segunda-feira, agosto 03, 2009

O escândalo do fecho do Hospital Inglês

O que se passou no Hospital Inglês, propriedade da Sociedade Lusa de Negócios, é mais uma evidência de como o livre arbítrio é coisa comum neste Portugal.

Vejamos: há um hospital particular de grande prestígio e história em Portugal, uma referência. Vem a Sociedade Lusa de Negócios, começa a gerir aquilo e no meio do turbilhão do caso BPN pura e simplesmente abandona a gestão. Fecha as portas pela calada, não diz nada a ninguém, não informa doentes, não negoceia com os trabalhadores, fecha. Ponto final.

Há 30 médicos que dedicaram uma vida profissional e afectiva ao hospital que de um dia para o outro são postos na rua. Alguns já de idade avançada - demonstrando essa coisa linda que é possível estar bem e trabalhar até tarde na vida - deixam cair lágrimas, comoção, revolta, e uma profunda tristeza. Está ali uma equipa de elite, de gente dedicada e competente, está ali gente daquela que faz falta a Portugal, pela competência e dedicação, e foram postos na rua como objectos que já não servem, não um projecto de saúde, mas um projecto financeiro.

Uma das médicas estava preocupada pelo facto de os doentes não terem sido avisados e de nem as fichas terem sido entregues aos respectivos médicos.

Bom, se é este o modelo que os neo-liberais e capitalistas de pacotilha querem...estamos mesmo muito mal. Mas o que é verdadeiramente intrigante, é como um governo que sonha com carros eléctricos e ventoinhas na paisagem, não diz uma palavra sobre este caso. Mais: porque não são imediatamente ouvidos os responsáveis desta gestão, eles existem, têm nomes. Porque não actua o governo de forma exemplar? Se é tão vezeiro a por a ASAE a perseguir cidadãos de bem, se atiram hordas de policias nas rotundas pelas manhãs multando cidadãos de bem só porque a morada da carta não condiz com a do livrete, impedindo que estes cheguem a horas ao trabalho, se tudo o que se faz é sempre contra os cidadãos, porque não actua o governo contra estas associações de malandros que destroem empresas, despedem selvaticamente, como se isto fosse uma pátria sem rei nem roque?

Há uma total irresponsabilidade social nesta gente,nestes empresários da tanga, e uma cumplicidade inadmissível por parte do poder.

Se isto tivesse acontecido na Madeira era um escândalo, como acontece em Lisboa a escassos metros da residência do primeiro-ministro é o mercado a funcionar.

1 comentário:

  1. Muita razão na analise,mas é assim,é o "progresso",as pessoas sâo lixo...não se esperava num governo Socialista?Pois é, olha
    azar...já agora e atitulo de mera informação:
    afinal a M.F.Leite tinha razão quando há 4 anos disse que o P.S.,ainda iria taxar as SCUTS:::
    OPS ,APARECEU A GORDA :futura Ministra dos Transportes,(tem andado tão caladinha) a dizer que afinal na PRÓXIMA LEGISLATURA VÃO REVER AS SCUTS....UI,UI,MAIS UM RECADINHO DO ENGENHEIRO:HÓ ANA PAULA VITORINO ,VAI PREPARANDO
    A CAMINHA QUE O POVINHO ESTÁ A PRECISAR DE FAZER
    UMA SONECA....ANIMEM-SE!!!

    ResponderEliminar