sábado, junho 23, 2007

TESOURINHOS DEPRIMENTES DA NOSSA TV

Felizmente vejo pouca televisão. Mesmo assim tenho de gramar o Panda e começar o dia com o inefável Fantasminha saltitão, o levanta-te e canta do Avô Cantigas !
O cantor do fato-macaco à operário da Lisnave, voltou ! Ainda vamos ter de levar com a Maria do Amparo !

Hoje ao jantar vi telejornais.

Peça 1: uma repórter vai para a feira do sexo. Decide dar àquilo um tom sério. O velho preconceito de muitos jornalistas velhadas, retomado pelos novos (?): tem sempre de se dar uma volta aos temas óbvios, para não sermos acusados de tablóides.
Portanto, para não falar de sexo ( embora a promoção da peça tivesse imagens inacreditáveis para serem passadas à hora em que há crianças a ver) a miúda repórter põe João Alves Costa a falar durante uma eternidade. Costa é um velho jornalista do Popular e que a dada altura começou a publicar uns livros escabrosos sobre putas e bruxarias. Sempre teve um aspecto estranho e agora, coitado teve um AVC, e está ainda mais impróprio para falar na tv. Pô-lo no ar não dignifica o jornalista, cansa os espectadores e é sórdido. Mas a inteligência que escreveu a peça chegou ao ponto de o comparar a Woody Allen! Isto já não é ignorância, é estupidez pura, incompetência.
Quanto à feira do sexo não se viu nada...Nem quando o tema é bom as televisões sabem tirar partido das imagens e dos sons. Depois queixam-se que não têm audiência.

comentário de um leitor:

Nos seus tempos áureos, o João Alves da Costa teve momentos de grande e genial caudal literário criativo. É verdade que fui seu colega de redacção e sou seu amigo, mas devo recordar que JAC, baterista do Jets na década de 60 (recordam-se?) e co-autor de Vila Faia, foi, na década de 80, o escritor português que mais livros vendeu... As fatalidades que diminuíram a saúde do escritor e ex-jornalista de A BOLA devem, de facto, ser consideradas quando hoje se referencia o afável e amigo JAC.


Peça 2: manifestação gay. Estive lá ( em trabalho !) e aquilo dava tudo para uma excelente reportagem de televisão. A manif. até passou frente a um casamento chique que estava a sair de uma igreja do Chiado. Que se viu na reportagem? : umas imagens farçolas com tripé, ao longe, com teleobjectiva, sem emoção, sem som directo capaz. Uma peça sem sensibilidade, nem sentido de nenhuma espécie. Como resolveu esta outra inteligência jornalista construir a peça ? Pôs uns chatos a dizerem umas balelas politicamente correctas, entremeadas com imagens para encher chouriços. Se isto é televisão, vou ali e não volto.

Peça 3: um directo de um barco no Douro onde estão figuras como Rui Rio. A jornalista entra em directo, atira fora o auricular, diz banalidades, põe Rio a debitar, a câmara faz uma inexplicável guinada para a esquerda, corrige o diafragma, fica ali a tremer a olhar o rio, o câmera não sabe o que fazer ( tem medo que a cãmera lhe morda!) volta a fazer uma panorâmica e já está outro cromo a debitar. Isto é televisão ? Vêm a BBC fazer destas barbaridades ?Não há realizadores ?

Obrigado David por me obrigares a ver o Panda. Até o Fantasminha saltitão consegue superar esta televisão feita com as patas.

PS: Ainda vi o meu amigo e ex-colega no Expresso, Carlos Magno, a abraçar Pinto da Costa. Viva o Puerto carago, Carlos ! Mas também não havia necessidade da cena.

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  2. Professor,

    nos seus tempos áureos, o João Alves da Costa teve momentos de grande e genial caudal literário criativo. É verdade que fui seu colega de redacção e sou seu amigo, mas devo recordar que JAC, baterista do Jets na década de 60 (recordam-se?) e co-autor de Vila Faia, foi, na década de 80, o escritor português que mais livros vendeu... As fatalidades que diminuíram a saúde do escritor e ex-jornalista de A BOLA devem, de facto, ser consideradas quando hoje se referencia o afável e amigo JAC.

    Um grande abraço

    ResponderEliminar
  3. é facil dizer mal

    o joao nao tem nada a ver com isto ! a reportagem estava mal filmada (so se via o cucuruto da cabeça) cortada o que dava a impressao que ele nao dizia coisa com coisa ! com entrevistas destas realmente nao ha cu que aguente !
    putakeospariu mais valia estarem quietos !

    um abraço joao !

    abc

    ResponderEliminar