sábado, maio 31, 2008

Ganhou o alter ego de Sócrates


E pronto, já está. Como se esperava Sócrates tem um alter ego político de saias. A direita liberal que andava atormentada por não ter líder digno à altura pode dormir descansada e amanhã acordar cedo e ir jogar golfe ( o que só mostra bom gosto, é um desporto que eu aprecio e que já pratiquei um pouco). O país pode descansar também. A política vai manter-se como está: longe da multidão, de fora das realidades sociais. A classe média que se prepare para mais um ataque.

Ferreira Leite disse no discurso de vitória que as pequenas e médias empresas e a classe média teriam de ter uma atenção especial. Bom, para quem atacou a classe média quando era ministra vir agora dizer isto, é surreal e demonstra como fazer política se tornou numa actividade mais desbaratada do que vender aspiradores. Depois venham falar em falta de respeito.

Pagamentos por conta às pequenas empresas, aumento brutal da carga fiscal ( IRS, IVA, ISP, IMI) que prejudica principalmente a classe média, taxamento de Scuts e CREL, pagamentos diferenciados na Saúde e outras medidas de Leite quando ministra de Durão, vem agora pedir meças à classe média ?
Parabéns avózinha !

O Rendez-vous de Claude Lelouch

Uma extraordinária curta-metragem de Lelouch passados 30 anos



E Lelouch revisita o trajecto passados 30 anosao volante do mesmo carro um Mercedes S 500

sexta-feira, maio 30, 2008

Como Ferreira Leite é contra o aborto

" As mulheres devem-se ajustar à gravidez não desejada"- Pensamento político de Manuela Ferreira Leite

Professor em Belém, contabilista em S. Bento

A vitória que Manuela Ferreira Leite tem como adquirida amanhã não me interessa. Nem sei se interessará aos portugueses. Quem quer que ganhe todos temos uma certeza: não vai haver oposição capaz a Sócrates, nem vamos ter um novo conceito de política nem governação. Leite é mais do mesmo: impostos sobre a classe média, frieza social, números de sumir e somar. O que aflige é uma total falta de cultura, de ideologia, de projecto político.
O PSD amanhã vai ficar ainda mais dividido. Barões a norte, caciques pelo centro, populistas a Sul. Sem uma maioria clara quem ganhar vai ter de passar no dia seguinte à oposição e à guerrilha.
Manuela Ferreira Leite, que já foi uma líder de bancada cinzenta e que ninguém lhe ligava patavina, não se imagina como vai enfrentar Sócrates ainda por cima não estando no parlamento. E quem a vai representar por lá ? Que alternativas vai aquela mulher apresentar a Sócrates ? Vamos pagar menos ou vamos pagar mais para assistirmos à exibição deste filme bafiento, um remake do discurso da tanga, ou se quisermos uma versão já a sépia daqueles anos de brasa em que os alunos invadiram as ruas contra a política de afrontamento no ensino ?

Como será, ou seria, este país com o casal Cavaco da política ? Imagina-se Cavaco em Belém e Leite em S. Bento ? Imagina-se um professor de economia em Belém e uma contabilista em S. Bento ?

Mário Crespo aperta com Pedro Silva Pereira

A entrevista de Mário Crespo hoje na SIC-N a Pedro Silva Pereira deu gosto de ver. Habituados que começamos a estar a um jornalismo subserviente e acomodado o trabalho de Mário Crespo é acutilante, certeiro e elegante. Não deu folga ao clone de Sócrates  e foi até ao fim nas perguntas e na insatisfação das respostas dadas.

Se dúvidas tínhamos com certezas ficámos: o governo de Sócrates acha que o país está melhor porque há umas décimas percentuais a mais nas estatísticas e que os outros, de Mário Soares ao homem da rua, são uns ingratos para um governo que tem governado bem e sabido distribuir aos pobres uma esmola. Os combustíveis são mais caros em Espanha porque os vizinhos têm superavit, mas não são mais caros do que a média europeia ( o que é uma redonda mentira, estamos entre o 4º e o 5º dos mais caros) há crise mas o governo está tranquilo.

Para o governo socialista é tudo uma questão de estatísticas e de números. A sensibilidade social e o feeling político não existem. Governam para os números, sem empenho nem objectivo político. E a maioria das perguntas feitas por Crespo ficaram nas palavras cínicas de Pereira.

quinta-feira, maio 29, 2008

Animais à solta na AR com crianças a ver

A sessão da AR de hoje teve palhaços. E circo. E animais. Louçã chama animal a Sócrates, Sócrates responde e abana a cabeça, Louçã volta a investir, passa a palavra ao camarada, este chuta para o grupo do PS, este responde com frase de Aquilino Ribeiro, há agora lobos na conversa, e é GOOOOOOOLO !!!!

Na bancada um grupo de crianças está parva com tanta garotice. Mas se falavam de animais o verdadeiro animal político é neste momento Santana Lopes. Chamado á arena responde com convicção. Vibra, emociona-se e mostra uma segurança como há muito se lhe não via. Foi um péssimo primeiro-ministro. Como arma desmobilizadora para o governo está a rugir bem. Se não tivesse sido a grande estratégia para o decredibilizar dentro e fora do partido tínhamos uma grande dor de cabeça para o engenheiro das maisons feitas.
A forma como meteu na ordem Leite e a acutilância versus Sócrates...o animal mostrou a sua raça.
E se Leite ganhar quem ficará à frente do grupo parlamentar ? Ainda ninguém pensou nisto ?

Comuna arrependido enxovalha Soares

Das coisas que mais magoam na vida é vermos projectos que foram nossos caídos na decadência e com um rumo que nós sempre quisemos evitar. Os projectos são os nossos sonhos, mas mais do que isso são as nossas convicções mais profundas. Isto aplica-se a tudo na vida: da profissão, à família, ao futebol, à política.
Por isto deve ser difícil a Mário Soares aguentar um Partido Socialista, que ele criou para construir um Portugal mais moderno e europeu, com balizas sociais, e ideologia baseada na liberdade, vir agora atacá-lo pela boca de um ex-comunista ( um adversário portanto) ao dizer que " o PS não precisa que Mário Soares o venha alertar para os problemas sociais!".

Mário Lino, esse camelo sulista da política governamental, alarva com esta desfaçatez como se Soares fosse um daqueles comunas arrependidos, um socialista -novo na linha de Pina Moura. É de facto triste mas mais do que triste, revoltante.
As palavras coincidentes de Alegre com Soares vêm sublinhar a crise de valores, o descaramento político de Sócrates. Pergunto: se os portugueses votaram no PS para terem uma governação à esquerda o que seria se tivessem votado à direita ? Onde estão as diferenças ? O PS meteu a ideologia na gaveta mas também meteu a seriedade no bolso, no bolso dos portugueses que viram nos últimos anos um dos maiores saques do Estado em impostos. Ao dizer à saída da AR que aquele relatório em que havia milhares de portugueses a receberem menos de 10 euros por dia era de há 4 anos, como será o que diz respeito aos dias de hoje ? Senhor Primeiro : venha então cá para fora o relatório sobre os rendimentos de hoje dos portugueses. Aqueles 10 euros por dia já devem ir nos 5 !

Encosta-te a mim

Record no YouTube mais de 1 milhão e 500 mil visitors

quarta-feira, maio 28, 2008

Adeus Sydney Pollack



Era um dos meus mestres do cinema e morreu hoje. Adorava o Sydney Pollack, o seu cinema, a sua forma de gostar da vida. Vibrava com os seus travellings em África, com a música lamecha do Out África, chorava com a Meryl Strip, ficava a pensar no Robert Redford que ele tão bem soube dirigir.
Há semanas estive a ver o seu documentário sobre Frank Gehry, uma reportagem emocionante feita à mão com uma câmara mini-dv ( uma Canon XM1), o exemplo acabado em como não são sempre os grandes meios os fins para se ter uma grande reportagem.
O cinema de autor parece sucumbir ou então ando a ir pouco ao cinema.

terça-feira, maio 27, 2008

O autismo de Júdice, a visão de Sarkozy

José Miguel Júdice, recém chegado à família socrista e com as compensações que se conhecem por esse novo amor, veio há pouco na SIC N dar os parabéns a Leite, Santana e Sócrates pela coragem em não defenderem a redução dos impostos sobre os combustíveis.
Hoje Sarkozy veio falar em propor à comunidade a redução do IVA sobre os produtos petrolíferos quando estes atingissem um plafond de forma a pôrem em causa o equilíbrio económico. Por cá parece que todos os arregimentados encontraram no ISP um novo cavaleiro andante dos pobres contra os ricos. Os que andam de carro que paguem a crise. É o retomar daquela frase de Zenha, nos tristes anos 70 de que os portugueses gastavam muita gasolina nos radiadores dos automóveis do que a trabalharem.

Para Júdice a solução está em os portugueses passarem a irem trabalhar a pé, levarem, os filhos à escola de bicicleta, irem de férias de comboio e quando viajarem para o estrangeiro de barco à vela. Esta caximónia acha portanto que os 5 milhões e tal de portugueses que usam o carro o fazem por comodismo, luxo e prazer. Um discurso digno de um daqueles marxistas-leninistas-maoistas-estalinistas... que defendiam a Albânia como modelo de desenvolvimento e hoje alojados nas poltronas do poder aos cinquenta anos descobriram a luxúria de um BMW com 16 altifalantes, de um Audi com tracção integral, de um Lexus com câmara para fazer marcha-atrás, de um Mercedes com condução inteligente. Mas chegados que estão ao poder sentem que podem retornar o discurso miserabilista dos anos setenta agora não para impor um regime ideológico puro mas para poderem sacar aos que pagam impostos mais alguns milhões para alimentarem um Estado que é deles, que mais não é do que o estado miserável a que tudo isto chegou.

José Miguel Júdice e o seu interlocutor António Barreto acham que a solução é o futuro: o nuclear, as eólicas, a junta de bois e as pernas para que te quero. Mas as empresas e as pessoas precisam de uma solução para hoje. E esta gente que esteve no poder nada fez para se avançar para uma rede eficaz de transportes públicos, modernos, eficazes, amigos dos utilizadores, planeados com o crescimento urbano ordenado ( uma ideia destas é só para rir em Portugal !!). Esta gente pariu auto-estradas inúteis, desprezou os comboios suburbanos e intercidades, comprou uma frota para o Estado cara e poluidora, marimbou-se em normalizar combustíveis tipo biodiesel para frotas das autarquias e de transportes públicos e do Estado...bom uma tese não chegava para se demonstrar o que o Estado de Cavaco a estas idiotas do PS devia ter feito e nada fizeram.
O que revolta é gente como Júdice que está à frente de um projecto para a frente ribeirinha de Lisboa, megalómano, estúpido, novo-rico, que todos vamos pagar com o dinheiro do nosso ISP, IRS,IMI; IVA, por aí fora, venha dar lições de costumes aos cidadãos de como se devem deslocar. Uma vergonha, uma lata descomunal ! espero só que Júdice tenha abandonado o estúdio da SIC a pé e dado o seu Mercedes em que se desloca diáriamente para abate.

Eu trabalho, pago impostos, tenho de ter o direito de me deslocar como achar que é para mim mais cómodo. Tenho esse direito, mais: tenho muito mais direito em me deslocar no meu Mercedes do que um director geral qualquer: paguei-o com o meu trabalho, pago os meus impostos e tenho esse direito. Enquanto esse director-geral anda de Mercedes à nossa real custa.

Acho que as liberdades em Portugal começam a estar seriamente em causa. Estamos a mergulhar num fascismo moderno, cínico, disfarçado e muito mesquinho. Pelo menos o "outro" fascismo, aquele que nunca existiu, era digno, sério e respeitoso. E tipos como Júdice arriscavam-se a ir tomar banhos de Sol para o Tarrafal. E nós éramos felizes para sempre.

Não podem calar o Scolari ? Irra !...


Não acham este brasileiro-treinador um tipo irritante ? Quer dizer: andou à murraça em directo dando um exemplo de desportivismo e civilidade lamentável para a nossa juventude. Agora enche-nos a cabeça com aquele anúncio, com aquela vózinha irritante. E não esperem pela demora: a seguir o povoléu vai invadir as janelas e marquises anodizadas com bandeirolas nacionais made in China. Aliás o Euro vai ser um grande alívio para o governo. A não ser que vá tudo para a derrota final e o brasileiro vá de vez de onde veio.

segunda-feira, maio 26, 2008

JÁ TEMOS ENDIREITA ONLINE


Edison Athaide acaba de lançar um livro on-line, O Endireita. Este tio brasileiro é um tipo cheio de ideias e tem feito muito pela criatividade nesta terra cinzenta. Na verdade as possibilidades da net são hoje em dia infindáveis e possibilitam o acesso das obras de autor a todos, embora os resultados liquídos da coisa sejam zero. Vejam as horas que este blogue me consome ! Se tivesse de viver dele já estava a escrevê-lo na sopa dos pobres, o que até seria giro, o pior era pagar a net e o meu querido Power Book. Adiante: acho esta ideia brilhante. E se a discussão sobre os jornais on-line esteve há dois anos ao rubro o que eu sinto é que as coisas arrefeceram muito em Portugal. Há muito que se não vê inovação e as possibilidades tecnológicas do digital estão muito longe de terem sido adaptadas ao sites portugueses. Nem experimentámos, ousámos uma linguagem nova, multimédia.
Venha o endireita ( bem precisamos de um !) e ser lançado no dia da feira do livro também é de grande ousadia. Força tio !

Mais no Público

Não há festança do governo sem Vitorino


António Constança Vitorino tornou-se numa figura sinistra do regime. É insuportável aquele ar de quem pensa acima dos outros e afere da credibilidade moral do governo. Tal como o seu camarada Jorge Coelho mandou às urtigas a política e o sacrifício pela causa pública e foi facturar para outras bandas. Acho legítimo, embora seja verdade que se não tivessem estado na política nunca teriam chegado ao que chegaram. Mas esse salto espectacular tem muitos outros atletas da nossa desgraçada política. Dias Loureiro e muitos outros figurões do PSD, PP...o nosso centrão mais ou menos a tombar para a esquerda ou direita.

Agora que à custa daquela miserável taxa que somos obrigados a pagar na conta da EDP ( uma ilegalidade de Almeida Secas que nunca ninguém contestou a sério) tenhamos que ouvir o megafone de Sócrates na RTP a dizer o mesmo que o Pinho e quejandos... poupem-nos ! É fácil arengar de alto quando se factura milhões e quando o alvo a abater é a classe média.

Sim a classe média. Porque os pobres profissionais ( não os envergonhados, não os esquecidos, não os velhos sem eira nem beira), falo dos muitos ( e são muitos) que vivem à custa do rendimento minimo de inserção, que têm casas à borla da câmara, escolas de borla, saúde grátis e que vivem sem nunca terem feito nada. O subsídio à malandragem é justo para os socialistas mas já não é justo baixar o ISP que serve para pagar a funcionários excedentários, SCUTS do Cravinho adjudicados à la Gardére e nem vale a pene estender o rol.

Sócrates sabe que pode não contar com a classe média, mas com os ricos à séria e os pobres encartados, esses vão escrever o seu nome no céu no dia dos votos.

A nova frente ribeirinha de Lisboa é uma loucura

Cais Sodré, foto tirada na passada semana. Foto LC
Uma respeitável senhora da direita dizia-me hoje ao fim da tarde que Lisboa continua na grande incerteza. Vejam estes números: 50 por cento da população da capital não tem rendimentos de trabalho, vive de reformas e afins. 60 por cento da população trabalhadora vive fora e vem a Lisboa trabalhar. E só 35 por cento dos que trabalham na cidade lá habitam. Estamos perante uma cidade moribunda sem economia, sem sangue na guelra, sem possibilidade de crescer e se revitalizar no imediato.
Mas, tal como o país em geral, o governo vai investir uma soma brutal de milhões na frente ribeirinha, em vez de tornar possível a verdadeira reabilitação da cidade que só pode ser feita com investimentos públicos e privados que gerem economia, tragam gente para a malha urbana e não mais uma feira de vaidades para alimentar o ego de um primeiro-ministro com antecedentes graves de pato-bravo.
Não há nenhum exemplo em nenhuma capital europeia com tanta decadência e com tanto investimento de novo-riquismo como Lisboa
E é bom acrescentar que se a EXPO 98 foi boa porque foi o que foi também é bom questionar que a debandada geral do centro de Lisboa começou com o incêndio do Chiado e com a política avestruza de Jorge Sampaio e culminou com a EXPO. Alguém com dinheiro iria investir num centro da cidade velho a derrocar depois de ter ali a EXPO à mão de investir ? Alguém quer viver no Chaido do Siza com preços exorbitantes, construção de má qualidade, sem sequer haver garagens para os automóveis ? Alguém de bom senso quer viver na baixa para correr o risco de levar uma facada depois da sete da tarde ? Quem quer pagar para isso ? Quem quer viver numa cidade fantasma, com um IMI brutal, EMEL a roubar, ruas escaqueiradas. Se Costa nem as ruas lava como quer ter uma frente ribeirinha de luxo ?

Sócrates vem dizer que não baixa o ISP. A classe média que pague o deficit mas depois investe em elefantes brancos que vão ficar a ser pagos por nós e pelos nossos filhos, se tiverem com que pagar.

Resposta de jerico de Pinho na Antena 1

O ministro Pinho entrevistado hoje ao fim da tarde na Antena 1 dizia que o governo estava a controlar a crise dos combustíveis pois tinha aumentado o abono de família e aberto uma linha de credito às pequenas e médias empresas. O jornalista de serviço não o interrompeu, deixou-o fazer a propaganda e timidamente perguntou-lhe no fim: e pode baixar o ISP ? Não, porque nem temos a gasolina mais cara da Europa ! A resposta é de verdadeiro jerico. Eu que vinha tranquilamente em cruise-control na auto-estrada dei uma patada no acelerador e mudei o rádio para a tranquila Marginal 98.1. Apeteceu-me fazer inversão de marcha e ir viver para Espanha. Mesmo correndo o risco de encontrar Paulo Portas das Feiras numa bomba de gasolina !!
É uma afronta à inteligência do cidadão este ministro, este governo.
Vão pagar caro o autismo. Quando começarem as convulsões sociais depois quero ver.
Não me parece que as empresas e os cidadãos possam resistir muito mais a este estado das coisas. Sócrates vai pagar caro a teimosia. Olá se vai.

domingo, maio 25, 2008

Farto de idiotas

Detesto apagar comentários aqui feitos no Fatal porque parece que é a melhor maneira de me ver livre de opiniões que não partilho. Este tipo de fóruns tem um pecado capital: o facto de haver anónimos que a coberto dessa possibilidade se acham no direito de pôr em causa a honra das pessoas ou de virem com discursos miserabilistas, próprios de frustrados da vida. Se é para isso que serve este blogue eu passo a cortar os comentários ou deixo o blogue aberto com restrições. Acho que o não devo fazer porque isso é contrário ao espírito da net, que é o da liberdade, que eu muito prezo.

Quando fui editor multimédia no Expresso tive dias em que me apetecia alinhar por aqueles que lá dentro defendiam os comentários controlados, não censurados, mas previamente vistos antes de pôr online. Acho isso anti-net e ainda por cima implicaria custos enormes só em manter essa vigilância 24 sobre 24 horas. Mas a grosseria atingia o inenarrável e mesmo um tipo como eu que me acho muito liberal ficava enojado com os provocadores do costume.
Até agora não tenho tido grandes razões de queixa por aqui. Mas hoje, talvez porque estou particularmente zangado com as injustiças de Deus, não me apetece aturar idiotas frustrados. Já chateia a lenga-lenga do pobrezinho que mora longe, ganha mal e que os culpados são sempre os ricos e o que andam de carro... o discurso da tanga e do faduncho nacional. Porque não vão dar banho ao cão ?

O sopro da vida

O que mais me impressionou em Paulo Teixeira Pinto (PTP), enquanto o fotografava para a entrevista que saiu hoje no Expresso, foi a sua serenidade perante a inevitabilidade de uma doença que ele admitiu. Paulo Teixeira Pinto encontrou na pintura, na leitura, na vida total, a grande razão de ser. No Alentejo levanta-se muito cedo, pinta, fotografa com o telemóvel o nascer do Sol. Olha a vinha, reza. E toca bateria.
Encontrou a grandeza que é podermos relativizar as coisas da vida. É o nível avançado da maturidade.
Hoje ao saber das dificuldades que um querido amigo enfrenta com a sua saúde lembrei-me como tudo é breve, fugaz. Como dizia alguém: um sopro.

sábado, maio 24, 2008

Sócrates paga a Cerejo

Ninguém deu muita importância ao facto de José Sócrates ter sido condenado a pagar dez mil euros de indemnização a José António Cerejo do Público por ter escrito há anos que o jornalista era parcial e incompetente ( cito de cor). Acontece que Cerejo foi o autor da reportagem sobre os projectos do engenheiro Sócrates nos anos que antecederam a sua subida ao céu da governação. embora já fosse um militante assanhado do PS.
O jornalista do Público não costuma largar o osso quando começa a investigar. Ele é dos últimos jornalistas que fazem da profissão uma missão pública. Irritou de sobremaneira João Soares que nem podia ouvir falar no seu nome e até se pode dizer sem grande exagero que muito do desgaste de Soares na Câmara se deve a artigos do Público a malharem-lhe forte e feio.

Esta condenação de Sócrates vem pelo menos demonstrar que ainda há alguma justiça atenta no país. Em causa estava a isenção e independência do exercício do jornalismo. E isso tem de ser sagrado em nome da democracia. Agora repare-se no silêncio que se fez à volta disto. Depois da bronca do cigarro, esta outra até parecia perseguição.

sexta-feira, maio 23, 2008

O regresso da velha senhora ?

No debate entre os quatro magníficos a candidatos à liderança do PSD, na TVI, ficámos a saber que todos se curvam perante Manuela Ferreira Leite. E ela que soube gerir o silêncio em vez da berraria, ganhou a todos. Falou para o país à la Obhama em vez de dar trela a uns enervados candidatos. Santana esteve seguro, Passos a uns passos de desaparecer - aquela do neo-liberalismo não está a dar meu caro!- e Patinha Antão quando o deixaram falar disse naquela velocidade a que já foi apanhado a conduzir todo um projecto para o país, regado a after-shave com odor a tio.
O PSD está nesta encruzilhada. Ontem foi o pobre Meneses a vomitar ódio, hoje foi o regresso da velha senhora que pelos vistos vai mesmo enfrentar Sócrates. E se tenho sido bastante ácido para esta candidata também é verdade que só o facto de se ter mostrado "reservada" perante o TGV e o novo aeroporto já demonstram um grande bom senso e sentido do realismo. Mas não chega. As suas ideias sobre o SNS são sinistras e tudo neste PSD cheira a ressabiamento contra a classe média. A vitória de Leite talvez abra um caminho: o regresso do baronato que está a aquecer os motores V12 nas garagens de Cascais e da Foz. Desgraça.

PS: este post tem hoje uma nova versão.

quinta-feira, maio 22, 2008

Deitar lume no preço da gasolina

Há situações sociais que se tornam incontroláveis depois de rebentar a panela da pressão social. Sócrates devia saber disto. Vimos como foi o buzinão de Cavaco: uma bolha de descontentamento que rebentou depois de anos de crescimento, é verdade, mas também de muita arrogância e de muita insensibilidade social na recta final do mandato.

Ora este aumento descontrolado dos combustíveis, com todos os reflexos directos na economia do país, mas de efeitos imediatos na carteira dos cidadãos, está a criar um insuportável mal estar. Os portugueses percebem e engolem que há uma inevitabilidade: o petróleo aumentou e há especulação internacional. 
Os portugueses já não aceitam que 60 por cento do preço ao público seja para impostos e que o Estado e as petrolíferas estão a aumentar os seus lucros com esta crise. Quer dizer: quando há uma conjuntura desfavorável o Estado surge como o principal beneficiário e as Galps deste mundo como uns usurários a arrecadarem lucros bestiais à custa do consumidor.

O ministro da economia ri-se na AR disto, o ministro das finanças responde com ar arrogante:" Gastem menos, andem a pé, comprem carros à vela!" e até Sócrates perante aquele faits-divers ( mas simbólico!) de a Câmara da Ericeira ter sido multada por usar óleo de fritar nos seus carros responde evasivamente.

A corda estica e eu penso que se esta situação de aumentos galopantes se mantiver vamos ter aí um valente buzinão. Basta uns camiões pararem pela manhã nas entradas de Lisboa, o país pára. 

As revoltas populares começam assim e espalham-se como uma onda de choque. Não é aceitável que os eleitores votem nuns tipos que depois de estarem no poder nada fazem para defender os superiores interesses dos consumidores ( usando uma linguagem neo-liberal!).

Aliás a latosa desta gente dos partidos é de ir às lágrimas. Como é que uma senhora que massacrou a classe média com impostos, IVA a mais, pagamentos por conta, venda de património, arrogância e rei na barriga, ela que foi uma das responsáveis pela liberalização do preço dos combustíveis, pode agora querer ser líder da oposição ? E depois primeira-ministra ! Ou o país está moribundo ou tudo isto não passa de uma novela política sul-americana. 

quarta-feira, maio 21, 2008

Dez anos depois da Expo

Há dez anos abria a Expo 98 o orgulho para todos nós. Sentíamos então que Portugal estava finalmente no mapa da Europa. Já éramos um país respeitado e moderno, competitivo e que a partir de então seria sempre a subir. Eu era anticavaquista, como sempre, e um amigo de direita desafiava-me :" diz-me uma pessoa à tua volta que não viva melhor do que há 5 anos!"- eu pensava e na verdade não conhecia ninguém: desde o mais modesto ao mais abonado.

Tínhamos todos melhorado o nosso nível de vida. As empresas queriam ser inovadoras, reconheciam o mérito, o curriculum, pagavam pela qualidade, exigiam qualidade. No jornalismo este ambiente de inovação fazia-se sentir nas redacções e nos produtos que chegavam aos leitores e espectadores.
A televisão privada estava em alta e a internet dava os primeiros passos. A SIC com Rangel à frente desafiava há 5 anos a concorrência, revolucionava a forma de fazer televisão, uma equipa jovem e empenhada por pouco não tocava com os dedos na Lua tanto era o sonho e o desempenho.
O fotojornalismo era reconhecido e valorizado desde os anos oitenta mas era então que tinha chegado ao apogeu. Os jornais destacavam graficamente as imagens como conteúdos jornalísticos.
O Expresso estava à frente mas o Público e o Independente davam luta à altura. Havia uma nova geração de fotojornalistas cultos, talentosos, tecnicamente capazes. Abriu-se uma janela e entraram verdadeiros novos talentos. Não porque fossem arrivistas, invejosos ou espertalhaços à espera de uma manobra para se promoverem. Tinham talento e ideias e pensavam em fotografia, não em poder ou carreireca.
Portugal estava no bom caminho. Havia investimento fresco estrangeiro e se havia dinheiro a entrar da CEE também é verdade que muitas dessas verbas o governo de Cavaco nem aproveitou por falta de planeamento.
Éramos quase felizes e afinal não sabíamos.
Em 1998 Cavaco tinha acabado de deixar o governo e a subida de Guterres trazia um ambiente de tolerância e de uma grande bondade social. Podemos apontar-lhe algumas falhas mas era um homem bom com uma solidariedade social sem fim. Acho que pouco se tem falado desta sua faceta. E essa justiça devia ser feita.

Passados dez anos o país mudou para pior. E por muito que Sócrates faça de vítima e se queixe da conjuntura, este governo e os outros anteriores, nomeadamente da dama do ferro velho, do imposto por conta e do aumento do IVA, desde então foi sempre a descer.
Um país não se governa com desânimo, medidas castrantes e ódio à classe média. Não se cresce a economia com uma pesada carga fiscal sobre as empresas e as famílias. Não se cresce com empresas com salários miseráveis, falta de formação e com um aparelho de Estado desorganizado e com milhares de funcionários a viverem à custa dos que pagam impostos.
Sócrates bem pode querer fazer a sua Expo mas agora é tarde e o dinheiro escasso.
Voltámos à estaca zero mas em alta velocidade: até vamos de TGV !

terça-feira, maio 20, 2008

Horas para fazer uma fotografia.

António Damásio hoje no Ritz. Foto LC
Hoje ao fotografar o professor António Damásio no Hotel Ritz, não resisti a dizer-lhe que tinha adorado aquela sua fotografia, há anos, na capa da Time. Resposta dele:" nem imagina as horas que aquilo demorou!".
Nós em Portugal temos muita dificuldade em agarrarmos os nossos entrevistados para mais de 15 minutos de fotografias. Enquanto uma entrevista pode demorar horas a ser feita as fotos que ilustram essa peça demoram escassos minutos. Há um hábito latente nos fotografados: acham sempre que " já chega, já tem para aí fotos que nunca mais acabam". E muitos não resistem a perguntar:" deita fora as que não aproveita? Veja lá o que escolhe ! Deixe-me ver o que tirou!". raramente se pergunta ao redactor para mostrar o texto ou menos ainda os apontamentos.
O facto de não se montar um cenário com luzes e produção a sério, como o faz Annie Leibowitz por exemplo, leva a que os retratados sintam que a fotografia é de somenos importância, embora na hora gostem de ver as fotografias mais favoráveis publicadas.
Prefiro sempre apostar na empatia, na luz ambiente, em tirar partido do espaço onde estou a fotografar. É um exercício arriscado. Por vezes o modelo não colabora, não tem expressão, parece que engoliu um pau e o local é inóspito, a luz sem relevo. Outras vezes está tudo a favor e o resultado é bom. Este fio da navalha é para mim estimulante e raramente corre mal.

segunda-feira, maio 19, 2008

Viva Manoel de Oliveira, viva a juventude !

Palma d`Ouro hoje em Cannes para Manoel de Oliveira. Adoro Oliveira: a sua inocência, vitalidade, saber, carácter, forma, poesia, rigor, tempo, tempo, velocidade a conduzir, lentidão a filmar. Oliveira é um realizador para a eternidade. Comovente a energia deste homem. E comovente como a França o recebe e agora nem o esfarrapado argumento que era a protecção de Paulo Branco que o fazia brilhar serve. Ele cortou com Branco há muito.

Durão Barroso esteve em Cannes na cerimónia e é bom lembrar que Oliveira tinha aceite um dia jantar em S. Bento quando este era primeiro.

Lamentável: o ministro da cultura só foi ao jantar e não esteve na cerimónia. lamentável (2): o desprezo, a arrogância com que a nossa abrutalhada imprensa e TV mal trataram o evento. O Paris-Match dava-lhe grande destaque no online e fazia esta foto a imagem do dia.
Nem quando somos bons temos nisso orgulho.

Trânsito de sofás autorizado por Costa

António Costa é um inimigo dos automóveis em Lisboa. O autarca socialista prefere a cidade às moscas e com uns pataratas de animação cultural a ter de receber forasteiros.
A única medida que ele tomou visível desde que é autarca alfacinha foi proibir o trânsito aos domingos no Terreiro do Paço.

O cais das Colunas está condenado a nunca mais existir ? Não é grave: corta-se o trânsito ao domingo. As ruas estão escalavradas, porcas e escuras ? Corta-se o trânsito ao domingo. Lisboa está deserta à noite e há medo e perigo em andar a pé? Não faz mal: põem-se mais radares onde nem passam carros. Costa faz parte desta cultura socialista á la Sócrates: chatear os cidadãos para dar a entender que a governação rosa é moderna, gira e interessante. Os esquerdalhos adora, os gays aplaudem, a direita aproveita para fazer negócio, os socialistas esbanjadores taxam para pagar os vicios.

Costa que na sua campanha eleitoral, que lhe granjeou em votos menos que o Estádio da Luz no dia do adeus a Rui Costa, chegou a usar uma bicicleta e aproveitou para escolher um trajecto que era todo ele a descer. Depois já engordou e nunca mais se viu a dar ao pedal. A descer só mesmo ele e a cidade que ele está a ajudar a soterrar.

Ontem Costa autorizou uma corrida de sofás no Terreiro do Paço embora fosse dia de corte de trânsito. Mas como os sofás eram patrocinados pela Vodafone e eram empurrados por burros ( iguais ao que ele usou um dia a correr em Loures contra um Ferrari de um socialista amigo, de um verdadeiro socialista digo eu sem cinismo) o edil lá autorizou o trânsito.

Na verdade se o seu camarada Sócrates insistir na gula do ISP vamos ter que andar todos não de sofá ( muito burguês!) mas sim de cadeiras de rodas, e mesmo assim lá virá um impostozinho para taxar os egoístas que teimam em usar transportes privados !

Todos os dados contra Portugal


A sensação que vivemos num período de fim de um ciclo é cada vez mais evidente. Hoje mais uma vez as notícias sobre os números da economia portuguesa são arrepiantes. O investimento estrangeiro baixou 50 por cento e o investimento português no estrangeiro 20 por cento. O ministro da economia comenta que os outros crescem porque investem em supermercados mas nós portugueses temos o investimento bom. Só falta vir Sócrates repetir: " parece-me realista!"
O presidente Cavaco comenta que " não se quer meter na esfera do governo mas tem esperança que o investimento aumente!".

Ora sabemos todos que o investimento em Portugal não aumenta, pelo contrário diminui, porque não há empresários malucos que invistam num país onde a energia eléctrica é mais cara, o IVA mais alto, os combustíveis mais caros, a burocracia infindável, os impostos absurdos, a lei do trabalho por turnos do século 19, as portagens para transportar produtos um absurdo. Não há incentivos. Fiz uma reportagem sobre estrangeiros que vivem e investem em Portugal ( uma reportagem sobre loucos, portanto) e todos punham a burocracia como o maior entrave ao investimento.

Estamos sempre no fim da cauda, no fim de tudo e de todos. Esta tendência não é contrariada em nenhum item. Claro que há crise internacional, claro que o petróleo está imparável, mas também é imparável os lucros fabulosos das gasolineiras, do ISP. Uma coisa é os preços subirem porque a conjuntura internacional o exige, outra coisa é a teimosia do governo em insistir numa tributação estúpida, gananciosa que está a pôr em causa a sobrevivência das famílias, das empresas. Sócrates está a empenhar de novo o país só com a obsessão dos milhões que vão entrando nos cofres do Estado para combaterem um monstro que ele não teve coragem nem competência para abater.

Quando deixar a governação Sócrates vai ter uma amarga realidade: o país não vai estar melhor em nada. Nem nas contas de sumir que ele tanto fez para combater um deficit herdado da Dama do ferro velho: essa deixou o país nos 7 por cento e inventou os pagamentos por conta. Sócrates vai deixar atrás de si um país de jovens desempregados, 80 por cento a trabalho precário, com 90 por cento dos empregados com uma vergonhosa média de 750 euros por mês de rendimento.
Andámos tanto, tanto, para chegarmos a esta tristeza. Mas vamos andar mais depressa com o TGV, o novo aeroporto e a Zona Ribeirinha de Lisboa. Tudo investimentos que não criam receita, não atraem investimento e geram despesa. Deprimente na verdade.

domingo, maio 18, 2008

A vitória tranquila do Leão.


A vitória do Sporting é a vitória da esperança e a prova que vale sempre a pena desafiar o destino mesmo quando este parece levar-nos a um muro de pedra. Duas vitórias seguidas na Taça e um honroso segundo lugar no campeonato aí está com tranquilidade a força do Leão.
A derrota do Porto é também a prova que Deus é grande e que por vezes joga futebol. Com exibições destas apetece retomar a festa da bola. Enquanto há vida há esperança e esta veste-se de verde. Viva o Sporting.

sábado, maio 17, 2008

Sócrates não dá cavaco a Costa e vai fazer a sua Expo

O plano megalómano de Sócrates para a zona ribeirinha lisboeta é a obra do regime que ele quer deixar. Ele não quer ficar na História como o governante que teve um diploma saído na farinha Amparo passado ao dia da missa, nem no anti- Siza com aquelas horrendas marabilhas engenho-arquitectónicas que assinou e assumiu ter parido. Sócrates não quer ficar na História como o atrevido que fumou numa cabine quando ia visitar um ditardozeco da América latina. Ele quer obra e para tal vai fazer o aeroporto, uma ponte e uma nova Expo. Alguém disse que estávamos em crise ? Também vou pensar trocar de casa, de Porsche e por aí fora. Afinal o país está na maior e o ministro das finanças só pode estar certo em não querer baixar o ISP.
Agora que António Costa de nada saiba é espantoso. Sócrates tomou o projecto e não deu cavaco ao seu ex- dois. Não é de ir às lágrimas ? E ninguém diz nada ?

Ministro das finanças nas tintas para baixar o ISP

A insensibilidade deste governo para a realidade do país brada aos céus. As palavras obtusas do ministro das finanças, hoje a propósito de não ir reduzir o ISP é de uma arrogância intolerável. A questão é esta ? quando votamos é para escolhermos quem nos defenda ou quem nos agrida ? Como pode um merceeiro daqueles ditar com ares superiores que o melhor é pouparmos, arranjarmos energias alternativas e pagarmos ? Podia dizer: o governo está preocupado, há uma pressão enorme sobre o orçamento das famílias e das empresas, vamos ver, não vamos ver, uma palavra que demonstrasse preocupação. Não. A arrogância é maior que no cavaquismo no seu pior. Mas é também nestas fases que os governos começam a caír de vez. O poder elevou-os tanto que só há uma solução: uma brutal queda.

quinta-feira, maio 15, 2008

Ó tu que fumas !

O facto de Sócrates ter sido apanhado com a boca na botija não teve consequências imediatas para o futuro cinzento dos portugueses.
A viagem histórica do líder socialista ao camarada Chavez acabou por não ser ainda bem explicada ao povo.
Por exemplo quem está metido como intermediário nestes negócios que trocam ouro negro, manchado com o sangue de vítimas de uma ditadura legitimada nas urnas,
como o "viciado" ( palavras de Cavaco) Sócrates fez questão em defender, por matérias-primas portuguesas. Claro que a gasosa por cá não vai diminuir de preço: primeiro porque o governo não abdica desse verdadeiro poço de petróleo virtual que é o imposto sobre combustíveis, segundo porque o que vier será para pagar, mais uma vez, a factura despesista que não há governo que consiga diminuir.

A nova revisão em baixa da economia portuguesa por parte do ministro das finanças, depois do foguetório que tinha lançado desde a apresentação do orçamento de estado, é outro facto lamentável.
Mais uma vez a economia portuguesa é aquela que pior desempenho teve na zona euro ! Portanto mantemos a tanga no país, esse tapa vergonhas que Durão Barroso iniciou mais a sua ministra Ferreira Leite, quando pôs o cego combate ao deficit- e ao crescimento- em primeiro lugar de tudo. Lembram-se o que fez então a França, a Itália e a Alemanha ? É bom lembrar.

Para acabar: é verdade que se fuma em voos presidenciais e eu nunca vi que o Presidente o tivesse visto. Fumam jornalistas, convidados e alguns membros da comitiva. É um facto lamentável. Não por ser ilegal mas porque incomoda. Há posturas que um cidadão "normal" toma e que a si apenas lhe ficam mal como cidadão. Essas mesmas posturas tomadas por um governante têm um significado político completamente diferente.

Por exemplo: um governante que é contra os homossexuais e que legisla sobre isso, e que é apanhado como gay é notícia. Um governante que nunca lutou contra esse comportamento se for gay ninguém tem nada a ver com isso, e se for notícia é invasão da privacidade.

O governador de Nova Yorque que se demitiu por ir às putas teve de o fazer porque era um idiota de um conservador, moralista e autoritário. Sócrates é um governante conservador, autoritário que implementou uma lei cega sobre o tabaco, que tem uma ASAE que persegue fumadores prevaricadores e afinal acaba a fumar em público, num local público, embora estivesse um voo fretado. Não era um voo entre amigos, era um voo de Estado. Sócrates estava em funções de Estado e ainda veio armado em anjolas a dizer que não sabia que não era proibido. Ora isto é o cúmulo do cinismo.
Espero que a ASAE lhe passe a facturinha da multa: 75o euros.

quarta-feira, maio 14, 2008

Sócrates: " Perdoa-me Portugal!!!

Sócrates já não é o que era. Dos tempos da arrogância chegou ao tempo do perdoa-me. Apanhado em flagrante a fumar na cabine do avião, a caminho do seu amigo Hugo, houve um jornalista queixinhas que o veio denunciar e ele não teve outro remédio se não pedir desculpa ao país, aos contribuintes, a todos que votaram nele e que por causa disso o têm tido que aturar. Se o acto viesse de um político descontraído e que não tivesse andado armado em moralista e em menino politicamente correcto, até se podia perdoar. Vindo de um beato do ambiente o gesto só pode ser condenável, e muito condenável. Perdoar ? Hum... deixem cá ver. Talvez...mas esquecer esta traquinice do menino Zeca Sócrates só se nos fizer desconto no Imposto automóvel::))

Claro que Sócrates está como Clinton quando foi apanhado com a estagiária disléxica que confundiu salada de mamão com mamada no salão. Então Clinton teve uma safa: como não tinha havido penetração não tinha havido sexo. Sócrates pode ainda recorrer da sua atitude: se não engoliu o fumo não se pode considerar que tenha fumado. Apenas acendeu um cigarro.
Com esta atenuante e com a descida de mais uns pontos no IVA, a malta perdoa, pá !!!

Leite adormece, Santana aquece, não se ouve Passos, Sócrates arrependido

Portugal está a ficar divertido. E se Leite não ganhar o PSD, ao que tudo indica, então a Pátria vai sair do cinzentismo. A Dama do ferro velho está a dar uma entrevista à Ana Lourenço - que eu muito prezo e admiro- que é uma verdadeira chatice. Não é uma entrevista é uma anestesia com cloroformio ! Já adormeci ali no sofá com a Mafi, a minha querida gata-chefe, e quando acordei pensava que estava nos confins do inferno. Ouvi Leite a pronunciar a palavra sound-bite, uma terminologia multimédia. A gastar dinheiro em palavras destas, admire-se com o déficit que nunca conseguiu controlar. Portanto: a candidata a chefe parece querer usar terminologia à la sound-bite mas com as perguntas fretistas da Ana e com a conversa de xaxa da ex-ministra o melhor é dar razão a Jardim: voto no Santana. E viva a festa !

Outro acontecimento do dia: Bagão Félix escreveu um livro de contos " Cacos e rosas". Outro ex-ministro das finanças que andou a castigar o bolso da classe média portuguesa ( este foi mesmo ao bolso dos que ganhavam 500 euros e metiam baixa!) e agora vem falar á televisão com voz maviosa, armado em santo. O ex-lampião das finanças, representa em filmes do João Botelho, fala com as árvores de Lisboa e conta contos, depois de nos ter contado as notas. E a RTP2 entrevista-o como se aquilo fosse um caso do dia. Acontece !!!

Os benfiquistas não marcam golos mas marcaram a agenda de hoje. E Rui Costa já é director. Eu estive lá a fotografar o acto. O que tem de ser feito, faz-se.

Mas nada, mesmo nada, iguala o perdão de Sócrates. O homem quando nos aumentou os impostos não pediu desculpa, mas acendeu um cigarro no avião e veio logo ao beija mão. Chama-se a isto miaúfa do eleitor. Por mim punha-o a um canto com um nariz à Pinóquio e teria de dizer mil vezes: sou um falhado como engenheiro, pior como arquitecto de casas feitas e menti aos portugueses quando aumentei impostos. Por isso houve crianças que ficaram sem Play Stations.

PS (D): alguém ouviu hoje Passos?

terça-feira, maio 13, 2008

Sócrates fuma a bordo do voo para Caracas

foto de ilustração
Anedota ? Não ! Sócrates fumou a bordo do TAP a caminho da Venezuela. Para exemplo não está nada mau. O homem é assim: façam o que eu digo, não façam o que eu faço.

CHAVEZ ADORA FÁTIMA E CURTE SARAMAGO


Sócrates está na Venezuela com o seu amigo Hugo Chavez. E sente-se em casa. A empatia entre os dois parece ter nascido à primeira vista. O pragmatismo de Sócrates faz sentido. Há demasiados interesses portugueses na Venezuela para desbaratar tal capital com políticas provocatórias. Já estive na Venezuela por duas vezes e numa dessas viagens fiz uma grande reportagem com portugueses que lá viviam. Um fazia gelados de presunto para lá dos Andes, outro tinha um banco, outro uma livraria de livros marxistas, outro fazia surf no intervalo da profissão de empregado do comércio, outro tinha um excelente restaurante e outro uma discoteca cheia de febre ao sábado á noite.

Hugo Chavez não é um democrata mas tem sabido meter na ordem o Bush e aterroriza um certo capitalista arrogante. É populista à moda antiga e acredita em Deus, embora ponha Fidel ao lado de Cristo. Para os pobres aquele regime dá umas esmolas e melhora o estômago, para os ricos é o descalabro.
Na terra onde a gasolina custa 5 escudos o litro Portugal vai negociar a troca de serviços por ouro negro.
Oxalá Sócrates não se lembre de acender um cigarro por perto da gasosa barata, lá vamos ter um primeiro a fazer PUM como o pobre padre brasileiro que quis voar em balões.

segunda-feira, maio 12, 2008

Glamour, futebol e muita fé mobilizam tugas



Bárbara Guimarães há 1 ano nos Globos de Ouro, o adeus de Rui Costa e Procissão da Senhora da Saúde. Fotos: Luiz Carvalho
O país está mobilizado, ao contrário do que dizem os cépticos- clube no qual me incluo por vezes.
Vejam o dia de ontem: uma procissão em louvor da Senhora da Saúde encheu as ruas de Lisboa. A ministra da saúde faltou, mas António Costa e a nossa Primeira Dama estiveram presentes. Milhares de fiéis a rezarem e a cantarem aos céus procurando no infinito o que não conseguem enxergar a dois palmos à frente dos olhos. Eu vi porque estive lá. Horas mais tarde um estádio com mais de 50 mil fiéis gritava não à vitória no campeonato, não ao segundo lugar no campeonato, não ao novo candidato a treinador que levou uma cabazada de 8 golos em Inglaterra. Não: o Estádio da Luz cantava o adeus a Rui Costa um dos jogadores mais ágeis, simpáticos, um ícone desta geração de ouro do futebol português. Rui Costa não é do Benfica é da gente e nesse sentido foi uma festa linda. Eu vi, eu estive lá.

Hoje mais de 300 mil enchem neste momento o recinto de Fátima. Com muita pena minha não posso lá estar. Adoro Fátima, a envolvência, a espiritualidade, a fé, a entrega, a verdade, a sinceridade, o misticismo. Fátima é também a visão virtual da terra prometida, isto é:da felicidade interior. Ir a Fátima é acreditar, e isso é o que todos precisamos. Quer seja na Nossa Senhora, nos pastorinhos, na luz que ali surge por vezes filtrada por nuvens que são melhores do que aqueles fatelas filtros Cokin do tempo da quarto escuro.
Ontem, voltando atrás, era a Festa dos Globos de Ouro que reunia também uns milhares de devotos das feiras de vaidades. Foi um bom espectáculo de televisão, embora o tenha visto praticamente no fim, quando cheguei a casa do Estádio da Luz ( dito assim até arrepia !).

Portanto os portugueses mobilizam-se quando é por uma causa. Fé, futebol ou peneiras o povo gosta de festa. Veremos se o povo do PSD se vai contagiar por toda esta festança. Para já gosto das bocas de Santana a Leite. O homem não mata mas desmoraliza muito, o que é delicioso atendendo à ganância do baronato em fase de aquecimento para entrarem em campo. Mas só quando as previsões se souberem no final do jogo !

domingo, maio 11, 2008

Milhares querem ver World Press Photo e Visão

Visitantes esta tarde no World Press Photo e Prémio Visão. Foto LC

Havia uma bicha de 15 minutos para a bilheteira do World Press Photo e Prémio Visão, esta tarde no Museu da Electricidade.
Há na verdade uma curiosidade enorme por parte do público para ver fotografia. E as pessoas vão aos magotes ver uma exposição ( excepto na minha ::)) de fotografia. Ora, se assim é, porque teimam os jornais e a imprensa em geral em desprezar o fotojornalismo ? A pergunta é pertinente e a resposta delicada. O que é dado ver nestas duas exposições é do melhor que há em jornalismo fotográfico. Há histórias reais e verdadeiras para mostrar e contar, há dramas, horrores e denúncias de atentados aos direitos humanos. E o público vai, comove-se e identifica-se com as preocupações e as ansiedades daqueles fotojornalistas. Muitos arriscaram a vida, alguns chegaram a morrer por uma foto, e o sucesso deles não se traduz em fama, glória e muito menos riqueza. O fotojornalismo é sempre mal pago mesmo quando é muito bem pago. Os honorários da imprensa comparados com os da publicidade são paupérrimos.

A cultura fotográfica que encontramos nesta exposição deveria ser a mesma que devíamos encontrar quando compramos os nossos jornais e quando esperamos ler e ver nas revistas o melhor que há do fotojornalismo. Os editores insistem que os leitores só querem imagens light, bonitinhas, encenadas, e produzidas como se tratasse de publicidade. O público adere cada vez mais ao fotojornalismo puro e duro. Em que ficamos ?
Os jornais por vezes fazem lembrar os políticos. Precisam dos "fregueses" mas insistem em lhes virar as costas e a trabalharem para as suas frágeis convicções.

A exposição está muito bem montada e produzida. E mais uma vez se constata da vitalidade do fotojornalismo português. Um orgulho sem dúvida para esta geração que tem vindo a exercer uma das mais nobres actividades jornalísticas. Agora só falta mesmo os jornais publicarem fotografias como devem ser.

sábado, maio 10, 2008

O almoço indigesto de Bob Geldof ao BES

Tenho andado um pouco distraído esta semana. Mas não resisto a comentar o almoço da bronca esta semana num hotel em Lisboa. Falo, claro está, das declarações de Bob Geldof que se tornou num verdadeiro bob (o) da corte. O convite foi uma ideia a dois entre o Expresso e o BES. A dada altura já da digestão caiu pior que um guronzan a frase assassina do cantor pop sobre a forma como Angola é governada.
Parece que Ricardo Espírito Santo meteu logo a mão na carteira e sentiu-se à beira de um colapso; o embaixador de Angola bateu à sola, os comensais engoliram em seco.

O que me espanta nesta cena é a ingenuidade, para não dizer incompetência, por parte do BES em pagar um almoço a um tipo que tem como profissão dar estrilho e provocar. O que pode ser chique numa circunstância pública pode virar uma bronca quando pago por uma instituição que tem demasiados interesses num país sensível como Angola. E se não há almoços grátis...destes podem mesmo saír caríssimos. É como meter um elefante numa loja de porcelanas.

E também vos digo: Angola pode ser muita coisa mas nem é neste momento o país em África mais criticável. A liberdade de expressão tem tido grandes progressos, há uma oposição destapada e frontal, há jornais que criticam o governo e o Presidente e sobretudo há crescimento e progresso. Angola é neste momento um dos países do mundo com maior crescimento. E se há injustiças sociais também tem havido um notório progresso social. Criticar Angola à luz desta democraciazinha que por cá temos, também deixem estar que vista à escala e à distância não temos muitas lições a dar.

Também não era necessária a hipocrisia de figuras como Mira Amaral ou o meter a cabeça na areia perante o grande bojardão da pop.
Parafraseando Pedro Freitas no seu blogue Terra de Ninguém: " Quem sabe, sabe, e o Bob Geldof achava que só ele é que sabia!"


As confissões do senhor ASAE

Com o mesmo à vontade com que acende uma cigarrilha no casino, António Nunes vem dizer com suprema lata e pólo cor de rosa na televisão que não devemos dramatizar a lista de Nunes e que a circular que foi apanhado não era para ter seguido.
Este super-polícia da geração Sócrates é um belo exemplar de refinado cinismo e a prova provada em como a caça ao cidadão está aberta há muito tempo em nome da ganância justicialista com inconfessáveis fins que mais não são do que a engorda dos cofres do Estado.

Outro bófia do regime é o secretário de estado das finanças. Ao ter sido posto perante o facto de já haver cidadãos a levantarem processos a funcionários por abuso fiscal, o supremo chefe foi logo acalmar os funcionários: " não tenham medo o Estado não vos abandonará!". Quer isto dizer: se os cidadãos cheios de razão vos acusarem e os tribunais provarem que houve caça ao imposto, o Estado defenderá os abusadores do poder. E com o dinheiro de quem ? Dos contribuintes, claro. Esta desfaçatez passa impune na imprensa, no oposição, nos comentadores encartados.
António Costa Pinto disse hoje de manhã na SIC N que a ASAE fez o que fazem a maioria dos organismos de Estado similares: os chefes marcam metas para multas e outros saques. Jornalismo de investigação: Hello!!! Vamos investigar ? Vamos saber os resultados das tendas montadas pelas brigadas de trânsito para a caça à multa ?

Mais no Público

quinta-feira, maio 08, 2008

Judite de Sousa cilindra Ferreira Leite na RTP

O bom entrevistador é aquele que consegue pôr o entrevistado a dizer o que o jornalista quer que ele diga. Judite de Sousa é uma excelente jornalista e a entrevista que hoje fez a Manuela Ferreira Leite na RTP1 foi das melhores que já vi na televisão portuguesa. Só me lembro de uma outra feita a Cavaco Silva por Constança Cunha e Sá na TVI.

Manuela Ferreira Leite foi bem "apertada". A nossa dama de ferro acabou por mostrar bastantes partes já enferrujadas. Gaguejou, ficou sem argumentos e por pouco não mostrava a sua arrogância de pacotilha. Corou, engoliu em seco e ainda arriscou o habitual " não sei o que quer dizer com essa pergunta!".

Ficámos a saber definitivamente que Leite não tem uma ideia para o país. usa frases soltas e ideias feitas, sente-se mais à vontade a falar de economia ( onde é que já vimos isto?), foge às questões, não tem frontalidade para falar dos seus concorrentes, meteu os pés pelas mãos quando lhe perguntaram porque não tinha então apoiado Marques Mendes. Quis não falar do passado mas afinal, muito bem lembrado por Judite, ela era muito desse passado.

A grande diferença de Leite em relação a Sócrates é que " eu nunca mentiria ao eleitorado". Mas Judite lembrou-lhe que também ela prometera não aumentar impostos e aumentou o IVA e outros. Mas foi a própria Leite ( pasme-se!!) que veio agora dizer que criou um monstro chamado IMI que está a desgraçar as famílias de rendimentos mais baixos mas ( claro!!!) a culpa era de Sócrates que devia ter já rectificado o imposto.

Depois argumentou que ela tinha tomado medidas violentas nas finanças porque tinha sido pressionada pela Europa. Mas ela em dois anos, mesmo pressionada, não fez o que fez Sócrates em 3 anos ( não pressionado).

Judite lembrou-lhe que ela tem sido uma admiradora de Sócrates nos seus comentários semanais na Renascença. Tem-se mostrado de acordo com o governo na Saúde, na educação e nas finanças. E quer ser alternativa ao PS. Como ? Pondo mais privados a fazer o trabalho do Estado- diz ela. Portanto: mais neo-liberalismo. Já não chega o que temos.

Ainda balbuciou que há um exagero no zelo das finanças mas foi ela que inventou aquele director-geral que teve a inteligência básica para instituir um programa informático de caça aos contribuintes, faltosos, cumpridores e menos cumpridores. Mas agora reconhece o erro. Portanto tivemos uma ministra errática que apoia Sócrates mas quer ser primeira ministra da Nação.
Depois a sua relação política com o PR também não lhe interessa nada e vem com uma candura dizer que está preocupada com as pequenas e médias empresas. Está? Oh doutora ! O neo-liberalismo que começou por aplicar no governo de Durão vai resolver isso! Os portugueses podem ter memória curta, esperemos que não sejam mesmo broncos para embarcarem neste embuste eleitoral.

Já temos um professor de economia em Belém, já não precisamos de uma contabilista em S. Bento.

EU SEI de Sara Tavares. 300 mil no You Tube

quarta-feira, maio 07, 2008

Erickson: a vida recomeça aos 60 na Luz

O Benfica vai buscar Erickson de 60 anos a Manchester para ser o treinador da próxima época. Pelos vistos o país está a voltar à velha guarda para reabilitar o futuro. Não é só o PSD que quer recauchutar os seus antigos líderes, Santana e Leite. O futebol vermelho, há falta de melhor, foi assoprar o pó às prateleiras das glórias e quer acreditar que, ao contrário do provérbio, o Senhor Erickson vai ser feliz no lugar de onde um dia partiu.

Esta ilusão pelo que lá-vai-lá-vai é praticada num país onde um governante chamado Cavaco Silva começou um dia a praticar, quando era primeiro-ministro, uma política de que quem tinha mais de 45 anos precisava de reforma e que o supra-sumo eram os jovens irritantes yuppies saídos da Universidade Católica e de mais umas privadas da moda. Na velha linha do "faz o que eu digo, não faças o que eu faço", o país quando toca à classe dirigente- futeboleira ou afim- elege a velharia como símbolo da credibilidade, respeito e competência.

O senhor Erickson tem pelo menos duas grandes virtudes conhecidas: gosta de futebol e adora mulheres. É um bom princípio para um final feliz.

ver Público

Bloquistas querem sexo com notas

O Bloco de Esquerda apresentou hoje na Assembleia na República um projecto de lei que pretende tornar obrigatória a frequência de uma área curricular de educação sexual nas escolas, com a duração de 90 minutos.

Na proposta, os bloquistas propõem a criação de uma bolsa de profissionais em cada agrupamento de escolas com vista a dinamizar essa área curricular e fundar gabinetes de atendimento aos alunos. O deputado José Moura Soeiro defendeu esta proposta como uma resposta urgente aos “problemas de saúde pública que se vêm agravando”, referindo-se ao número de infectados com VIH/Sida em Portugal./Públco.

O problema vai ser chumbar a uma cadeira de sexo. Como explicar aos pais que se foi cábula em semelhante matéria ? E pior: como vai reagir o namorado ou namorada ? Chumbar a sexo dará direito a ficar sem namoro ? Que dirão os outros (a) perante o chumbo ?
Vão haver aulas de atelier de sexo ? E os professores podem praticar nas aulas ?

O Bloco de esquerda arranjou uma boa alhada !!!! / LC

terça-feira, maio 06, 2008

O salvador da Irlanda demitiu-se por escândalo

Tirou a Irlanda da cepa torta. Mas hoje viu-se obrigado a demitir-se por escândalo de corrupção. Bertie Ahern tornou a economia irlandesa nas mais competitivas do Mundo mas tal não foi suficiente para passar impune a uma acusação de irregularidades. Foram 11 anos a construir um país moderno que deu cartas na Europa e até pôs Portugal a falar sozinho e a admirar o modelo irlândes sem no entanto ter feito o que quer que fosse para lhe seguir o bom exemplo.

A política tem destas contradições e o exercício do cargo público tem prazo de validade e uma recompensa geralmente carregada de injustiça e até de uma boa dose de ingratidão. Nem sempre os políticos mais bem comportados e formais conseguem o que os outros mais audazes que arriscam para colher frutos o conseguem. Podemos ver isso por cá: os políticos que mais obra fizeram ( Jardim, Isaltino, João Soares e até Cavaco) foram os que mais criticas receberam, tirando cavaco que está protegido pela Nossa Senhora de Fátima, como sabemos.

Alípio:o adeus de um "polícia" que adora Mozart


Há pessoas de quem se gosta desde o primeiro momento. Alípio Ribeiro é uma dessas pessoas cheias de charme, educação, inteligência e muito bom senso. "Nunca, mas mesmo nunca perco a calma!"- disse ele em entrevista ao Expresso, ocasião em que eu o conheci. Escrevi aqui na altura que ter um " chefe da polícia" com aquele perfil era um luxo. Claro que as declarações públicas de Alípio Ribeiro não foram sempre das mais oportunas, isto é: eram politicamente incorrectas e desenquadradas do estilo vigente. Quem diz o que pensa ou surpreende na praça pública está hoje em dia condenado.
Já todos percebemos que o problema da PJ não são os directores mas uma estrutura viciada, obsoleta, sem orçamento nem meios, porventura com uma cultura arredada das novas exigências da criminalidade moderna. Reestruturar sem cheta uma casa daquelas deve ser impossível. E a vontade política para termos uma polícia eficaz não sei se será assim tanta. Se fosse para as finanças ou as actividades económicas, talvez já tivesse havido melhores resultados.

iPhone by Vodafone em Portugal


O Pedro Aniceto já disse, e a Vodafone confirmou, portanto é verdade. A Vodafone vai explorar em Portugal o negócio do iPhone. Entre o anunciar e estar à venda ainda vai demorar. Nós macmaníacos desesperamos. Podemos comprar um desbloqueado, basta ir ao site: www. phoneandphone.fr por 700 euros e a falar português. Mas a chatice é não poder fazer actualizações e de o novo modelo vir com 3G. Uma chatice na verdade. Esta política da Apple é muito irritante. Só hoje consegui comprar a actualização do Aperture 2 e mesmo assim tem de vir por correio, não deu para fazer o upgrade logo no site, embora tenho logo sido pago.

Ser a Vodafone a vender o bicho é bom para mim. Embora a Vodafone saiba tanto de Apple como de um burro de palácios. Pelo menos há pouco tempo. E também é bom para marcas como a Nokia não terem a arrogância de fazerem um N95 que pura e simplesmente ignora a comunicabilidade com o sistema Mac OsX. E dizem que aquilo é um telefone multimédia...mas lá está tive de comprar um há falta de melhor.

segunda-feira, maio 05, 2008

Show de Sócrates por 50 mil euros

Sócrates foi a semana passada ao Algarve anunciar em grande show-off o novo hospital do Algarve. Custo da apresentação: cerca de 50 mil euros ( 10 mil contos). Hoje vejo na televisão o Presidente da Câmara de Vila Real de St. António dizer que uma operação às cataratas feita em Cuba fica por mil e duzentos euros ( duzentos e quarenta contos).
Acontece que o bastonário dos médicos veio dizer também na semana passada, à saída de uma audiência com Cavaco Silva, que era uma vergonha os autarcas irem para Cuba com doentes, quando o podiam fazer mediante contratos com hospitais portugueses. E mais: que há médicos por cá suficientes para isso. Espantoso ! Se os há porque não trabalham ? E se o bastonário está tão ofendido porque não patrocina algo que possa ajudar os portugueses doentes ?

Mas o facto de Sócrates gastar dez mil contos em propaganda a anunciar uma cidade da saúde, quando há centenas de doentes a irem tratar-se a Cuba e também a Espanha, ficando ainda em lista de espera 100 mil utentes do SNS, é uma vergonha nacional. Claro que esta palavra vergonha se banalizou. Deixou de haver vergonha e deixou de haver, pelo visto, o minimo sentido ético da política.
Manuela Ferreira Leite tem uma solução para isto: não ataca, não critica ninguém. Segue o seu caminho, sem programa, sem meta, sem ambição. A não ser a da palavra EU.
É a estratégia de Cavaco. E tem resultado. Vê-se.

Benfica arde na Reboleira

Há dias alguém ligado ao futebol dizia num jantar onde eu estava que os adeptos em Portugal são de uma injustiça enorme para com os futebolistas. E lembrava de que em Itália nada disso acontece.
Hoje ao ler as notícias do fim do dia confirmei esta realidade: os adeptos benfiquistas assobiaram Luisão até à humilhação, no final do jogo na Reboleira onde os pobres coitados sofreram mais um vexame e viram o segundo lugar do campeonato cada vez mais longe. Mas o mal não está só na claque enfurecida. Luís Filipe Vieira acabou por abandonar o estádio ao intervalo porque não esteve para apoiar os seus rapazes e o seu treinador Chalana. Dizem que veio ouvir o relato para o carro. Não sabemos se com o motor a trabalhar, a tempo de se pirar da ira da arruaça que no final do jogo apedrejou o autocarro da águia e ainda lhe atirou tochas a arder para cima.
O mal perder dos lampiões está ao rubro. Ao verem que não jogam nem ao berlinde os desesperados atiram-se a si próprios, emulam-se a si próprios, e o Presidente dá de sola. Ainda se admiram por haver desertores na política ? Olhem para a bola !!!...

domingo, maio 04, 2008

As 6 perguntas sem resposta no caso Maddie

Clique aqui para ver infografia multimédia El Pais


O El Pais de hoje a propósito da passagem do primeiro ano sobre o desaparecimento de Maddie deixava 6 questões por responder em todos este atribulado processo. O facto das análises às substâncias encontradas no carro alugado pelo casal nunca terem sido conclusivas nem suficientemente explicadas, o silêncio dos amigos que naquela noite estavam com os pais ao ponto de quase não se saber quem são e só terem sido posteriormente ouvidos em Inglaterra pela PJ, o apoio político dado ao caso ao ponto de um porta voz do governo ter passado a ocupar-se do caso... há muitas pontas de fora em todos este processo.
Veja aqui o artigo do El Pais.

Contínuo a achar muito bizarro o comportamento do casal. Para mim é muito difícil de entender que uns pais a quem desaparece um filho possam fazer da dor um espectáculo mediático com entrevistas onde se confessam sentimentos e estados de alma, repetidos a televisões diferentes, em pools arranjadas e supervisionadas por um gestor de comunicação. É uma atitude inenarrável pois quem sofre precisa de silêncio e distância para gerir o sofrimento. Qualquer assessor de imagem sabe que não vão ser estas entrevistas que vão possibilitar o aparecimento da pequena Maddie. Então para quê o circo ? Só o entendo à luz de quem se quer defender, desviar atenções, fazer de vítima. Não há dúvida: tudo o que o casal tem feito tem sido para se defender, para se proteger. Porquê ? Não sei, ninguém sabe. E na verdade eles têm todo o direito a reivindicar inocência.

O senhor Procurador veio esta semana gabar as virtudes da PJ no caso e até o fez de uma forma caricata: vestido de escanção ! Acho que o nosso procurador anda a precisar também de um eficaz assessor de imagem. Há coisa que se não dizem em trajes menores, perdem a credibilidade. Todos estão contentes com o desenrolar do caso. Mas há quem ache que se devia ter ido por outros caminhos, mais eficazes e mais acutilantes. Pedir agora para o casal reconstituir a fatídica noite ? Porque não o fizeram há 1 ano ? E porque não os acusaram de negligência ? O casal só vem a Portugal mediante garantias da PJ ? Que garantias ? Que nunca serão presos ? Continuam arguidos porquê ?

Há na verdade muita coisa por esclarecer. Talvez o livro do inspector demitido do caso possa trazer algum sentido. Mas será tarde e acreditamos que pouco fundamentado. Vamos estar perante um caso com duas vertentes: a da convicção sem provas e das provas sem nenhuma consequência. Pobre Maddie.