quinta-feira, abril 15, 2010

A competência da Urgência do Santa Maria e do INEM

Um familiar meu há dois dias atrás sentiu-se mal em casa. Chamou o 112 que chegou prontamente. Deu-lhe a primeira assistência no local. Eu estava a 20 minutos de distância quando me alertaram. Cheguei a Sta. Maria a tempo de acompanhar o familiar na recepção e depois na consulta na zona laranja.

Em 15 minutos a médica de serviço já estava a examinar o que se passava, com os dados que a equipa da ambulância do INEM tinha recolhido e passado para o sistema do hospital.

A médica brincou, falou do tempo, estava com um sentido de humor fantástico, embora tivesse estado na véspera a operar até tarde. "Acabei no Galeto a comer um bife e a dormir na cama como uma santa!"- contou a médica, enquanto atentamente ouvia o que o meu familiar relatava. A medição da tensão foi logo feita e um electro-cardiograma foi realizado em minutos.

A dada altura a médica levantou-se e abraçou com carinho o meu familiar ( que era uma mulher e de uma certa idade!). As análises foram feitas noutra secção e a médica acabou a consulta até à alta.

Confesso que fiquei verdadeiramente impressionado. Já tinha estado naquela urgência de Sta. Maria há anos a fotografar, e o que encontrei há dois dias não tinha nada de comparável com esse passado. Encontrei agora um serviço que não podia ser melhor. E eu nestas coisas raramente encontro um serviço eficaz.

Se o SNS nos custa o que custa, mas se funcionasse sempre assim valia mesmo a pena.

Há uma melhoria evidente no serviço de urgência do Hospital de Santa Maria.

Pensa-se no utente: há uma farmácia mesmo ali ao lado, há um parque de estacionamento para os utentes sem aquela arrogância anterior em que nenhum carro entrava em Sta. Maria e o truque estava em passar pela segurança, não parar, ou dizer que se ia ali e já vinha e depois era à balda.

Pode ter sido um dia de sorte mas não me parece. Vê-se que há ali normas a funcionar que começam no modo de tratar o doente, chamando-o repetidamente pelo seu nome, usando um tom de voz cordial, explicando os passos a dar, permitindo o acompanhamento.

Nem tudo vai mal. Mas se em vez daquela médica extraordinária tivesse aparecido uma outra qualquer de atitude contrariada lá se ia a intenção do serviço.

Conta o Estado mas conta ainda mais quem o serve.

Obrigado.

1 comentário:

  1. Tenho a mesma opinião sobre o serviço de urgências de Santa Maria.
    Sempre teve qualidade, mas agora está mais moderno e melhor.

    ResponderEliminar