segunda-feira, fevereiro 28, 2011

Nobre desceu hoje à Terra!

Fernando Nobre desceu hoje de novo à Terra pela mão de Mário Crespo. Promete em Maio, o mês da Virgem, revelações que irão deixar até lá o país em suspenso.

Nobre tem todos os condimentos para uma salsicharia política populista: os partidos provocam-lhe naúsea, os políticos sim-está bem-têm-de- existir, e o seu tom é o de um iluminado, um visionário que pode até ajudar à formação de um bloco central, se o seu mentor Mário Soares assim o consentir.

Presunção e água benta...mas que aquele jantar em casa de MSoares com Sócrates como pau de cabeleira, é bem sintomático do mundo desgraçado da política...é não é? Lá isso é!

Um mundo sem solidariedade, nem amigos. Um mundo que está a fascinar o médico que durante anos frequentou um outro mundo: cão mas mais solidário do que este da voz do dono.

domingo, fevereiro 27, 2011

O jornalismo e o poder popular.

Num artigo que vi há pouco, cerca de 60 por cento dos jovens americanos sabem das notícias através do Facebook. Se nos lembrarmos das imagens mais emocionantes e feitas ao vivo,  que nos devolveram os últimos  dias atribulados nos países árabes, todas elas foram captadas por testemunhas que usaram o telemóvel, e muito poucas imagens fixas ou em movimento eram produzidas por jornalistas.

Claro que os repórteres chegaram depois, e mostraram o que puderam, muitas vezes ao longe. Muitos deles pagaram com a vida a sua presença no meio das multidões em fúria. Outros, como a repórter da CBS, foram agredidos e mutilados.

Tudo isto dá que pensar. A informação chega hoje mais rapidamente através das redes sociais do que da imprensa tradicional. O que sendo bom, pelo lado da rapidez e do testemunho directo, é perigoso pois são factos publicados sem enquadramento, sem regras éticas, sem um código de honra.

Outro caso que escandalizou Portugal na passada semana, foi o vídeo feito por um grupo especial da polícia que teve de entrar numa cela de um preso usando uma arma de imobilização.
O vídeo foi feito para servir de auto de polícia e acabou por vir parar às televisões, sem enquadramento jornalístico, acabando por criar um facto político e alguns minutos violentos, e lamentáveis, a passarem nos telejornais à hora em que as crianças estão a ver televisão.

Esta ligeireza com que se exibem imagens e se trata a informação está a criar um verdadeiro tsunami na informação. Os cidadãos parecem ter mais agilidade do que os bravos repórteres das televisões e das agências. Os jornalistas ficam reduzidos ao papel de comentadores políticos e aparecem a dizer banalidades em directo, em zonas de fronteira seguras, só para as televisões dizerem que têm enviados especiais à guerra.

Se a imprensa tradicional não souber inverter esta tendência de deixar aos populares a iniciativa da informação a quente, vamos ver mais cedo ou mais tarde também o jornalismo cair na rua.

Tal como os poderes árabes que caíram na rua nas últimas semanas. Esta revolução global e digital, irá ditar uma nova ordem no jornalismo. Também aqui a democracia é bem-vinda, mas tal como nas recentes euforias dos países árabes, não sabemos se o que virá não será apenas mais do mesmo. Ou mesmo pior, muito pior.

sexta-feira, fevereiro 11, 2011

Passos a reboque do Bloco. A infantilidade do PSD.

Confesso que estou um pouco cansado de falar de política. Por isso o Instante Fatal tem-se ressentido da minha pouca aplicação, também traído com a rapidez, agilidade e interactividade do Facebook.

Hoje como está fresquinho, é sexta-feira e o Sol entra pelo meu estúdio na LxFactory, e porque não tendo vindo na minha mula HD, vim a ouvir o rádio num engarrafamento deprimente, hoje,escrevia eu, apetece-me falar desta palhaçada que é a moção de censura dos meus amigos do Bloco de Esquerda. Mas também da do PCP. E da falta de coragem, de rumo e de táctica de treinador político de café que é Passos Coelho.

Ao engasgar sobre a moção do Bloco de Esquerda, Passos e seus seguidores, mostraram uma cobardia política miserável, uma total falta de estratégia. Revelaram que são frágeis, volúveis e que até o Bloco os pode assustar e surpreender. Uns garotos a fazerem política com voz grossa e bem colocada, como se falar ao povo fosse o mesmo que estar a fazer a locução de um programa de rádio do antigamente.

Passos Coelho não tem estaleca, não tem experiência e a sua ansiedade por ir para o poder é incontrolável. Como um carro defeituoso Passos acelera demasiado para a capacidade dos seus travões. Brrrrrr!! PUM!.

Ontem, de visita à Assembleia da República, entrei no hemiciclo estava Sócrates a responder ao PSD. E muito bem: o que o PSD quer, juntamente com o partido do político há mais tempo como dirigente partidário, Paulo Portas,é usarem o ataque de que Portugal está a ser alvo pelas agências de ranking, para forçarem a vinda do FMI durante o governo do PS, deixarem que as políticas impopulares sejam impostas de fora e que o PS possa ter o ónus de ter levado o país ao fundo. Eles virão como os salvadores, os génios, os que vão conseguir por o país a exportar em força, a pagar a dívida num abrir e fechar de olhos, que vão privatizar a CP, o serviço nacional de saúde, vão liberalizar os despedimentos, limpar milhares de funcionários públicos, baixar os impostos, eles vão fazer de Portugal um país em tudo acima dos rankings da qualidade da Europa.

Eles têm a fórmula mágica. Não são políticos. Coelho e Portas e tudo à volta, são os druídas da política, que com a grande mão do grande satã da direita portuguesa, que é Cavaco Silva, irão meter Portugal nos eixos. Vão fazer Portugal ultrapassar a Grécia, a Irlanda, Espanha, Itália, Bélgica, Inglaterra, até o Estado da Califórnia. Esta direita tem a solução. mas é a solução final para Portugal. Uma solução para possibilitar o crescimento desmesurado da classe média alta, de meia dúzia de empresas monopolistas e de meterem o garrote nas pequenas e médias empresas.

Podemos detestar Sócrates. Ele pode ser um mentiroso. Mas é o nosso mentiroso. Claro, que se as medidas deste governo são socialistas eu quero ser da extrema-direita! Mas o que está agora em causa não é acharmos que Sócrates tem uma obra de engenhocas e arquitonto equivalente a um Siza, ou se tem amigos detestáveis ou se odeia jornalistas e tem um fotógrafo oficial execrável. O que conta agora é que as hienas que estão no bloco da direita, e que uivam e salivam, pelo Poder, serão a solução final, juntamente com Cavaco, para que este país perca o pouco que lhe resta de decência, Estado Social e consciência de classe.

A moção do Bloco e a do PCP são de uma leviandade total. A única coisa com piada da Moção do Bloco, é que acontecerá no primeiro dia em que Cavaco vai reiniciar o seu segundo mandato. Um mandato que vai fazer dele o político europeu no activo com os mesmos anos de Poder de Moubarak.