terça-feira, novembro 24, 2009

25 de Novembro faz 34 anos

O fim da aventura dos pára-quedistas de Tancos no 25 de Novembro de 75, na objectiva do fotojornalista francês da Gamma Alain Maingain.

Há 34 anos o meu Citroen 2CV (ID-84-16) ao subir a Calçada da Ajuda partiu o cardin da frente ficando sem tracção. Era 25 de Novembro e eu ia a caminho do Quartel da Polícia Militar para tentar ver o que se passava de movimentação. Era um tempo onde a informação corria depressa, embora não houvesse net nem telemóveis com sms. Havia passa-palavra, telefones fixos e a gente deslocava-se quando queria encontrar amigos e coisas.

Fiquei apeado e sem essa facility dos dias de hoje que é a Assistência em Viagem. Encostei o 2CV e esperei que um primo da minha mulher de então nos viesse rebocar com um Fiat 127.

Horas mais tarde esse primo apareceu lá em casa com dois sacos de sarapilheira para escondermos no sótão. Aceitei sem perguntar o que seria, embora tivesse percebido que não eram batatas da terra. Passados muitos dias fui lá espreitar, embora com algum receio e timidez, e dei comigo a apalpar o cano de uma G3. Telefonei ao primo e no dia seguinte apareceu um tipo que mais tarde foi deputado pelo PS, mas que tinha estagiado na LUAR, a buscar as armas. Aquelas tinham estado sem dúvida em boas mãos.

O 25 de Novembro foi um blackout total em informação. Ninguém sabia o que se estava a passar. Nem os militares envolvidos na operação.

Lembro-me agora que horas antes da avaria do carro eu tinha estado no telhado de uns prédios frente ao Ralis, onde estava também o Eduardo Gageiro, e ainda fiz algumas fotografias. Lembro-me que tinha uma Nikkormat preta, nova, com uma 24mm 2:8. Passado pouco tempo vendia a Nikkormat. Detestava a máquina, o sítio do anel das velocidades, o disparo, a medição de luz e o obturador.

O 25 de Novembro foi o fim da festança revolucionária. E o galgar do capitalismo até ao estado a que se encontra hoje. Deixem-me ser hoje de esquerda, please!

A fotografia em anexo é do grande fotojornalista françês Alain Maingain, na altura dos quadros da Agência Gamma de Paris. Uma das melhores fotos sobre o Portugal pós-25 de Abril. Maingain adora Portugal, tem por cá grandes amigos e costumava vir como jurado no concurso da Visão.

9 comentários:

  1. Hoje lembrámos o 25 de Novembro e, em parte, o desconhecimento do que se passou naquele dia. Há muita informação que, por enquanto, continua no "segredo dos Deuses"
    Visitem.
    http://o-andarilho.blogspot.com

    ResponderEliminar
  2. Luiz, sinceramente, gosto muito de ler as suas histórias, mas às vezes não o entendo. Então quer hoje ser de esquerda? Critica de forma contida a alternativa que "venceu" o 25 de Novembro e o caminho do capitalismo? Preferia que o país caísse nas mãos dos comunas? Havia de ser bonito! Aí nem Nikon, nem Canon, nem Pentax. Aliás, nem uma daquelas "máquinas" de criança em que quando carrega no obturador passam slides de animais o deixavam ter. Isto se não o tivessem já enfiado num gulag qualquer.
    Respeitinho por este dia. Só por estupidez compulsiva do povo é que não lhe reconhecem a devida importância.

    ResponderEliminar
  3. Gonçalo, a SÉRIO. Que enganado que eu estava. Tinha saído da tropa 11 dias antes. Era oficial miliciano. Hoje 35 anos depois pergunto-me se valeu a pena pôr o pescoço no cepo a 25 de Abril de 74 para ler e ouvir tanto disparate. Bem mas cada um vai saboreando o rebuçado que lhe deram.

    ResponderEliminar
  4. E pelo que se lê, afinal as armas estavam em boas mãos as do PS. Que se aplicaram bem a escolher trajectos que afogaram os muitos desejos de Liberdade. Estranha Democracia, esta.

    ResponderEliminar
  5. Apenas mais um comentário, estupidez se compulsiva e do povo, não se esqueça que a ignorância sempre deu apoio a um poder que a gerou e alimentou. A ignorância dá muito jeito.

    ResponderEliminar
  6. Sr. Luiz não se esqueça que há época TODOS eram de "esquerda".Todos eram "REPRESENTANTES DA
    CLASSE OPERÁRIA", lembra~se?É só consultar os programas dos partidos....inté o C.D.S.,era
    "Social",com vergonha mas era...tudo o que era
    CHAMPAS,SALGADOS E DEMAIS ESTAVAM A CURTIR NO BRASIL,HOJE TÁ TUDO NUMA NICE...COM SOBREIROS,
    COM SUBMARINOS,COM O "NOSSO CUMUNA", NA IBERDROLA ,COM TRIBUNAIS A DAREM TUDO AO "MENINO DO AUTODROMO DO ESTORIL E Á MÃEZINHA".Pois...L.R.

    ResponderEliminar
  7. Já agora mais tenicamente, com uma 24 mm num
    telhado?Táva a fotografar o Gageiro?Tá bem, era pesada e tinha esses defeitos que diz ,mas era boa pró "choque"!!!Hoje gostava de ver certos "Artistas" a fotografarem com ela,...ia ser divertido...inté parecia que tinham saido do "Estaleiro da Lisnave" ao fim de um dia de
    "verga a mola"!L.R.

    ResponderEliminar
  8. Pinholeiro, pelas suas palavras, presumo que preferisse uma ditadura comunista. De facto as pessoas nada aprendem com os exemplos dos outros e ainda acreditam no pai natal...

    ResponderEliminar
  9. O Melo Antunes que homenagearam recentemente foi um dos que vendeu o pais !!!
    O Medeiros Ferreira Outro !
    MAs o MAriho não deu meças a ninguém nesta arte de desbaratar o Pais aos interesses internacionais!!!
    Agora temos Socretino e aseguir vaomos ter o Monhé !
    Isto está planificado e o povo vai na cantiga porque os jornalistas estão comprados. É impossivel um jornalista fazedor de opinião não estar comprado!

    Temos um pais de chulos

    ResponderEliminar