quinta-feira, dezembro 29, 2011

A médica que assaltou a ourivesaria

"Médica de Vara assalta ourivesaria" - era o título de hoje do Correio da Manhã, a propósito de um assalto feito ontem no Centro Comercial Roma, Lisboa. havia 3 fotografias a ilustrar o artigo. Uma foto a toda a altura da página de Armando Vara, um retrato com destaque do pai da "assaltante" e um pequeno retrato tipo passe da protagonista da história.
Chama-se a isto jornalismo de sarjeta. A médica é de Vara, porque terá sido ela que o deixou passar à frente numa bicha para lhe assinar um atestado qualquer. O CM faz esta elipse: a tipa que assalta uma ourivesaria é cúmplice de Vara, logo: Vara é da mesma estirpe. O Vara até é uma das minhas figuras políticas de embirração. Mas fazer este tipo de ligação é miserável e de uma total falta de ética.
Mas o dramático e triste desta história vem a seguir.

Eu li o artigo porque a minha mãe, a recuperar no hospital de uma cirurgia que correu felizmente bem, tinha na hora da visita o jornal dobrado  e meio escondido na mão. Quando lhe perguntei o que trazia, ela disse-me: "conheces este homem?", apontando para a foto do pai da "assaltante". Não o reconheci. Ela acabou por me explicar que era um senhor que tinha sido nosso vizinho no andar de baixo. "Um senhor a sério, educado, um cavalheiro"- referiu o meu pai." Não podia ser mais correcto, um gentleman.". Este homem honrado acaba de ver a sua vida destruída no meio de uma notícia onde a filha é protagonista, devido a uma situação limite de resistência psíquica. Alguém que comete um acto de loucura no meio do desespero. E que arrastou consigo um filho na hora trágica.

Pois bem. Que faz o Correio da Manhã? Escancara a intimidade e publica com todo o despudor uma história que devia ser contada com pinças. A médica não é uma figura de um gangue à solta, nem uma vamp de faca na liga, é alguém que teve uma hora má e que está a ser acompanhada por um psiquiatra.

Trabalhava, tinha 4 empregos e hoje tem dividas. Fazer da desgraça um motivo para vender papel higiénico é lamentável. E não posso aceitar que a ERCS, o Sindicato dos Jornalistas (já que nem uma Ordem existe!) não deixem de se pronunciar sobre a forma como esta notícia foi feita.
É demasiado mau e grave para ser aceite numa regime onde, pelos  vistos, a auto-regulação não funciona em certos casos.

6 comentários:

  1. Como é médica já pode ter uma hora de desespero se fosse trolha ia logo para a prisão......

    ResponderEliminar
  2. Sei que os tempos não estão para grandes optimismos mas o futuro pode estar nas nossas mãos se soubermos exercer os poucos direitos que ainda nos restam. Aqui deixo o meu desejo de um 2012 tão bom quanto o possível.
    Kaos
    Wehavekaosinthegarden.blogspot.com

    ResponderEliminar
  3. Se eu for medico ou jardineiro ou < insira aqui a profissao que quiser > de alguem do PS, sera que tambem consigo ter 4 empregos...?

    ResponderEliminar
  4. ... é que ha muita boa gente que nem um emprego tem... mas pelos vistos nao esta "autorizada" a ter "momentos de desespero"... va-se la saber porque... (?)

    ResponderEliminar
  5. Não se deve fazer análises nem do artigo nem das razões que levam a tal atitude. Primeiro há que conhecer o percurso de vida e depois talvez tentar enteder o que jamais pode ser entendido...um filho menor envolvido...para quê ser tão "católico"???

    ResponderEliminar
  6. É lamentável para alem de ladra também é psicopata,completamente desequilibrada, enfim palavras para quê...

    ResponderEliminar