quarta-feira, outubro 03, 2007

Inspector da Judiciária foi bem demitido

A reportagem da Sky News que ontem a SIC passou mostrou em síntese o que tem sido a saga Maddie. E se a reportagem tem algum tom a favor dos MacCan também é verdade que mostra bem a trapalhada que tem sido a investigação portuguesa. A Judiciária soube manobrar muito bem a imprensa portuguesa e muitos jornalistas deixaram-se manobrar, mesmo sem o quererem, pelas bocas que vão sendo dadas, a maioria sempre com o objectivo de mostrar que os polícias são os maiores.

A manipulação das fontes junto da imprensa é de uma promiscuidade lamentável. E se há jornalistas que sabem onde começa uma boa informação em off e onde acaba uma informação que depois de publicada não passa de uma manobra de propaganda, há outros que só querem publicar tudo o que lhes dizem.
Não é só no Caso Maddie, em quase todos os casos.

A demissão do Inspector que coordenava a investigação foi muito bem feita. Acho insustentável que os polícias dêem entrevistas, façam lobbie, influenciem a opinião pública. Assim como acha inacreditável que um juiz venha para a televisão falar de um processo com a capa de ser dirigente sindical.
Os juízes e os polícias deviam ser proibidos de dar entrevistas e de falarem politicamente sobre as suas áreas de influência.

Sabemos hoje que as investigações da Judiciária no caso Maddie foram tardias, precipitadas, muito pouco cientificas e muito pouco deontológicas no que respeita a fuga de informações. Também foi lamentável o volte- face que levou à condenação pública do casal.
Refugiando-se no malfadado segredo de justiça, a polícia acaba por dizer em off o que não pode em on, e de acrescentar em off o que devia calar.

A demissão do inspector, que está indiciado na agressão à mãe da Joana, foi mais que justa, foi exemplar. Já é tempo de amordaçar os polícias que se manifestam como desordeiros e dos que tendo um estatuto de excepção na sociedade se portam como comentadores políticos.

17 comentários:

  1. Mesmo quando os polícias são enxovalhados pela imprensa inglesa numa clara intenção de fragilizar a credibilidade do trabalho policial e deste polícia em concreto é um facto que um agente policial, mais ainda com as responsabilidade deste, devia conseguir aguentar essa pressão e não falar.
    Infelizmente, parece não ter sido o caso, azar o dele, ou sorte, porque, quem sabe, se ele já não estaria farto de tudo o que se dizia dele e da sua família.
    Mas tem razão, no essencial.

    Só que, nestas coisas, o seu lança-chamas continua a precisar de reparação, porque me faz lembrar as bocas de um fogão quando estão entupidas e o gás só sai para alguns dos lados.

    E passo a explicar aquela deficiência do seu lança-chamas.
    É que, também o Luís de Carvalho, fala tanta vez de mais e diz tanta asneira e fala de tudo e de mais uma coisa, quantas vezes de forma demagógica, uma vezes disparando umas verdades e outras falando só porque não se aguenta sem dizer qualquer coisinha.
    E, já algumas vezes, quando se apercebe que disse asneira da grossa, até já tem corrigido posts.
    Ou mesmo os apaga, como fez bem recentemente, quando o lança-chamas lhe queimou as mãos.
    E mais não explico porque você não precisa de explicador e sabe que eu lhas apanho todas.

    Mas, volto a observar, que, no essencial desta questão, tem razão.
    Mas, como em tudo na vida, há sempre o outro lado da questão.

    E aqui o outro lado da questão é a muita escumalha que existe na profissão de jornalista, onde também existe muita gente séria e competente, tal como na polícia, afinal.
    Se eu pudesse falar, como sabe não posso, mas você pode, eu contava aqui publicamente algumas coisas de alguns jornalistas que são promíscuos com muitos interesses e que envergonham miseravelmente a sua classe.

    Mas não posso.
    Nem devo.
    Nem vale a pena.
    Porque, tão bem como eu, você sabe bem que alguns da sua classe não são sérios ou para falar em bom português não valem uma m**** e nem um retrato sabem tirar.

    E este polícia, afinal, o que fez foi desabafar.
    Mas, se queria desabafar, então, de facto, está na profissão errada e foi bem demitido.

    Sorte a sua, que como jornalista, pode desabafar, como tantas vezes faz, só que também com frequentes alarvidades, e que é o lado menos correcto que eu vejo em si.

    E não me venha com a treta, como já fez uma vez em tempos, com essa do corporativismo, porque não pega.
    Você já me conhece e sabe, mesmo que com as minhas limitações (proibições) no plano da liberdade de expressão, as quais você não tem, que leva no toutiço quando se põe a falar da casa dos outros, esquecendo que nas nossas casas, por vezes, anda tanta desgraça escondida.

    E algum jornalismo que por aí se faça está ao nível da sarjeta.
    Por outro lado, alguns bons jornalistas que ainda por aí andam, quando dizem algumas verdades, são postos na prateleira ou têm que mudar de jornal e alguns destes já pertenceram a jornais por onde você passou ou mesmo onde está e tiveram que rumar a outras paragens.

    Mas, ele há coisas, que não se podem dizer em público.
    É pena, porque você levava com elas.

    E amigos como sempre, porque os amigos não servem só para dizer ámen.

    ResponderEliminar
  2. A Analise está bem feita! mas há que acrescentar que estes homens tem +- 20 anos de policia e foram para lá muito novinhos, subiram ao poleiro, não pelas suas capacidades mas pelos favores que fizem aos grandões, pelos segredos que souberam manter e pelas coberturas de deram aos srs politicos.
    Depois de terem evoluido à custa da troca de favores, queriam que os homens fossem profissionais, quando essa não é a sua cultura. Não acha LC?~
    Não está em causa o resultado das investigações, mas a forma de trabalhar daqueles srs é aquela e tem sido aquela à muitos anos, mesmo no tempo Moita Flores que teve a inteligencia se saltar fora daquele filme!
    Almoços até às 5 horas da tarde não são novidade nenhuma! Aquele desleixo lusitano muito caracteristico também abunda e depois, a subserviência aos ingleses, também aparece à ssuperficie!
    Alipio Ribeiro disse que o homem esteve submetido sob muito stress!!!
    Stress!!! As fotos que publicitaram desse policia diziam tudo!!! Não é LC ? Aquele estilo gordinho com aquele bigode indicia muito mais impreparação do que stress! Indicia digestões dificeis!

    Para terminar, e referindo as declarações que fizeram ferver as águas, parece-se absurdo que esse PJ, admitindo agora, que os Mccann nunca colaboraram com a investigação só tenham sido investigados como suspeitos apartir de 100 dias depois do desaparecimento da miuda!Quer dizer que o homem precisou de 100 dias para accionar os procedimentos de suspeita sobre os Maccann! ufff , Grande policia , aquele campeão!!!

    Eu estou torcendo para que a PJ tenha sucesso , mas estes tipos dão má imagem e não são profissionais e deitam tudo a perder! E o caso até tinha tudo para ser fácil, mas estes policias especialistas em balburdias deitam tudo a perder.

    Eu conheço alguns PJ de faro e já lá fui por causa de 2 casos.aquilo são uns coitados. Logo a começar pelas instalações. Degradante!
    Mas atenção, há muito policia competente que tem quee andar calado e alinhar para garantir o seu ao fim do mÊs, mas as chefias , uiiiiii. Muito fraquinho!

    ResponderEliminar
  3. «Aquele estilo gordinho com aquele bigode indicia muito mais impreparação do que stress! Indicia digestões dificeis!»

    Espero que o meu caro Carlos não seja daqueles tipos magrinhos e com brinco na orelha, porque "indicia" que se anda a drogar.
    Vá-se catar, meu caro...
    Talvez o meu caro não tenha conhecido Lombroso, eu também não, mas nem um "gordinho" significa que tenha «digestões difíceis» nem o meu caro se usar brinco na orelha e for de físico pouco avantajado significa que se anda a picar.

    É esta forma fácil e inculta como alguns escrevem nos blogs que me fazem começar a ter vontade de «ir dá uma volta».

    Mas, enfim, há lugares para todos.
    Para os tontos e para os que se esforçam em não o ser...

    ResponderEliminar
  4. Isto não tem nada a haver, mas estou a ouvir um ex-ministro da adm. interna, que é um grande "tangueiro" e que já teve responsabilidades executivas politicas. Quais foram os resultados da sua acção executiva ? Nada!
    E qual é o resultado da sua demagoga oração?
    Está promovendo o JPP e o seu blogue do abrupto, porque sabe que o JPP vai atacar o LFM como um pitbull! Ora. gente desta, pode alguma vez servir um interesse publico? Não , respondo eu : E digo mais, estes craques de oratoria demagogica blindam os interesses e secam tudo à sua volta. São enormes eucaliptos!
    é por isso que o Socrates arranjou muito emprego em espanha para os portugueses!

    ResponderEliminar
  5. cont...
    O tal tangueiro depois de elogiar o JPP , na 2ª intervenção, elogiou o LMM, agora que ele morreu politicamente !
    Éste é o tipo de homem que atrasa Portugal e manda os portugueses para as obras em espanha porque nunca dobrou a mola , nem mesmo intelectualmente e é useiro de manhas para ganhar a vida , maliciosamente.

    Gosto muito mais do Lobo xavier quee é um senhor e não joga falso!
    Se os politicos portugueses tivessem um pouquinho do DNA do LX, eramos um pais fortes. Mas há mais DNA do JC, infelizmente!

    ResponderEliminar
  6. "A reportagem da Sky News que ontem a SIC passou mostrou em síntese o que tem sido a saga Maddie."

    Não vi.

    "E se a reportagem tem algum tom a favor dos MacCan também é verdade que mostra bem a trapalhada que tem sido a investigação portuguesa."

    Ó Luiz, é óbvio que se tem algo a favor dos McCann, teria que ter pelo menos alguma coisa contra a PJ. Só podia...

    "A Judiciária soube manobrar muito bem a imprensa portuguesa e muitos jornalistas deixaram-se manobrar, mesmo sem o quererem, pelas bocas que vão sendo dadas, a maioria sempre com o objectivo de mostrar que os polícias são os maiores."

    Curiosa, esta sua opinião. O Luiz lá saberá porque o afirma. Está no meio deles. Dos Jornalistas. Mais perto destes jornalistas, do que da PJ e do funcionamento da instituição e dos processos de investigação em curso. Presumo......

    Curioso tb que os jornalistas, por exº, os espanhóis, falam que quem tem manobrado bem a imprensa, são os McCann. Vá-se lá saber em que lado está a razão.
    Pessoalmente, eu continuo a acreditar na inocência do casal.
    Ou então eles dois, serão mesmo uns monstros, ao estilo Hitchcok.

    "A manipulação das fontes junto da imprensa é de uma promiscuidade lamentável. E se há jornalistas que sabem onde começa uma boa informação em off e onde acaba uma informação que depois de publicada não passa de uma manobra de propaganda, há outros que só querem publicar tudo o que lhes dizem.
    Não é só no Caso Maddie, em quase todos os casos."

    Por isso é que há bom jornalismo, e jornalismo de sarjeta. Aqui, como em Inglaterra. Nada de novo ...
    Aliás como em todas as profissões.
    Há bons polícias e maus polícias.

    "A demissão do Inspector que coordenava a investigação foi muito bem feita. Acho insustentável que os polícias dêem entrevistas, façam lobbie, influenciem a opinião pública. Assim como acha inacreditável que um juiz venha para a televisão falar de um processo com a capa de ser dirigente sindical.
    Os juízes e os polícias deviam ser proibidos de dar entrevistas e de falarem politicamente sobre as suas áreas de influência."

    A imprensa britânica começou por criticar as autoridades portuguesas por não fornecer mais informações sobre o decorrer da investigação.
    Preso por ter cão, preso por não o ter ...
    A relação entre os media e a Justiça tem sido sempre complicada.
    Há muito tempo que o Ministério da Justiça devia ter implementado, a função de relações públicas, nos Tribunais, nas polícias, e haveria menos ruído, e mais e melhor informação, sem perturbação para o decorrer das investigações e dos julgamentos, que é o desejável.

    "Sabemos hoje que as investigações da Judiciária no caso Maddie foram tardias, precipitadas, muito pouco cientificas e muito pouco deontológicas no que respeita a fuga de informações. Também foi lamentável o volte- face que levou à condenação pública do casal.
    Refugiando-se no malfadado segredo de justiça, a polícia acaba por dizer em off o que não pode em on, e de acrescentar em off o que devia calar."

    Sabemos como ? Pelo que vem nos Jornais ? Não chega !
    Será que a PJ disse, ... muitas das coisas que vêm nos jornais ?
    Como é que se pode retirar conclusões e fazer juízos de valor, de uma investigação que ainda está em curso, e em total segredo de justiça (seja lá o que fôr, que quer dizer segredo de justiça)

    "A demissão do inspector, que está indiciado na agressão à mãe da Joana, foi mais que justa, foi exemplar. Já é tempo de amordaçar os polícias que se manifestam como desordeiros e dos que tendo um estatuto de excepção na sociedade se portam como comentadores políticos.

    Ó Luiz os polícias têm estado sempre amordaçados. Tem dúvidas ?

    Já esqueceu os SECOS E MOLHADOS ???

    Qto ao Inspector Gonçalo, lamento, que ele tenha dado o flanco. Deixou-se ir pela emoção. Fragilizou-se.
    A imprensa britânica montou-lhe a armadilha e ele caíu.
    O Director nacional da PJ não tinha outra atitude institucional a tomar. Mesmo que seja o primeiro a considerar, que o Inspector tem carradas de razão.

    Só quem é Polícia, sabe e percebe certas coisas que se passam. Por isso é compreensível que o cidadão comum, na sua ignorãncia de certos factos, emita certos comentários pouco correctos. Ouviu ó JS ?

    Há poderes e "poderes" dentro das Polícias. Forças contrárias. Interesses sobre interesses.

    Mas o que não deixa de ser interessante observar, é que quando estamos com "as calças na mão", ou porque fomos assaltados, ou ...qq do género, gritamos:

    - ó da guardaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa !!

    Coitado do zé polícia ....

    (que leva de todos os lados, até dos "tubarões" que o comanda)

    :-((((((((

    Nota: Não sei se o inspector, era bom profissional ou não (quem sou eu ...?)...
    Calculo é que a instituição tenha perdido um polícia, e tenha ganho "um mono".
    Há mais casos como este. Não terão é a projecção mediática que esta demissão tem, pela invetsigação a que está conectada.

    ResponderEliminar
  7. "Ouvi...", ouvi, "pézinhos...".

    Um comentário sensato e, sobretudo, equilibrado.
    Ou seja, com muita objectividade.
    Objectividade que falta, muitas vezes, aqui ao nosso amigo Luís..., esperando, mesmo, que siga o meu conselho e faça uma reparação na "mira" do lança-chamas, de tal maneira que, por vezes, parece uma bazuca com o atirador a disparar para o lado contrário do alvo. Deve ser da força do ricochete.
    Mas, enfim, escrever com objectividade dá trabalho.
    Sendo mais fácil a conversa fácil, para quem anda, porventura, com a figadeira avariada.

    Só mais dois pormenores.
    Não nos esqueçamos que a mediatização deste caso, graças ao jornalismo de sarjeta, inglês e português, só tem servido para baralhar a opinião pública e vender papel.
    E que a manifesta interferência política não ajuda nada a serenar a investigação, antes pelo contrário.
    Independentemente dos erros que possam ter existido na investigação e, aqui, quem somos nós para julgar e muito menos os comentadores de bancada que mandam opiniões do tipo postas de pescada.

    Ainda.
    Como disse e muito bem, o director nacional não tinha outro remédio que fazer o que fez, caso contrário, era ele próprio que levaria com o ministro em cima.

    E ainda.
    Também como disse e muito bem, o problema reside na falta de gabinetes de imprensa com profissionais qualificados nas polícias e nos tribunais que façam a ligação com os media, sendo esta a melhor forma de resguardar aqueles «que demoram quatro horas a almoçar e que têm aspecto de bêbados», mas que, muitos deles, trabalham tantas vezes pela noite dentro, num trabalho discreto de vigilância e de investigação, com prejuízo da família, sendo ganhar nem mais um cêntimo, que trabalham em instalações miseráveis.
    Enquanto o Luís de Carvalho está a brincar com as suas Leicas ou a preparar as aulas que dá lá na universidade para ganhar mais uns cobres e bem instalado no seu local de trabalho, seja no Expresso, na sua casa em Sintra (onde lá onde é) e no seu monte no Alentejo.

    Só quem está dentro do assunto sabe avaliar isto, por isso me chateia o discurso lisonjeiro.

    Mas, enfim, disto concluo um facto, é que deve ser bem mais fácil tirar retratos do que ser polícia num país em que passamos a vida a dizer mal de nós próprios.
    Como se os ingleses fossem flor que se cheire.

    ResponderEliminar
  8. Interessante o editorial do DN de hoje, sobretudo o último parágrafo:

    "...
    O caso Madeleine McCann está submerso numa lamentável guerrilha informativa, onde sobressaem teorias, alimentadas pela informação popular de um lado e do outro, e escasseiam os factos concretos, as notícias rigorosas.

    A propósito do caso do inspector Gonçalo Amaral, afastado da investigação do polémico caso em consequência de uma entrevista ao nosso jornal, o DN não escreverá uma palavra - "por motivos óbvios", como diria o director nacional da Polícia Judiciária, Alípio Ribeiro.

    Mas sobre a função das polícias e da investigação já podemos dizer o seguinte: os funcionários da Justiça têm de aprender a enfrentar a pressão e não podem, nem devem, verbalizar as suas teorias da conspiração. Pelo contrário, deverão colocar todas as energias, pessoais e das respectivas equipas, na procura serena e determinada da Verdade. É para isso que possuem mandato da sociedade.

    Os media são outra coisa. No espaço mediático já se pode opinar, analisar, discutir cenários. Apenas está deontologicamente proibido transformar, sem factos, uma opinião, ou uma convicção, numa "notícia". Mas até isso, infelizmente, tem acontecido.
    ..."

    ResponderEliminar
  9. blábláblábláblábláblá

    Onde estão os indicios fortes que a PJ disse ter em seu poder para poder acusar os Mc Cann de homicidio da sua própria filha ?

    Não tem e não teve e porque abandonou a possibilidade de rapto afinal tão frequente ? Não estará o Amaral e os outros PJs perturbado com o Caso Joana e a querer fazer copy/paste para resover este rapidamente como a pressão da opinião publicada injustamente exige ? Porque é que o Ministro da Justiça e o Director da PJ não dizem de uma vez por todas que este caso é complicado e leva tempo indfeterminado a resolver ? Porquê este Champions entre PJ e Scotland Yard à laia de jogo de futebol? Porque é que a PJ continua a reflectir a influência dos tempos da bufaria da PIde? Poruqe é que o Laboratório de Plicia Cientifica tem material ( técnico) mas não tem os especialistas que devia ? Porque é que os Governos desde o 25 de Abril nunca resgataram as Polícias da alçada da tropa e da má imagem que tinham no anterior regime ? Porque é que estes políticos xuxas e social xuxas e pseudo liberais xuxas e cumunas xuxas etc são uma fraude caucionada pela ilusão democrática e pela igreja católica ? porque é que passados 30 e tal anos sobre a queda do Estado Novo estamos praticamente na mesma senão pior com excepção para a o usufruto de certas liberdades que afinal também não servem nem o País nem o Povo? Mentira ? então porque depois de recebermos milhões da UE continuamos na cauda do desenvolvimento europeu quando outros recém chegados já nos ultrapassaram? Se calhar é por causa da maneira como os nossos responsáveis tratam dos nossos interesses vide caso Maddie relativamente ao resto Mundo e dos amaralismos e dos costismos ( mas esse Alberto Costa é xuxa donde? ) dos soarismos e socratismos e cavaquismos?

    ResponderEliminar
  10. «Onde estão os indicios fortes que a PJ disse ter em seu poder para poder acusar os Mc Cann de homicidio da sua própria filha?»

    No Público de hoje:
    "...
    Gerry e Kate McCann constituídos arguidos com a aprovação da polícia inglesa
    No dia em que os responsáveis da Polícia Judiciária (PJ) decidiram constituir Gerry e Kate McCann como arguidos no processo do desaparecimento da sua filha comunicaram primeiro a sua intenção aos investigadores da polícia britânica que se encontravam na Praia da Luz. "Já fiz detenções por menos", terá respondido um deles.
    ..."

    E, não achando o Público, um jornal de sarjeta, sublinho a frase que "terá" sido proferida por um investigador ingês: «"Já fiz detenções por menos"».

    ResponderEliminar
  11. Gaspar de Jesus2:05 da tarde

    Caro luíz
    Como o tema é actual e mediático, os comentários que aqui leio são bastante diversificados e creio que bem sentidos. Como também me envolvi profissionalmente no dossier MENINOS DESAPERECIDOS estive em contacto por diversas vezes com os angustiados pais e também com a Policia Juduciária, se de um lado deparei com angustia, desespero, e porque não dizer, muita revolta pela inércia de uma policia que era suposto existir para os ajudar, da parte da P.J.ficou para mim muito claro que grande parte do que nos é dito em ON tem muito pouco a ver com a realidade que de vez em quando deixa escapar em OFF... como me deixo emocionar sempre que o desleixo dos policias se reflecte na angústia de quem perdeu as suas crianças, inquiri várias vezes em OFF o porquê da inércia e as respostas que obtive eram completamente dispares das obtidas com o gravador ligado... por isso meu amigo quero dizer que não acredito nada no que a P.J. diz ou faz! excepto quanto a vitima de crime é alguém dos seus, aí o caso muda de figura! de resto senti que a Judiciária é, uma instituíção com falta de meios, com pessoas acomodadas, cuja missão é muitas vezes confundida com emprego, todos têm familia a sustentar, o sub-mundo do crime é muito perigoso e lida com muito dinheiro, ouço dizer até que uma criança como Madeleine é muito bem cotada entre eles, em resumo, é sempre arriscado confrontar essa gente, porque meus amigos A POLICIA TEM MÊDO!!! tal como tive ocasião de lhes dizer lá em Lisboa eu também tenho mêdo, é natural, por isso não fui para a policia! Também me apercebi que as investigações que envolveram mais riscos, (percorrer o sub-mundo da noite Lisboeta) ou envolveram mais despesa, foram feitas pelos pais! alguns deles não foram mais longe por dificuldades económicas e por não terem sido ajudados por quem tinha obrigação de o fazer, nem sequer apoio psicológico tiveram.
    depois surgiu o CASO JOANA cuja mãe já detida afirma que a confissão lhe foi "arrancada" à força de pancada...( mas esse não era o processo usado pela PIDE?) e o Inspector-chefe era já Gonçalo Amaral...lá irá rsponder por isso, será que no aso MADDIE iria usar a mesma "técnica" não fossem os pais cidadãos inglesas e influentes como são??? e por esta altura o caso já estaria encerrado ??? não conheço a pessoa em causa, mas que cometeu durante a investigação erros demasiado grosseiros e primários isso até um leigo vê! além de que o aspecto do senhor pode levar a supôr tudo, menos aquilo que ouvi de Moita Flores," um moiro de trabalho". Por isso meus amigos quando quiser-mos ter uma noção da capacidade de trabalho da nossa POLICIA JUDICIÁRIA é só ir falar com os pais das NOSSAS CRIANÇAS DESAPARECIDAS.

    ResponderEliminar
  12. Uns dizem umas coisas, outros dizem outras. Mas leio aqui coisas que me chocam muito, por exº:

    - Como é que é possível fazer-se, como se faz aqui, uma avaliação da competência profissional de um inspector, a partir da sua imagem física ou fisionómica ? Ou mesmo do nº de horas que leva a almoçar ?

    É que às vezes, almoça-se durante duas ou três horas, e outars vezes, nem se almoça, nem se janta.

    Também criticam se o Inspector não almoçar, nem jantar ?

    Alguém se preocupou com o numero de horas que ele (e outros polícias) não dorme, dias e dias seguidos, no encalce da verdade de um crime, como este de Maddie ?

    Será que têm uma ideia de quantas horas, os polícias de investigação passam de dia e de noite, à espera da hora H ?
    Será que sabem, que todas as horas que ultrapassam o seu horário de trabalho não são remuneradas, por exº ?
    Será que têm a noção dos prazos legais, a que estão sujeitos os inquéritos e a pressão que isso exerce, sobre quem tem esses inquéritos a cargo ?

    Há um anónimo que pergunta:

    "Porque é que o Laboratório de Policia Cientifica tem material ( técnico) mas não tem os especialistas que devia ?"

    Quem é que disse isso ao amigo ?
    O LPC tem licenciados em química, em engenharia dos materiais, ....etc, etc ..

    Pode é não ter o número de técnicos necessários para o número de processos pendentes, para análise laboratorial. Mas tem técnicos e bastante bons.

    Por último, Gaspar de Jesus:

    Aponta incompetência à PJ, no dossier de Crianças Desaparecidas.

    Então diga-me... e na Grã-Bretanha ?
    São melhor sucedidos ???

    Comparativamente, onde é que há mais crianças desaparecidas e mais casos de insucesso ? Portugal ou Inglaterra ?

    Não digo, que não haja falhas na PJ. A própria PJ sentir-se-á frustrada por não encontrar uma criança que desaparece. Também são pais, tb têm crianças pequenas em casa.
    Mas ... estará a Lei Portuguesa a favor de uma investigação imediata, quando toca o alarme de desaparecimento.

    E em termos de União Europeia, estará a União já preparada, para o trabalho de coordenação policial, aquando do desaparecimento de uma criança ? Já vimos que não ...
    Está-se a trabalhar nisso agora, não é ?

    Vamos lá com calma, porque a polícia portuguesa não merece estar a ser colocada abaixo de cão, como é exemplo, alguns dos comentários aqui escritos.
    Embora eu respeite qq opinião, mesmo que seja o maior dos disparates. Uma questão de atitude ...

    ResponderEliminar
  13. "Porque é que os Governos desde o 25 de Abril nunca resgataram as Polícias da alçada da tropa e da má imagem que tinham no anterior regime ? Porque é que estes políticos xuxas e social xuxas e pseudo liberais xuxas e cumunas xuxas etc são uma fraude caucionada pela ilusão democrática e pela igreja católica ?"

    grande questão!responda quem sabe.

    ResponderEliminar
  14. Gaspar de Jesus1:19 da manhã

    Não é habitual em mim contrapôr aos comentários dos ilustres Blóguistas do Instante Fatal, e se hoje o faço é apenas para dizer à senhora cujo pseudónimo é PÉZINHOS NA AREIA ( penso tratar-se de uma senhora ) que respeito muito a sua opinião como respeito as opiniões de todas as pessoas, acontece que se calhar a senhora tem razão numas coisas e eu terei razão noutras, também posso aceitar que hajam policias que trabalham muito e outros que trabalham pouco, ou até pode acontecer que hajam alguns que gostariam de trabalhar mas não os deixam pelo simples facto de que isso ia desistabilizar o "sistema". Quanto à questão da falta de pagamento das horas extraordinárias, também acredito, pois vivi e trabalhei sempre neste nosso país, e mesmo sem ser policia nunca recebi um xavo pelas horas extra, e foram muitas ao longo de trinta anos, claro que acho isso uma coisa indecente, mas não deixei de me aplicar como se as mesmas me fossem pagas, mas depois no fim das contas já sabemos como é... pontapé no rabo igual aos outros. Mas o que eu acho que está "podre" á a INSTITUÍÇÃO POLICIA JUDICIÁRIA, e para ter algum tipo de fundamento o que atrás afirmo fui ao sitio da P.J. cliquei em pessoas desaparecidas e vi aquilo que já todos sabemos, os retratos das crianças lá continuam com as suas carinhas infantis... no entanto o tempo passou e hoje a realidade é bem diferente, senão vejamos - CLAUDIA ALEXANDRA, no caso de estar viva, tem hoje 20 ANOS - JORGE SEPÚLVEDA, se vivo fôr, tem hoje 30 ANOS - RUI PEDRO, Deus queira que esteja vivo, tem hoje 20 ANOS - RUI PEREIRA, se ainda estiver entre os vivos, tem hoje 22 ANOS.
    Mais animado que estou por saber pela senhora que a nossa policia já dispôe de meios e técnicos vou ficar à espera de que finalmente actualizem estes retratos.

    ResponderEliminar
  15. Sem dúvida, Caro Gaspar de Jesus, ninguém é dono da verdade.
    Poderemos apenas ter (ou saber) uma parte da verdade.
    E o facto de opinarmos sobre a opinião de uns e de outros, desde que o façamos com respeito e cordialidade, penso que será saudável, e certamente, iremos ficar a saber mais, que é o que interessa.
    A minha opinião baseia-se numa certa proximidade de conhecimento, por razões que pouco interessam, em relação à realidade policial.

    Diz o Amigo Gaspar de Jesus: "...até pode acontecer que hajam alguns que gostariam de trabalhar mas não os deixam pelo simples facto de que isso ia desistabilizar o "sistema"."

    Ora aí está uma grande verdade. E não se trata só de desestabilização, mas tb de interesses de grupo (vários).

    A PJ podre ?
    Será que o amigo Gaspar queria dizer:
    - O Estado está podre !

    Se calhar, enganou-se, não ?

    Com o devido respeito, os meus cumprimentos.

    ResponderEliminar
  16. Gaspar de Jesus4:49 da tarde

    PÉZINHOS NA AREIA contrapôe "o que está podre é a Nação". Estou perfeitamente de acordo !!!
    Retribuo os cumprimentos . G. J.

    ResponderEliminar
  17. Aqui não estou 100% de acordo!
    Este caso tem-me intrigado e só quando vir preto no branco que os gajos mataram a miuda é que acredito!
    Para mim a miuda foi raptada, há muito pedófilo à solta... (demais pró meu gosto) e movem-se nas entrelinhas se é que me entendes...
    abraço - CM

    ResponderEliminar