domingo, novembro 22, 2009

O bordel dos assalariados da alta gestão

Os rendimentos dados a conhecer ontem no Correio da Manhã do camarada e amigo Armando Vara são de ficar de boca à banda. Calculávamos que o esperto ganhava bem, eu nunca imaginei que fosse um tamanho euromilhões.

O que abala ainda mais todo este estado de cangalhada a que chegou o país não é um gestor ser pago a peso de ouro. Um gestor que faz crescer uma empresa, cria postos de trabalho e gera dinheiro deve ganhar na proporção do seu desempenho. Aliás, o mesmo se deve aplicar a um trabalhador. Deve ganhar em função da mais- valia que produz. Agora um gestor que foi posto no lugar por razões políticas, que não tem curriculum profissional para o cargo e que tem a tarefa facilitada por não ser a sua acção que vai melhorar ou piorar a empresa, é um escândalo total honorários da estratosfera.
Estar num lugar confortável de um banco, ser Vara, o Rato Mickey ou um irmão metralha não deverá fazer grande diferença para o banco. São cargos fáceis de ocupar e pagos de uma forma completamente imoral atendendo ao país, aos trabalhadores do banco e, já agora, aos clientes que depositam lá o seu dinheiro vendo que esses lucros são esbanjados em mordomias para uma elite oportunista.

Claro que os portugueses são uns invejosos e odeiam quem ganha mais um tostão do que eles. Eu não pertenço a esse tipo de gente. Defendo que se deve pagar bem a quem o merece e que terá de haver quadros que devem ser bem pagos com a responsabilidade proporcional ao que ganham.

O que mais uma vez fica a descoberto é a trama de interesses, a promiscuidade entre o Estado, os partidos do poder e as empresas. Não é promiscuidade, é um bordel total.

1 comentário:

  1. meu caro amigo Luiz carvalho se puder ou tiver quem o faça investigue quem é que está encostado aos tachos do parlamento europeu....

    estão muitos a ir para lá para se encostarem às caras novas que foram recentemente eleitos para lá ... em especial tachos encostados ao PS....

    ResponderEliminar