quarta-feira, novembro 14, 2007

A Micas do Salazar



Sempre me intrigou aquela menina que Salazar abraçava e com quem passeava nas fotografias do Rosa Casaco. A cena tinha qualquer coisa entre um inocente cromo de propaganda, ingénuo, delicodoce, enquanto deixava implícito qualquer coisa mais perversa. Isto numa leitura já muito rebuscada. Mas que era estranho era. Para mim era uma menina de Odivelas que o professor protegia.
O Joaquim Vieira num grande rasgo jornalístico descobriu a menina, agora senhora e, para sorte de todos incluindo ela, está viva. Para dizer como era e contar como é que foi.
A Micas - assim se chama e assim era tratada- é uma figura principal do cenário de Salazar, afinal mais uma personagem a juntar à Dona Maria, que pelos vistos tentou colocar na sombra e no esquecimento histórico a afilhada.
Ouvi-a hoje falar no RCP. É uma das raras e últimas memórias vivas do Salazar, com uma vitalidade, lembrança e eterna dedicação à figura do professor.
Micas falava na rádio da doçura do homem, do seu bom senso e tolerância. Relatou um quotidiano calmo e organizado em S. Bento. Uma vida austera a chá e torradas matinais, cumprindo uma sesta diária e um passeio nocturno pelos jardins de S. Bento acompanhado por Micas, uma companhia confidente para os pequenos e simples desabafos de um homem de Estado.
Era um microcosmos perfeito. Dona Maria governava S. Bento, Salazar a nação. Por perto havia galinhas na capoeira governamental (que Salazar desaprovava mas que fechava os olhos a este capricho da governanta). Por vezes os portões do Palácio abriam-se para deixarem entrar o namorado de Micas que Salazar tolerava. Preferia que a sua menina namorasse
nos jardins ( guardada pela GNR!) do que andasse pelas ruas a namoriscar.

Neste quadro Rosa Casaco aparecia com a sua Rolleiflex e batia umas chapas para eternizar este quadro bucólico e feliz. Perfeito como o 6x6 o permite.
Micas confessava que Salazar se mostrava inquieto com a velocidade com que o Mundo mudava. Inquieto com as modas, os liberalismos, o consumo, a indústria. Resistiu até onde pôde a uma sociedade americana, consumidora. E resistiu ao fim do colonialismo e do sonho de uma pátria imensa, universal. O homem tinha um sonho e moldava-o a partir de uma casa com jardim e galinhas e duas mulheres que foram a sua família, o seu aconchego.

Este lado humano de Salazar é fascinante.

10 comentários:

  1. O Hitler também andava com criancinhas ao colo e também tinha um lado humano muito terno! A sua solidão também espelhava amor!
    O Mao-tse tung, esse então, tinha carradas de miudas nos quintais dos palácios e ainda hoje,na china, à muitas "Micas" que choram pela sua memória.
    Enfim ! Quem ainda se comove com estas coisas, nos dias de hoje, não é por falta de informação nem é por a verdade estar escondida, é por outra coisa qualquer...

    ResponderEliminar
  2. Quando é que há coragem para se abrir o livro e contar finalmente a verdade sobre a (homo)sexualidade do Salazar? Ainda não há coragem? O LC podia ser o primeiro...
    Porque é que perdem tempo com estas histórias da carochinha de micas e donas marias? Ainda é preciso continuar a enganar o povo? Ainda não temos, nós povo, maturidade para enfrentar esse facto? Que diferença faria?

    ResponderEliminar
  3. homosexualidade e a comer a garnier ?

    Calma ! salazar era matcho. E latino

    ResponderEliminar
  4. Lembranças de um paparazzo do salazarismo

    Uma noite de breu ainda a luzeira pública era a azeite-queime e os bêbados saíam das tabernas a cheirar a carapaus de escabeche c 15 dias e tinto do Cartaxo feito na Dyrup de Sacavém , ia eu carregar o meu flaxo de magnésio da Spid Gráfik à bomba do Largo do Leão quando vejo surgir mesmo na minha frente um enorme Daimler preto quer parou umas portas à frente e donde saíu embuçado um sujeito, acompanhado por outro menos embuçado que tocaram a uma campainha e esperaram a porta aberta. Com aquele filing que se tratava de figura graúda despachei as 5 coroas de pó de mgnésio e pus-me na cola deles a tempo de entrar na escada que eles já subiam no ronceiro elevador até ao 3º andar e a quatro degraus cada vez chegar ao patamar e ouvir uma voz feminina dizer " Temos passarinhas novas Excelência" enquanto o embuçado descobrindo-se se me revelou ser Salazar e a voz a da Madame Salete uma das mais badaladas gestoras de casas de prostituição de luxo da cidade. E sem hesitar um segundo levantar a Spid e disparei o flashei gravando a chapa que no dia seguinte deu um boneco grandioso do Salazar a ser beijado pela Salete publicado no "Novidades" jornal do Mons César das Neves com o título " O Senhor Presídente do Conselho visita a prima entrevada " e tudo isto nas barbas da PIDE que já nessa altura andava entaramelada numa conspiração para substituir o " botas" pelo "santos costa " negócio que não se veio a efectivar porque o general da Brandoa não arranjou verba suficiente para pagar "as gasosas" aos pides e enfim são histórias ternas do cótidiano faxinante do nosso primeiro dos tempos da outra senhora que era a Dona Maria.

    ResponderEliminar
  5. esta história maravilhosa prova bem que Salazar afinal gostava muito era de arroz de grelos e frescos !!!!

    ResponderEliminar
  6. Há sempre homens (mais ou menos banais) por trás dos mitos.

    ResponderEliminar
  7. Crédito para o LC que nos apresenta a Micas de hoje!
    Uma Dama à moda antiga que carrega muitos segredos !
    A Micas sem ter culpa nenhuma faz parte do imaginário lusitano!
    O meu crédito para a Micas que soube aparecer!

    ResponderEliminar
  8. A D.Micas conheci através da filha, que namorei, casei e tenho dois filhos (seus netos). Fui aprendendo aos poucos quem a senhora era, mas o facto de ter um passado que teve, foi sempre a minha sogra que sempre estimei pela pessoa que era e é, felizmente. Tenho o privilégio de morar no mesmo prédio, de ter conhecido, vivido com a pessoa excepcional que foi seu marido, meu sogro, hoje já não está entre nós. Aprendi muito, cresci muito com ele.
    A figura do Dr. Salazar está sempre presente entre nós, da qual temos em muita consideração e respeito.
    O genro,
    António

    ResponderEliminar
  9. Sr. António, o genro:
    A figura do Dr. Salazar também está sempre muito presente no resto de nós, a minha família foi perseguida pelo regime e torturada, como se consegue ter consideração e respeito por tal personalidade é para mim estranho.
    As pessoas não são monstros, fazem monstruosidades. Não quer dizer que não conheçam o amor, mesmo que seja seleccionado muito peculiarmente.

    ResponderEliminar
  10. A Mim Me Parece12:23 da manhã

    Parece-me que este Carlos que por aqui debita tem a mania das grandezas: por força quer comparar Hitler e Mao a Salazar, um rústico que governou um país de bisonhos durante quase 40 anos. Vá-se lá saber porque não incluiu no lote o José Estaline, que no que toca a meiguices parece que pede messas a qualquer dos outros dois... Esqueceu-se, digo eu...

    ResponderEliminar