segunda-feira, outubro 05, 2009

Jardim Amália desprezado por António Costa & Sá

O Jardim Amália e a esplanada Linha de água, foram uma das obras mas notáveis de João Soares à frente da Câmara de Lisboa. Um projecto com o dedo de Gonçalo Ribeiro Telles reflectindo o talento e a simplicidade de um homem genial. Portanto: este espaço urbano devia ser uma das meninas dos olhos de qualquer autarca, que prezasse a obra feita, a modernidade e um sentido cosmopolita para Lisboa. Este espaço veio revitalizar aquela que era uma zona ao abandono, desprezada, um matagal.

Há muito tempo que lá não ia. Hoje ao encontrar-me por lá com amigos, não queria acreditar no que via. O passadiço de madeira com tábuas soltas e pregos desprotegidos, a água imunda, os patos sobreviventes a chapinharem entre sacos de plástico, garrafas e merda. A relva morta e por aparar, o lixo acumulado ao longo do pequeno riacho, vagabundos a dormirem no que resta da relva, a esplanada suja e maltratada e muito menos gente do que havia quando conheci aquele espaço renovado. Óbvio. Quem quer frequentar um sítio inóspito e ao abandono?

Quer dizer:António Costa e o seu vereador para os espaços verdes, o empata Sá Fernandes, marimbaram-se naquele investimento, esqueceram aquele jardim como muitos outros de Lisboa, alguns deles transformados em parques de campismo para sem-abrigo, como o Jardim Constantino ou o frente ao Liceu Camões. Para quê ? Os jardins não estão a dar!!

As bicicletas é que colhem votos daqueles patetas alegres a fazerem o passeio dos tristes a pedalarem que nem desalmados!

Por acaso não estava com tempo para fotografar, mas desafio as televisões a fazerem ali uma reportagem e levarem lá o arauto da ecologia e do ambiente, o renegado bloquista Sá Fernandes, e perguntem ao Costa porque avança ele com investimentos de 50 milhões de euros, como as ciclovias, e deixa ao abandono total os espaços nobres da cidade. Qual será a resposta do ministro de Lisboa?

A política de marketing de Costa é igual à de Sócrates no governo. Não interessa fazer, importa mostrar novidades, intoxicar a opinião pública, manobrar o eleitorado.

Não sei se Costa quer que se ande de metro para não se ver a merda que ela deixa à superfície ou se quer taxar os Porsches que entram em Lisboa para nos poupar a espectáculos indignos e degradantes como é o estado do Jardim da Amália e da maioria das infra-estruturas de Lisboa.

Claro que ele responderá sempre que não trata dos espaços verdes porque o malandro do Santana lhe delapidou a massa, mas então poupe na propaganda, no politicamente correcto como é essa treta das ciclovias (eu ando de Porsche mas tb, ando de bicicleta e em Lisboa!) e trate do que há a tratar.

Uma vergonha, uma total incompetência. Um crime de que esta presidência vai ser recompensada pelos votos dos 60 mil totós habituais que metem esta gente no poleiro, em nome da esquerda trauliteira, incompetente e lobbista. Um terramoto total.

2 comentários:

  1. Costa vai perder e a tempo de ir de volta para o governo. A menina dos olhos dele são o campo de girassóis.

    ResponderEliminar
  2. O Jardim Constantino está em obras totais. Está até vedado ao público. Muitos outros jardins estão a ser melhorados.

    ResponderEliminar