sábado, agosto 18, 2007

Querido, escolhi o blogue!

O Paulo Querido escreveu esta semana um texto sobre blogues.
Conheço o Paulo há 18 anos, desde os tempos em que era jornalista no Expresso. Chegámos a ir os dois a Madrid entrevistar o Futre- na altura em que ele tinha o célebre 944 amarelo!- onde dançámos noite dentro no Joy e acabámos a mudar uma roda do meu Alfa 33 em plena estrada Madrid-Lisboa às tantas da madrugada. Grandes tempos !
Considero-o um jornalista da geração online habilitado e foi por isso que o convidei para colaborar comigo no Expresso quando eu era editor multimédia, onde aliás mantém uma colaboração e um blogue. Ele mesmo já me deu aqui uma mãozinha de mestre no Fatal.

É evidente que um jornalista não pode ter o critério editorial num blogue como quando exerce a sua profissão. Esse é mesmo o maior desafio para um jornalista. Um blogue não é o escape daquilo que não se faz na profissão. Não. Um blogue é um confessionário pessoal, subjectivo, parcial, onde as regras éticas do jornalismo não estão em jogo. Claro que não é um objecto de comunicação sem regras morais e éticas, mas é sim um espaço pessoal, muito pessoal de opinião. Não vou deixar de ter um blogue porque sou jornalista, mas neste caso preferia não o ser. Dava-me mais jeito ser só arquitecto, por exemplo.
Por exemplo: pelo facto de eu aqui criticar Sócrates não quer dizer que quando o fotografo não o faça com a maior seriedade e com a preocupação de dar dele uma imagem que tenha a ver com o contexto em que o estou a fotografar e que sirva os interesses editoriais do meu jornal. As coisas não se podem misturar nunca. É como se houvesse vários heterónimos.
Entender isto é aceitar a democracia e a liberdade de expressão plenas. O que é por vezes arriscado e incompreendido. Talvez por isto alguns blogues de jornalistas são anónimos e até há um excelente e famoso ( que Querido não refere na sua lista) e que tem fama de ser escrito por agentes da Judiciária ! Sério!

12 comentários:

  1. Mais do que democracia e liberdade de expressão, o saber separar as águas é profissionalismo. Temos falta disso neste pais.
    Gostava muito de ler os artigos do Paulo Querido na Única, mas resolveram trocar-lhe a página por um par de linhas e agora já nem isso.

    ResponderEliminar
  2. ora, entre umas de fígado com cebolada e dois da Vidigueira eu não diria tanto em tão pouco. Haja saúde !
    (Patuleia)

    ResponderEliminar
  3. Fui ler o artigo do Paulo Querido Manha, e entrei em alguns blogues citados e fui encontrar o mesmo de sempre.Muito ressabio nos trabalhos dos jornalistas que andam à procura do protagonismo que não conseguem ter nas suas profissões.Não vale a pena !
    H´muita gente no mundo da bola que tenta ter algum protagonismo, mas são muito pobrezinhos!!! É como o LC diz : Querem agora fazer a revolução Maoista aos 50´tas depois de terem feito o pacto com o diabo e tem contribuido para o "lodo" que é a sociedade portuguesa e vêm-se ultrapassados pelas dinamicas dos mercados!
    Luis, ele nao falou no teu blog por inveja e os outros que vi são muito pobres e pertencem às figurinhas do portugal dos pequeninos . Como o teu fatal não vi nenhum à excepção do ABrupto do JPP .

    ResponderEliminar
  4. há bons blogues e os autores normalmente começaram por escrever na Net e depois foram convidados para a Imprensa. A maioria dos jornalistas da imprensa escrita faz o seu trabalho e pra lá disso não dão mais , por opção ou porque não são capazes.
    Como os blogues permitem criatividade e engenho e fantasia não são convidativos para os tradicionais jornalistas formados nas escolas da notícia pura e dura.

    ResponderEliminar
  5. talvez porque o LC ( L é com Z) não é redactor profissional sem tiques nem vícios dos que escrevem todos dias mais do mesmo, a coisa é viva e mais excitante...

    ResponderEliminar
  6. perde a fotografia sobre a qual LC tem pontos de vista muito limitados. Podemos perfeitamente desenhar girafas mas admirarmos os colegas que desenham elefantes ? né ? mas o LC é incapaz de ser isento na análise de quem não esteja dentro do canone da fotografia tradicional sobretudo jornalística.

    ResponderEliminar
  7. Isto é uma opinião muito injusta para comigo. Como editor tenho promovido as mais diversas tendências de fotojornalismo ( Jordi, Sandra Rocha,Alexandre Almeida, Brázio e muitos outros) com as quais não me identifico mas que reconheço muita qualidade. Portanto este comentário só pode vir de quem não me conheçe,é provocador ou cobarde porque não assina.

    LC

    ResponderEliminar
  8. Eu não tinha ideia que vocês, os fotografos , se picavam assim tanto!!

    ResponderEliminar
  9. vamos lá a descontrair!e pq hoje é sabado . mais vale um sabado na mão que uma sexta... que já foi

    ResponderEliminar
  10. Ora para provar que tenho razão, LC confirma o que escrevi
    "como editor tenho promovido as mais diversas tendências de fotojornalismo..." e
    1º) embora eu só reconheça uma tendência na fotografia jornalística a de noticiar
    2º) referi-me a outros modos de olhar..através do meio/fotografia, pnde realmente o LC não consegue vislumbrar ponta de interesse.
    Comparando com a pintura...como se a arte de utilizar pinceis e pigmentos e telas tivesse parado no Malhoa...e nunca tivesse passado pelo Malevitch.
    3º) e pelos vistos nem uma singela crítica se pode fazer a uma prima dona que logo se amofina, se ofende, ai jazus que não o conheço e sou cobarde porque não assino....pois bem aqui vai o meu nome...eu sou a Cindy Sherman, ahahaha ou preferes o Andres Serrano, vá fiquemos por Portugal.
    Chamo-me Luiz Carvalho

    ResponderEliminar
  11. pois é, poderíamos estar perante alguém ( até pela formação bastamente exibida ) que tivesse da fotografia uma noção menos restrita e portanto comercialona.
    Visto Lc parecer não estar apto ou não desejar debater o superior interesse do fotojornalismo sobre por exemplo a fotomontagem, remetendo-se para a vulgata "O meu pão é o fotojornalismo" e quem não gosta ou não estiver de acordo não é patriota nem é bom chefe de família,continuaremos os ruídos fotográficos mais do mesmo...ora ao invés de umas fotos da Annes a mostrar o rabiosque vamos tendo o Costa a abraçar o Zé, o Zé a abraçar o Costa etc ( porque não a Roseta a beijar o ´Ruben? foi censurada a foto? ) e as pepinadas que um fotógrafo de imprensa tal qual o de casamentos tem de matar para alimentar o Bentley.

    ResponderEliminar
  12. pelos vistos este lança-chamas que comprei ao cigano no Rossio é dos fortes....chamuscou o Lc todinhooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooo

    ResponderEliminar