quinta-feira, julho 31, 2008

Imagalhães Tiger? ou Imagalhães lince da Malcata?

O nome Magalhães não é muito feliz. Não sabemos se é homenagem ao Fernão se ao José, este último um fanático da net desde o início, o ex-PCP e actual secretário de Estado da Administração Interna.
O projecto deste computador português é muito interessante: é fabricado em Portugal destina-se a putos dos 6 aos 8 anos e tem um preço máximo de 50 euros, ou seja: o preço de um computador de brincar. Não sei o que o faz trabalhar parece ser uma máquina Intel e o mais certo é trazer essa aberração de sistema operativo chamado Windows. Se assim for já podemos contar que as nossas crianças já estão a ser contaminadas à nascença com o obsoleto sistema do Tio Bill. Se assim for é uma oportunidade perdida para o Estado apostar no Linux abrindo caminho ao sistema da Apple.
Não será um novo jackpot mas a vocação de Portugal para as tecnologias renováveis e de ponta (embora os portugueses a tenham cada vez menos!) é um bom caminhar. Talvez a única aposta certa, embora tímida, do governo do engenheiro.
Já produzimos o Tsunami (e acho que o ACER), umas tretas de máquinas, mas como já fabricámos o automóvel SADO e o bacamarte UMM, é a vez dos Magalhães. Embora louvável não resisto a acrescentar: cada país faz o que pode e a mais não é obrigado.

E se Magalhães não tiver sistema Tiger ou Leopard poderá sempre ter o sistema Lince da Malcata. Prevê-se o lançamento de um telemóvel associado o Ei fala!
Se o primeiro-ministro é uma espécie de engenheiro (com todo o respeito) porque não seria o computador português uma espécie de calculadora?

10 comentários:

  1. hummm... eu ouvi falar que o preço era mais na ordem dos 160 e se tivermos em conta que TMN's e companhia estão na jogada, podemos contar com mais uns 50 mensais para ligações à Internet com fidelização de 24 ou 36 meses. São mais uns computadores "oferecidos" pelo governo, como os anteriores para alunos das secundárias. "Ofertas" que ficam em quase 3 vezes o valor real do aparelho, mas depois de terem a "máquina calculadora" já podem fazer a conta. É pena depois ser tarde demais.
    O Sado e o UMM até não foram más ideias e muito à frente do seu tempo, tiveram um "pequeno" problema de imagem e marketing. Ai, se o Jobs tivesse nascido em Portugal.

    ResponderEliminar
  2. O Magalhães vem equipado com sistema Linux.

    ResponderEliminar
  3. acho que a única coisa portuguesa que este magalhães tem (além do infeliz nome, não me admirava que tivesse sido o outro magalhães a sugerir o nome - estou a ser mauzinho) é justamente o sistema operativo: Linux Caixa Mágica. mais aqui: http://xlmen.blogspot.com/2008/07/magalhes-o-primeiro-computador-portugus.html

    ResponderEliminar
  4. Marco Dinis Santos12:16 da tarde

    O me irrita na imprensa portuguesa é que vai tudo atrás do que é anunciado sem tentar perceber o que está por detrás. O magalhães é um upgrade da versão 2 do Classmate PC, da Intel.
    Vem com disco de 30Gb e 1Gb de Ram, Windows XP e Linux Caixa Mágica.
    E metam-me um na mão que eu enfio-lhe o leopard... :P

    ResponderEliminar
  5. Esta ideia que o Windows não presta e Linux e MacOS é que são bons, faz-me imensa confusão.
    Começa a ser uma espécie de religião...
    E que conhecimentos de sistemas operativos têm os devotos?
    Sabem que não presta, mas não sabem como é gerida a memória principal, a secundária, processos, threads, escalonamento, etc, etc, etc.
    Não presta, porque sim.

    Isto de opinar sem perceber nada do assunto, é uma coisa muito tuga.

    Voltando ao assunto, para que servem os Magalhães? Os miúdos vão aprender alguma coisa com eles? Na vida os problemas não se resolvem apenas carregando em botões...

    Cumps.

    ResponderEliminar
  6. Na minha opinião, entre o Windows e o MacOS, venha o diabo e escolha. Reconheço que o Linux está um bocadinho à parte e cada vez mais se resolvem os problemas carregando em botões (e arranjam-se também).

    ResponderEliminar
  7. bloguer atento4:58 da tarde

    Copiado daqui >
    http://www.caldeiradadeneutroes.blogspot.com/

    "Os noticiários de ontem abriram com pompa e circunstância anunciando o lançamento do 'primeiro computador portátil português', o Magalhães. A RTP refere que é "um projecto português produzido em Portugal". A SIC refere que "um produto desenvolvido por empresas nacionais e pela Intel" e que a "concepção é portuguesa e foi desenvolvida no âmbito do Plano Tecnologico". Na realidade, só com muito boa vontade é que o que foi dito e escrito é verdadeiro. O projecto não teve origem em Portugal, já existe desde 2006 e é da responsabilidade da Intel. Chama-se Classmate PC e é um laptop de baixo custo destinado ao terceiro mundo e já é vendido há muito tempo através da Amazon. As notícias foram cuidadosamente feitas de forma a dar ideia que o Magalhães é algo de completamente novo e com origem em Portugal. Não é verdade. Felizmente, existem blogues atentos. Na imprensa escrita salvou-se, que eu tenha dado conta, a notícia do 'Portugal Diário': 'Tirando o nome, o logótipo e a capa exterior, tudo o resto é idêntico ao produto que a Intel tem estado a vender em várias partes do mundo desde 2006. Aliás, esta é já a segunda versão do produto'. Pelos vistos, o jornalista Filipe Caetano foi o único a fazer um trabalhinho de investigação em vez de reproduzir o comunicado de imprensa do Governo."


    "Os noticiários de ontem abriram com pompa e circunstância anunciando o lançamento do 'primeiro computador portátil português', o Magalhães. A RTP refere que é "um projecto português produzido em Portugal". A SIC refere que "um produto desenvolvido por empresas nacionais e pela Intel" e que a "concepção é portuguesa e foi desenvolvida no âmbito do Plano Tecnologico". Na realidade, só com muito boa vontade é que o que foi dito e escrito é verdadeiro. O projecto não teve origem em Portugal, já existe desde 2006 e é da responsabilidade da Intel. Chama-se Classmate PC e é um laptop de baixo custo destinado ao terceiro mundo e já é vendido há muito tempo através da Amazon. As notícias foram cuidadosamente feitas de forma a dar ideia que o Magalhães é algo de completamente novo e com origem em Portugal. Não é verdade. Felizmente, existem blogues atentos. Na imprensa escrita salvou-se, que eu tenha dado conta, a notícia do 'Portugal Diário': 'Tirando o nome, o logótipo e a capa exterior, tudo o resto é idêntico ao produto que a Intel tem estado a vender em várias partes do mundo desde 2006. Aliás, esta é já a segunda versão do produto'. Pelos vistos, o jornalista Filipe Caetano foi o único a fazer um trabalhinho de investigação em vez de reproduzir o comunicado de imprensa do Governo."

    ResponderEliminar
  8. aquilo parece-me uma boa bosta!!!

    ResponderEliminar
  9. Macintosh sempre!
    Só quem não tem um, é que poderá ter a tentação de compará-lo ao Windows.
    Mac é Mac... e pronto!
    (Até foi o Steve quem inventou o rato, sabiam?)

    Quanto ao Magalhães, é mais uma mentirola deste Governo.
    Só quem é mesmo burro é que continua a enfiar as os "barretes" de Sócrates e Companhia.
    Perdoai-lhes.

    ResponderEliminar
  10. O Magalhães é mais uma peta do bando do "engenheiro"...

    Mas dono de Mac é DOENTE (assim tipo fundamentalista islâmico ou outro...). Para que conste o rato de computador foi inventado em 1963, por um tal de Douglas Engelbartthe no Stanford Research Institute (USA).

    ResponderEliminar