sexta-feira, março 13, 2009

ASSASSINARAM A COSTA DA CAPARICA

Alguém reconhece esta paisagem como a Costa da Caparica?

A Costa da Caparica tinha nos anos 50 um plano magnifico do arquitecto Cassiano Branco que nunca foi concretizado. Depois foi o que se sabe: um descalabro urbanístico que chegou aos nossos dias: clandestinos nas dunas e fora delas e uma urbanização miserável com toda a conotação dos desprezíveis anos sessenta e setenta.
Uma das zonas mais lindas de Portugal, excelente para turismo de qualidade e para ali se viver bem, está hoje perdida entre barracos, mastodontes e lixo.

Antes, a Costa tinha uma arquitectura popular inventada pelos pescadores que a tornava há décadas num "case study" com uma implementação de casas de madeira, ao longo da praia, que lhe dava um ar rural e popular.
A Cova do Vapor era uma aldeia de arquitectura tradicional portuguesa (eu fiz mesmo um trabalho para o meu curso de arquitectura sobre o fenómeno) e mesmo os restaurantes de praia ao longo da Costa eram peças muito inspiradas nessa arquitectura popular.
Mesmo degradada a Costa tinha até agora um charme, um encanto, uma escala de construção que a tornava acolhedora. Era uma arquitectura que não intimidava e que dialogava muito bem com o mar e com a vida à sua frente.
Claro que nos últimos anos tudo se degradou, porque quer a Câmara de Almada (que odeia a Costa porque não vota comunista), quer o Ministério do Ambiente e o Porto de Lisboa (penso que tem ali tutela) nunca se entenderam. Deixou de haver conservação.

Ora bem: chegou o projecto Pólis (aquele inventado por Sócrates enquanto ministro do ambiente) e varreu toda a memória da Costa. Destruiu tudo o que eram construções de madeira e implantou um projecto megalómano que não entende a integração no local e que custou uns milhões de massa ao contribuinte.

O que se vê hoje na Caparica são 27 pavilhões construídos ao longo do paredão, todos iguais, sem distinções, para albergarem 27 restaurantes. Os pavilhões são péssimos: as esplanadas pequenas e sem sombra, barulhentos porque são em vidro, mais altos do que o passeio criando uma divisão entre quem está e quem passa, são agressivos e nada têm a ver com o local. Uma merda.
Transformaram a Costa da Caparica numa espécie de feira do livro da avenida para maior e pior.
Uma tristeza.

Depois os acessos às praias são maus para os idosos e crianças, escadarias altas, rampas longas, sem acesso para deficientes e carros de bebé à areia, barreiras de betão armado ao longo do pontão, candeeiros gigantes, rotativos, sofisticados e com uma escala esmagadora, enfim: aquilo é tudo menos um projecto inteligente. É uma aberração, paga com o nosso dinheiro, um novo-riquismo à portuguesa que não acrescenta nada à Costa: só a descaracteriza.

Mataram a memória da Costa em troca de uns barracos caros e estúpidos e que vão levar à falência muitos dos que apostaram nesta estúpida aventura.

Somos na verdade um país rico que esbanja recursos e que vive feliz com esta mentalidade parôla.

17 comentários:

  1. Quem assim fala, conhece a Costa dos restaurantes, a do "ir ver o mar"

    A Costa começou a ficar degradada nos anos 70, com a descolonização e o depósito de retornados em que o IARN a tornou. Continuou com o rompimento da Golada, e o retirar de areias para obras assaz mais importantes como a Expo 98, ao que dizem à boca pequena, mas que nem vale muito a pena investigar porque a comunicação social passa sempre, de cara virada, ao lado da situação.

    O mar entrou, o mar comeu, gastam-se milhões a depositar por lá areias que são engolidas como açúcar em café. Consequentemente, foram surgindo os remendos que, como jornalista, deve saber não partirem da "tia Emília" ou da câmara de Almada, embora isso seja realmente o que a população, muito facilmente, diz, mas do INAG, do Porto de Lisboa (e espere pela passagem do terminal de contentores para aquelas bandas, do qual ninguém fala, bem como daquele bocadinho de estrada que começa em nada e vai dar a lado nenhum), do Ministério do Ambiente e mais alguns co-proprietários do sítio.

    A sedução da Costa desapareceu há mais de 20 anos: com as areias, com a falta de desenvolvimento da actividade piscatória, com os barracos para os lados das "Terras da Costa" e "bairro do Campo da Bola", com a ocupação e quase impossibilidade de passagem pela Mata de Santo António, transformada num centro de actividades ilícitas, com a invasão de quem vai a banhos para praias da Costa porque não tem dinheiro para ir mais longe. E isso, é algo de que a população local se queixa há muitos, muitos anos – as infra-estruturas e a segurança não acompanharam esse lado do “desenvolvimento”, sempre mal alicerçado.

    Não conhecendo detalhadamente o programa Polis, e evitando desde há uns 15 anos ir a passeios ou banhos para aqueles lados, não me afastei tanto que não consiga visualizar que qualquer programa Polis, desde que, como o prometido em projecto, seja feito o depósito de areias nas praias – e, já agora, o fecho da Golada que irá permitir que as areias tenham o seu circuito demarcado entre o Bugio e a Costa, ao invés de se irem depositar no canal navegável do Tejo, delapidando anual e constantemente o extenso areal, não se venha a tornar útil à localidade. A Costa de Caparica está depauperada e tem sido vilipendiada ao longo dos anos. Que eu tenha conhecimento, as “casas” de madeira que desapareceram, não foram as que continham a típica construção caparicana – e que se mantinham até há cerca de seis meses, para as praias mais a sul, mas aquelas que não obedeciam a qualquer arquitectura que não a do desenrasca – e os seus habitantes (os que constavam dos censos, não os que vieram a correr, quando souberam que iam facultar casas) foram reinstalados.

    Não faz sentido que uma estância que se quer turística, a menos de 10 kms de Lisboa, mantenha um bairro como o do “campo da bola”, uma “Barbas” no meio do nada ou uma “Carolina do Aires” ali em cima de qualquer coisa – simples barracões - e parece-me de todo necessário que, de uma vez, se faça um reordenamento da zona, adaptado à realidade actual e que não é, de toda, a que existia há 30 ou 40 anos atrás. Para a população habitante e também para a visitante. Porque a Costa, simplesmente, chegou a um ponto do “mete nojo”.

    ResponderEliminar
  2. Em Março de 2007, fiz um pequeno levantamento fotográfico das casas de madeira, a partir da Praia da Saúde. JB

    ResponderEliminar
  3. Ver em:
    http://www.jorgebarbosa.com/jotabe3/Galerias/Costa_casas/base00.html

    ResponderEliminar
  4. Não concordo com o que diz, pois acho que no final das obras a costa vai ficar muito melhor. Uma zona tão bonita tinha de ser aproveitada, barracões e mais barracões, cada um feito ao gosto do proprietário. Lixo, muito lixo...Reparem na Fonte da Telha, acham que tá bonita assim? Se fosse bem aproveitada arrasava com todas as praias do Algarve. Acho que aqueles que mandam no nosso País não querem que isso aconteça, talvez porque investiram o seu dinheiro no Algarve e não querem ter prejuizo.
    Acham normal as pessoas que vem de fora não terem um parque de campismo para poderem ficar?

    ResponderEliminar
  5. Acabei de encontrar o teu blog quando procurava imagens para ilustrar um post exactamente sobre o mesmo assunto. Acho que tens toda a razao! Acho aliás, que nos falta visao, amor por aquilo que é nosso, achamos que obra feita de betao é que é. A Costa sempre fez parte da minha vida, e dói ver como a destroiem ainda mais (já nao era bonita) em vez de utilizarem esse dinheiro para recuperacao, restauro, e quicá tambem para pagar alguem que perceba realmente de urbanismo. A julgar pelo que vi na Costa, os trabalhos betao foram feitos para encher os bolsos a alguém que, ou pertence à velha guarda (ou seja, falta de visao) ou nao percebe nada do que estava a fazer. Agora transformar a Costa numa Quarteira ou numa Armacao de Pêra é um crime, à natureza e aos olhos. Se existisse activismo arquitectonico inscrevia-me já!

    ResponderEliminar
  6. tem muita razão no que diz a costa da caparica ja não e o que era sem os abrigos dos pescadores e os barcos vão continuar na praia?e assim que a camara de almada esbanja o dinheiro dos municipes em obras inuteistem todo o meu apoio pela costa de antigamente

    ResponderEliminar
  7. Esqueceram-se de falar na enorme chaga que e o Bairro Cigano da Rua do Juncal mesmo na cidade com niveis de lixo e porcaria inaceitaveis. Vale a pena passarem pela Rua do Juncal futura avenida da Igreja nova e ver esse Bairro.INCRIVEL. Ultima palavra o mamarracho do Barbas tem que ser demolido

    ResponderEliminar
  8. O Polis está de Parabens, o nome do Criador ficará na História, um projecto megalómano de Arte envolvendo-se na Natureza, maravilhoso e só quem vive no passado consegue dizer mal do que mais ninguem foi capaz de fazer!
    Grande Socrates!

    ResponderEliminar
  9. Há má vontade contra a Costa de Caparica.
    Por parte da Autarquia.
    Por parte da Junta de Freguesia.
    Por parte do Governo Central.
    Por parte dos novos "vampiros"...

    ResponderEliminar
  10. destruiram a costa da caparica
    e agora querem estragar a fonte da telha com
    o polis:so pensao no dinheiro n pensao na opiniao das pessoas sobre esse assunto. eu acho antes de se avançar com o projecto ter se ia fazer tipo um referendo no conçelho sobre o projecto polis, que so traz lucros a camara de almada que fica asiosa para chamar a televisao para mostrar o a obra feita.mas esqueçem se que as obras que fizeram na costa n tao acabadas ....
    so pesso uma coisa a todos os habitantes do conçelho de almada .que presionem a camara pa travar o projecto.ACABEM COM O PROJECTO POLIS !!!!

    ResponderEliminar
  11. Caixotes a armar ao pingarelho mais elevados que o paredao. Ao menos já que tinham que ser caixotes, que os fizessem diferentes uns dos outros. Até parece que aqui o povinho sao tudo robots... nalgumas coisas até sao.. vao-se todos vacinar contra o conto de fadas da gripe suína e outras coisas do estilo...

    ResponderEliminar
  12. Um Caparicano6:56 da tarde

    Mas a maioria dos que vêm de fora, vão almoçar ao Barbas (como sempre, há 20 ou 30 anos) e acham que tudo aquilo "está lindíssimo". É o que interessa...
    Por curioso que pareça a C.M.A. não "odeia" as taxas inflacionadas que a freguesia lhe paga.
    Tudo o que foi feito pelo Pólis (com alguma excepção ao chamado Parque da Cidade) está em acelerada degradação. Só não vê quem não quer.
    Quanto às restantes "Fases"... de nada se sabe. As Terras da Costa continuam como sempre. Os parques de campismo continuam no mesmo sítio.
    Fora do Pólis...
    A rua dos pescadores (que se pretendia tão emblemática) tem um aspecto miserável, com piso todo degradado e com uma "fauna" nocturna do mais desaconselhável que há.
    A via rápida tem trechos com o piso degradado e uma iluminação paupérrima. Com chuva forte é excelente para treinos de aquaplanning.
    Do Metro até à Costa, nunca mais ninguém falou. As carreiras dos TST são a "excelência" que se vê.
    A criminalidade tem aumentado, seja exercida aqui, seja usando a cidade como "base" de operações e parece que não preocupa ninguém. Estrangeiros ilegais, só não os encontra quem não quer.
    A Cova do Vapor está propositadamente "entregue aos bichos" que é para vir a ser entregue a interesses imobiliários mal explicados que já ali rondam há muitos anos.
    E muitas coisas mais...
    A Costa é "um espectáculo" para quem cá entra e sai de visita. No verão então, é a "Riviera portuguesa" como já ouvi chamarem-lhe.
    Mas fale-se com a maioria dos que cá residem todo o ano e veremos o que dizem.
    Mas esses, os que se queixam de todas estas incoerências, são apelidados pela senhora Presidente de "mal agradecidos" e de "privilegiados".
    Continuem.

    ResponderEliminar
  13. com estas novas mariquices so estragaram a tradição caparicana.
    concordo com a manutenção da costa mas nao ao ponto de se esquecerem que à pessoas que ja estavam la antes de eles terem estes planos.
    E o que que os velhos pescadores pensam disto? A opiniao deles não conta?
    esta é a visão de um caparicano de 15 anos.
    cumprimentos

    ResponderEliminar
  14. a pior coisa que fizeram na costa da caparica , foram as obras de colocação de areia. Como frequantadora das praias , demostro o meu descontentamento, pois as praias estão muito mais perigosas, a areia está a uma altura exagerada , o que faz com que ,quando se entra na agua é como se fossemos logo ao fundo. tenho saudades da antiga costa , quando se tinha que andar nao sei quantos metros desde a areia até chegar ao mar .

    ResponderEliminar
  15. http://aliceinme.blogspot.com/2009/10/concurso-das-construcoes-mais-feias.html

    ResponderEliminar
  16. Não Conheço esta Costa da Caparica. Está descaracterizada .
    Só querem betão.
    E querem destruir também as Terras da Costa da Caparica , que é uma zona protegida...

    ResponderEliminar
  17. Nasci na Costa da Caparica e fui com a idade de 7 anos para França, quando cheguei aos 27 nao reconheci a Costa e hoje ainda menos. Detesto tudo o que feito por Polis, o resultado é horrivel. Tenho saudades da antiga Costa. Hoje nem tenho vontade de voltar a minha terra ... Nao a reconheço...

    ResponderEliminar