domingo, novembro 08, 2009

A16: A via láctea para o despesismo


Estou sempre a ser surpreendido com Portugal. De repente sinto-me num país irreal...mas muto rico.

Vou contar: vou na auto-estrada para Cascais, saio para Sintra, entro numa via rápida excelente, construída sobre a velha estrada que já fazia a ligação ao Shopping de Cascais. Contínuo, há uma recta explêndida de três faixas, não se vê um único carro e quando vou a gostar da coisa, e a gabar para a minha mulher esta óptima ligação, aparece uma portagem. Digo eu: " a portagem é para quem quer seguir para Mafra e não para a IC19!". Pura ilusão. Pago 0,90 cêntimos e saio na IC19. A minha mulher comenta: se não querias pagar vinhas pela outra estrada paralela que sai na rotunda de Sintra ( a 300 metros acima).

Na verdade não vi nenhuma indicação ao passar depois do Shopping de Cascais que ia entrar numa via portagada, mas só depois de pagar percebi que tinham feito uma auto-estrada ao lado de uma estrada nacional que só precisava de uns arranjos para funcionar com mais segurança. Quer dizer: o Estado gastou ali uns milhões para meia dúzia de gatos pingados pouparem um minuto e gastarem um euro.

Já tinha descoberto há meses essa auto-estrada em viaduto sobre o Ribatejo, agora mais uma via láctea para o despesismo nacional.

Claro que para os socialistas eu sou um pessimista, porventura um Medina Carreira sem habilitações, um Ferreira Leite radical, um vencido da vida. Era o que faltava !!!!

Quando o prolongamento da CRIL, essa sim uma obra urgente e que pouparia milhares de horas e milhares de toneladas de CO2 ( este argumento pega sempre!) está atrasado 10 anos (dez anos meus caros!), embora esteja a ser acabado a passo de caracoleta, temos uma auto-estrada patética num anel de circulação inter-urbana.

Nunca perceberemos se estes projectos são feitos para facturar alcatrão, para mamar nas comissões, para engodo dos eleitores ou para orgulho de autarcas narcisistas. talvez seja tudo somado e mais algumas luvas. A verdade é que um país assim é ingovernável. E temo seriamente que os mega-projectos nos venham lançar definitivamente na penúria.

Hoje ao ver o Plano Inclinado do Mário Crespo percebi de novo como tudo é frágil e incerto. Quatro milhões de portugueses vivem todos os meses do ordenado do Estado. Assustador. Os números reais da economia são péssimos. Mas Sócrates teima na despesa sem retorno.

2 comentários:

  1. Luiz, quem se mete com o PS leva. O país meteu-se com o PS e está a levar com a força toda e sem vaselina. O jorge coelho e a mota engil agradecem.

    ResponderEliminar
  2. Uma constatatação:
    Quem devia ir a conduzir era a sua esposa.
    Veja que ela sabia por onde ir sem pagar.

    Uma admiração:
    Não foi multado pela polícia.

    Um lamento:
    Não ter sido multado pela polícia.

    JJ

    ResponderEliminar