quarta-feira, outubro 07, 2009

António Costa alcatifa jardim


Todos oscaminhos vão dar às hortas. Vamos lá voltar daqui a 6 meses para vermos?

ACosta acompanhado de uma comitiva camarária de peso, onde não faltava o Zé (o vereador dos jardins e afins) foi hoje visitar, com ar de inauguração, o jardim na Quinta da Granja.

Que tem isto de relevante? Nada, a não ser este facto que algumas das dezenas de microfones estendidos parece não terem perguntado: que justificação cabal se pode dar para uma inauguração (não foi mas o acto foi igual) a dois dias das eleições? Depois, a obra estava a ser acabada à pressa, havendo ainda um solitário operário a alcatifar com tapete de relva o recinto.

O projecto não deve ter sido feito por um arquitecto tal é a mediocridade do traçado e as soluções concretizadas. O tal jardinzeco não tem candeeiros, nem sombras, apenas uns tristes bancos espalhados pelo espaço inóspito e desconfortável. Não se percebe para quem serve aquele investimento. E mais grave: quanto custou a performance para as televisões mostrarem?

O jardim fica nas traseiras de uns prédios desgraçados da década de sessenta, perto do Colombo, mas nada no percurso que os milhares de utentes fazem da zona comercial e dos transportes, o espaço alcatifado acaba frente a umas hortas (essas sim uma intervenção justa e inteligente, feita por habitantes de uma quinta perto!) sem saída. Nada daquilo faz sentido. É um absurdo e um projecto de curioso a brincar à arquitectura paisagista. Pobre Ribeiro Telles, ele que apoia Costa, se vir aquilo!

Custou um balurdio (basta calcular a área de tapete de relva ali posto!) para nada, enquanto o Jardim da Amália está ao abandono com a justificação que a pobre câmara está depenada porque os presidentes maus gastaram o dinheiro todo dos pobres lisboetas!...

Por este critério, o engenheiro Belmiro é que devia ter feito há meses uma inauguração à séria do jardim no terraço do Colombo. É um espaço habitável, confortável, com a FNAC e outras lojas estupendas a 100 metros, com estacionamento, restaurantes e mais: não foi pago com o dinheiro dos contribuentes.

Aliás, se Jorge Sampaio tivesse tido alguma abertura quando era edil para um projecto com inteligência na Quinta da Granja, agora não estávamos a pagar para mais um futuro estaleiro de lixo e de cocós para cães. Mas como iria assim o Zé fazer falta?

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  2. Se não existisse gente dessa no mundo, era tudo uma seca. Não tínhamos em quem "bater", por isso até faz falta. Não faz é falta na CML.

    ResponderEliminar