segunda-feira, julho 19, 2010

O Cobrador do fraque bate à porta de Eduardo dos Santos

foto de Miguel Lopes, LUSA, embora tirada da net onde vinha como do DN. Justiça seja feita.

Sócrates e Soares têm o seu ditadorzeco de estimação, o Bokassa da América Latina, o Comandante Chavez. Sócrates queria vender uns trastes de umas máquinas de jogos chamadas Magalhães, queria exportar cimento e tijolo, e desejava que a comunidade portuguesa não fosse espoliada pelo fervoroso socialista Chavez. Soares tem uma visão da real-política na terceira idade avançada e quando se tem uma fundação para sustentar a ideologia pode ser metida na gaveta para fazer companhia ao socialismo que nunca descongelou de lá.

Agora é a vez de Cavaco Silva ir homenagear o seu Chavez, o Presidente Eduardo dos Santos, esse baluarte da democracia africana, esse fazedor de paz, esse líder-irmão cujos serviços consulares gostam de humilhar alguns portugueses, sobretudo se forem jornalistas, e não lhes darem o visto para visitarem o país mais injusto do Mundo. Cavaco gosta de Eduardo dos Santos, e este vai dizendo que gosta do ex-colonialista, mas sem dar nunca grandes confias, enquanto os calotes caem.

No país dos milhões, dos chineses empreendedores, dos negócios sem rosto, no país onde coabitam pacificamente nas ruas de Luanda uma classe nova-rica com os desgraçados mais desprezados da Humanidade, no país onde se compram com benesses os favores da oposição, onde todos se calam e consentem a injustiça de um crescimento grande mas com um desenvolvimento raquítico, nesse país da chuva do ouro negro, há empresários portugueses sem receberem fornecimentos, há empresas paralisadas, há meses. Uma vergonha.

Vai agora o Presidente de Portugal negociar os calotes dos angolanos. E vai como se fosse um cobrador do fraque em versão de Estado, tendo de ouvir da boca do devedor, à frente de todos, que os pagamentos vão ser faseados e pagos aos bochechos. Com calma maninho!

Claro que Angola tem sido um bom mercado para muitos portugueses e que é um mercado de que nós precisamos. Mas este colonialismo ao contrário é historicamente aberrante e deixa Portugal como uma sopeira a quem o patrão decidiu não pagar a féria que devia. De mão a abanar. Os angolanos adoram usar a arrogância e nós pactuamos com esta permanente injúria. Porque temos complexos colonialistas, má consciência e andamos à procura de uns dólares de origem duvidosa.

Claro que a dívida que Portugal tinha para com Angola já foi paga e se não me engano até fizemos há pouco tempo um empréstimo aos tipos. Ou estou maluco?

4 comentários:

  1. Certíssimo Luiz. Só que este não vai trazer dinheiro nenhum.Este retorna com promessas de pagamento duvidoso. Nós emprestamos dinheiro para esses senhores pagarem ás empresas portuguesas, Claro que supostamente pagando juros. Mas como já o fizemos no passado (com o nosso complexo de "colonialistas" acabamos por "perdoar" os juros e ás vezes os próprios empréstimos. O Sr. Eduardo, ouvi há momentos vai pagar ás pequenas empresas muito em breve (o que é muito em breve?) e ás grandes empresas de construção, 40% algures.... e o restante dentro de 2 anos. Boa, sr. PR. Fica-lhe bem o fraque, pena as rugas.... Entretanto os angolanos (certo que são sempre os mesmos e todos sabemos quem são), investem como grandes accionistas ou compram empresas em Portugal. Mas pagar aos portugueses lá, é outra história. Mal contada. Que é um bom mercado e em grande expansão para nós. É. Mas não só para nós portugueses e basta ver as empresas que estão sediadas em Luanda e quais os países de origem. Mas, por outro lado para se desenvolverem apesar do dinheiro ( petroleo, diamantes, etc., não tem know how nem pessoal qualificado. Etc, etc. E sim, Luiz, muitos portugueses são ali tratados com arrogância, com prepotência e alguns de forma muito pior. E sim, Luiz, estamos a falar de um país onde a grande maioria do povo vive na maior miséria, em condições mínimas de sobrevivência a par com a fortuna (conhecida e sabida) dos membros do governo, dos senhores generais e seus amigalhaços. Of course que os discursos, hoje proferidos pelo PR (o senhor do fraque amarrotado) meteu dó. Mas o "folclore" foi bonito e fica-lhe bem. É nestes momentos que agradeço ser metade espanhola e poder ter dois passaportes. Talvez um destes dias, opte por um. Tristes figuras e triste imagem, dão de nós, estes políticos.

    ResponderEliminar
  2. Mas acha mesmo que ele vai lá cobrar alguma coisa, Luiz? Vai lá é de mão estendida, mendigar. O José Eduardo dos Santos é que goza...!
    Paulo F

    ResponderEliminar
  3. E à vontade não é à vontadinha!
    Acho imensa piada a este circo todo.
    Lá vai o Aníbal de mão estendida e ainda é gozado à frente de todos.
    Há uns meses a minha namorada ficou retida 3 horas em Luanda no aeroporto e todos a gozarem com a cara dela. Liguei para o MNE a explicar a situação. Resposta: Só podemos lá ir avaliar a situação, não podemos fazer. Que é o mesmo que dizer, resta-nos levar baile (sem música)e baixar as calças, porque precisamos dos dólares angolanos...Bem reclamei para o consulado angolano. Até hoje sem resposta.
    Como dizia alguém, é o PQT. O portugal que temos.
    Se as nossas empresas precisam destes negócios? Sim, claro, mas ele também precisam de nós, há que saber jogar com isso!

    ResponderEliminar
  4. uma única discordância ao post:
    "No país dos milhões...
    ...onde todos se calam e consentem a injustiça de um crescimento grande mas com um desenvolvimento raquítico..."

    ResponderEliminar