domingo, novembro 25, 2007

300 horas a falar da Casa Pia

A cobertura mediática do caso Casa Pia nos dois primeiros anos atingiu uma dimensão nunca antes vista nos media portugueses, ocupando nesse período - 2002/2004 - mais de 300 horas nos espaços informativos das televisões nacionais, segundo dados da Marktest. Cinco anos depois, o caso perdeu mediatização, escreve a Lusa.
É caso para dizer: " Não há.... que aguente".
A sério: como é possível chegados aqui termos uma saída honrosa para vítimas e acusados ? Que credibilidade trouxe este processo para a descredibilizada justiça ? Que avanços fez o Estado ? O novo regulamento do Código Penal ? Que fizeram os socialistas para tornarem Portugal mais justo, moderno e eficaz na Justiça ?
Um drama este caso. Quanto mais passa o tempo mais descrédito e desinteresse mostra o cidadão.

PS: Gostava de deixar aqui escrita esta mensagem de solidariedade e amizade para com o Mestre Carlos Amado e para com o Mestre lagoa Henriques.
Foram ambos meus professores na Escola Superior de Belas Artes de Lisboa. Carlos Amado deu-me aulas de desenho de estátua e mestre Lagoa também de desenho. Devo-lhes muito da minha formação artística e fizeram com que eu passasse a olhar o Mundo, a vida, com um sentido gráfico e estético, poético e literário como ninguém, Com eles aprendi o sentido da forma, a estrutura visual, a relação palavra-imagem, o equilíbrio e o ritmo gráfico. Foi com mestre Lagoa que ouvi pela primeira vez falar da noção de ritmo gráfico, da relação forma- conteúdo, do valor das texturas, do desenho das sombras.

Eles sempre se assumiram como homossexuais, ( não bichas!), discretos, educados. São uns senhores e duas personalidades de uma cultura invulgar. Deram ao longo dos anos contributos notáveis para a formação de várias gerações de artistas. Tive o privilégio de Mestre Lagoa me ter dado 18 valores a desenho, no 2º ano de pintura (quando estava em transição para arquitectura). Toda a gente sabe que são homossexuais mas que o são de uma forma séria, não exibicionista, muito menos criminosa. Sempre foram defensores dos valores humanistas, democráticos, com muita dose de anarquia e irreverência.

Nos anos 70 tiveram problemas com a PIDE quando se constou que havia sessões que metiam haxixe no atelier, onde se falava já da presença da Eunice Munoz. Eles pertencem a um grupo de intelectuais verdadeiros. São, porventura, os últimos artistas na verdadeira acepção da palavra e da prática. Não me parece nada verdadeiro que possam haver histórias com eles em torno de pedofilia. Acho isso uma calúnia e era bom investigar esses miúdos ( que já são adultos e não crianças!), o que fazem, que vida têm, o que ganharam com as indemnizações, que credibilidade têm e o que os faz correr. Todos tínhamos a ganhar. Até a justiça

9 comentários:

  1. Já me chega de Casa Pia e Maddie!

    ResponderEliminar
  2. Luiz, o seu afecto e a sua admiração pelos Mestres, está torná-lo parcial na análise que faz.
    O que é absolutamente compreensível. Tb não é o Luiz, o magistrado encarregue de julgar o caso.

    Respeito quem é homossexual. A orientação sexual a cada um diz respeito.

    Aquando do Processo C Pia, foi um verdadeiro balde de água fria, o caso do Carlos Cruz, para muitos portugueses. Eu incluída. Até pq tenho familiares que se relacionam com ele. Começei por não acreditar.

    Hoje, ... não sei que diga ?
    Se não acredito, se acredito....enfim. Cabe a Justiça....o que concluíu de tudo isto. E punir, se for o caso.

    São os nosso ídolos a cair do pedestal ... Demasiado duro admiti-lo.

    Certo é que algumas crianças apresentam sinais físicos, de abuso sexual, nomeadamente, ao nível do esfíncter. Comprovado pelo Instituto de Medicina Legal.

    Quem foi ou foram o(s) autores dessas lesões físicas ?

    Começo a duvidar que algum dia se saiba...

    Só flagrante delito (não delete !!) podia dar a prova dos nove, deste crime hediondo.

    ResponderEliminar
  3. «Começo a duvidar que algum dia se saiba...»
    Eu já perdi as dúvidas há muito tempo.

    Porque o único que vai ser mesmo enrabado vai ser o Carlos Silvino.
    Tal como o foi enquanto aluno.

    ResponderEliminar
  4. «... e era bom investigar esses miúdos...»
    Também acho...!
    Mas para saber quem são os carloscruzes deste país.
    Porque os "esses miúdos" existem por causa dos carloscruzes...
    É como as putas...
    Elas existem, de facto, mas as putas são putas e os que delas se servem são todos boa gente.

    ResponderEliminar
  5. Vamos “Chamar os bois pelos nomes”!
    A “mediatização” de um assunto é feita pelos media. O púbico segue-os na esteira do sangue, da tragédia, do escândalo. Mas são os media que alimentam essa sede do mal dos outros.
    Se os media deixarem de falar no assunto, se encherem os seus espaços com outros escândalos, mais picantes ou sangrentos, os de ontem caiem no esquecimento. Esta é uma verdade conhecida de qualquer jornalista incipiente.
    Por outro lado, e se será verdade que todas essas horas foram ocupadas com este tema (gostaria de saber quantas foram as ocupadas com temas como o governo, os incêndios de verão, futebol ou a guerra do Iraque), gostaria também de saber quantas páginas, palavras, fotografias, infografias e quilogramas de jornais foram usados com o tema em questão. Jornais diários, semanários, gratuitos ou pagos. Sérios e de referencia ou nem por isso.
    E se as televisões têm grandes culpas no processo de acusar, julgar e condenar ainda antes dos tribunais o fazerem, certo é que a imprensa não lhes fica atrás. Nem a rádio, já agora.
    Donde, e sem querer tirar responsabilidades às televisões, que as têm e do tamanho da légua da Póvoa, não queiramos excluir outros co-responsaveis pelos julgamentos e condenações públicas, nem pelo abandono que as causas vão tendo por parte da população.
    A manipulação da opinião pública faz-se na TV, na Rádio e na Imprensa, sem excepções!

    ResponderEliminar
  6. Flagrante delito ! Mas ninguém percebeu ainda que todos este escandalos giram à volta de um só problema? Má investigação da Polícia !!! e não éde agora...enfim reflexos da escola da PIDE que se baseava na bufaria...mais uma vez se pede Justiça mas baseada no Direito moderno livre da Inquisição e dos métodos ditatoriais pidescos. Sem provas tudo isto é fraude...
    E afinal onde estão as célebres fotos do Cruz do Pedroso e mesmo dos outros que até se assumem como homos em orgias com os casapianos???? Nesse género as únicas que conheço são as K7s do Taveira c a Joanne mas aí o problem foi outro...a reconstrução do Chiado foi parar ao Siza.

    ResponderEliminar
  7. «... Má investigação da Polícia...»
    Ainda bem que a ignorância é a sorte dos néscios.
    E quantas vezes eu próprio gostaria de ser ignorante.
    Só que a sorte não toca a todos.

    ResponderEliminar
  8. sim claro obviamente uma boa investigação com provas claras e concretas não emprenharia um processo que corre nos tribunais há 4 anos ....não haveria advogados de defesa capazes de destruir o óbvio, quanto muito pediriam clemência né ó js?
    É preciso acabar c esse mito da Policia e do MP infalíveis porque a Mesa da Inquisição já acabou há bué e a Pide tb...
    Mas tb dou de barato não terem as Policias em Portugal os instrumentos mais eficazes ( orçamentos) que deveriam ter para desempenhar cabalmente a sua missão ! Mas aí a culpa reside nos sucessivos governos que foram deixando as Polícias dependentes desses glutões do erário público Generais de aviário (ou das campanhas das colónias onde como sempre só os bravos soldados do povo mereciam as Torres e Espadas tal qual como quando foram expulsando os Franciús do Napoleão ) nã limparam as nódoas que PJ PSP GNR BF ganharam ao serviço do salazar caetanismo etcccc e estamos nisto

    ResponderEliminar
  9. Meu caro,
    Não percebeu nada do que eu disse (quis dizer)...!
    O problema não é "policial" mas "político".
    Ou pensa que a polícia faz tudo o que lhes deixam...!

    ResponderEliminar