problema e não a sua solução.

Mas o escândalo bancário não se resume só ao BCP. A tramóia feita na CGD com aquele empréstimo de milhões à OnGoing, através dos fundos das reformas, e que ninguém explica por completo tal operação de alto risco, é a demonstração de que há gente que nunca aprende, nem quer e tem raiva a quem sabe!

Na noite das eleições Vara foi dos primeiros a ir ao Altis saudar Sócrates. Entrou à pressa. Sócrates diz ser grande amigo do bancário que virou banqueiro. E Sócrates apanhado em Bruxelas no meio da bronca respondeu à Barroso:" não me pronuncio sobre casos de justiça!". Claro. E ninguém lhe perguntou: mas Vara não foi posto na Caixa por si e por acaso não seria bonito defender um amigo numa hora má? Até o Presidente da Caixa o fez e não consta que seja amigo e que tenha promovido o secretário de Estado da Tolerância Zero, das matróculas K e dessa ideia de jerico que é a matrículas terem ao lado a data do veículo, a gestor da CGD.