sexta-feira, abril 16, 2010

PORTUGUESES 25 ANOS DEPOIS


Fui hoje buscar a um armazém 100 exemplares do meu livro PORTUGUESES, 25 anos depois da sua edição. Essa gentileza da oferta devo-a ao meu amigo João Soares, que me ligou a perguntar se queria ainda alguns livros, e à Annick Burhenne, sua mulher.

Esta edição de 1985, quando o João tinha a editora Perspectivas & Realidades, foi para mim uma oportunidade única para fazer um livro de autor e um descalabro financeiro para a editora, melhor dizendo: para o João Soares que não conseguiu ver retorno nenhum no investimento.

Foi um acto de coragem naquela altura um pequeno editor apostar numa edição de fotografia de visão dramática, pessimista, preto-e-branco, sem concessões por parte do fotógrafo. Lembro-me de uma reunião, que durou duas horas, em que o João, o Rui Perdigão (que fez o grafismo) e eu, discutíamos até ao limite do projecto não se realizar, porque eu achava que a palavra PORTUGUESES deveria ser uma mancha gráfica de letras coladas a morder a página. Eu só queria uma capa à William Klein mas o Rui queria umas letras tipo góticas o que pela minha parte inviabilizaria o livro. Eu preferia não ter o livro a ter aquelas fontes nas letras.

Confesso que o João Soares mostrou uma capacidade enorme de negociação. O Rui cedeu nas letras góticas e eu cedi no tamanho da palavra PORTUGUESES, uns centímetros::))

Este livro será porventura das coisas que fiz na minha vida de fotógrafo com mais convicção. É um livro que tem tudo a ver com o que eu amo e detesto em Portugal. Mas tem muito mais do que eu amo e que me marcou desde miúdo. O Mundo Rural, a religião, os mais velhos, a velha escola primária que eu frequentei, a autoridade, as fardas, a paisagem, as pedras, o Mar, os concursos de dança, as mulheres.... está lá tudo.

Claro que era uma época em que eu adormecia a pensar no Henri Cartier-Bresson e acordava a pensar no Robert Frank, enquanto tinha pesadelos com o Gageiro ( era o aprendiz a matar o mestre!). O livro reflecte tudo isso e é um exercício de fotografia em estado puro. Preto e branco, Leica M4, 35mm, negativo integral, luz natural, instante, instinto, e uma grande dose de generosidade.

Não me parece que o país tenha no essencial mudado muito. Embora...tudo tenha mudado.

A fotografia tornou-se digital mas eu contínuo a teimar em olhar à minha volta com a mesma atenção e a ficar todos os dias surpreendido com a vida.

8 comentários:

  1. Joao Fernandes10:17 da manhã

    E onde e possivel comprar uma copia deste livro? Fiquei curioso. Cumprimentos.

    ResponderEliminar
  2. procurarei por ele, depois volto.
    Até lá...

    ResponderEliminar
  3. Olhe Luiz eu tive esse livro mas "desapareceu",em mudas de casa....onde comprar?L.R.

    ResponderEliminar
  4. Venda-me um exemplar, por favor!
    pf

    ResponderEliminar
  5. Sem favor Paulo F. mande-me os seus contactos.LC

    ResponderEliminar
  6. Concerteza! (Burrice minha, podia tê-lo feito no comentário anterior)

    Paulo F
    Rua Cláudio Basto, 181 - 2º. Frente
    4900-932 Viana do Castelo

    P. S.: Já agora, à cobrança, pode ser? (vai-me custar quanto?) E se não fôr pedir muito, autografado: fará companhia ao do Gageiro, "GENTE", dos anos 60, com textos do José Cardoso Pires, assinado e numerado.

    O meu e-mail: efedefogg@gmail.com

    ResponderEliminar
  7. Boa tarde! Parabéns pelo regresso à escrita e pelo excelente texto sobre a foto da Madeira. (Já está no meu blogue.) Quanto ao livro, onformo que também estou interessado em adquirir um exemplar. Trata do assunto? Abraço. Mário Martins (carteira profissional n.º 1296)

    ResponderEliminar