sábado, junho 16, 2007

Cavaco, levanta-se e anda


Por vezes são as pequenas derrotas que originam as grandes derrotas. É como nos casamentos: não são as grandes zangas a provocarem a rotura, por vezes basta a gota de água que faltava para fazer transbordar o copo da paciência.

Sócrates está nesta fase. Os portugueses têm tido uma paciência de santo. Suportaram a grande mentira de ter prometido não subir impostos e de o ter feito. Foi uma traição canalha ao eleitorado.

Prometeu 150 mil postos de trabalho, conseguiu que Portugal fosse o pais da UE com maior taxa de desemprego a seguir à Polónia.

Falou em crescimento e somos o país da UE que menos cresceu em percentagem e o que crescemos foi à custa dos empresários e da conjuntura europeia.

Queria menos funcionários públicos e aumentou o número, quando quis dispensar gente a mais chegou à conclusão que se tinha enganado e recuou, caso do Ministério da Agricultura.

Prometeu mais liberdade de expressão e o seu ministro da propaganda Augusto Santos Silva quer amordaçar as televisões e os jornais através de uma entidade reguladora, pior que a antiga censura dos coronéis da Legião.

Por ano saem do país milhares e milhares de portugueses emigrantes, mais que nos anos 60, onde encontram muito melhores condições de trabalho ( basta irem para Espanha como o fizeram já 300 instrutores de condução).

A saúde tornou-se mais gastadora mas o remédio foi um veneno chamado plano para encerramento de urgências e maternidades que já custou vidas a portugueses, contribuintes e inocentes. Uma vergonha nacional que nem os governos mais liberais se atreveram a tramar!

Conseguiu em 2 anos destruir as bases da segurança social de um Estado democrático, em nome da sustentabilidade que afinal não é mais do que o fim das reformas a que tinham direito os que descontaram forte durante uma vida. Só no México o governo conseguiu ir tão longe nesta contra-revolução social.

Acabou com a Caixa dos Jornalistas numa atitude demagógica contra uma classe que inacreditávelmente continua a apoiar as medidas mais obtusas de um governo dito de esquerda.

O ensino entrou em roda livre com os novos pedagogos do Ministério que acham que os alunos não têm que ir às aulas, escrever correctamente português e saberem de matemática. Quando um primeiro-ministro tirou um curso de engenharia na Farinha Amparo é natural que essa cultura da balda, do facilitismo e do deixa-andar se reflicta na politica nacional de ensino.

Nestes dois anos não vejo uma medida que tenha beneficiado um português e que tenha lançado os alicerces para um futuro baseado no saber, na excelência, na qualidade, na responsabilidade, na segurança do Estado Social, no respeito pelos contribuintes.

Pelo contrário: aumentou a ditadura fiscal, os portugueses pagam até mais não poderem para um Estado gastador, para uma classe politica eleita que não dá cavaco a ninguém, não presta contas a ninguém, nem sequer aqueles que os elegeram directamente. Os deputados nem sequer prestam contas aos que os elegeram pelo seu circulo uninominal.

Agora Sócrates está mais só.
Perdeu a batalha da Ota, vai perder o TGV e quando acordar da Presidência europeia vai ter um ano para dar benesses, contentar funcionários públicos, passar a mão pelo lombo aos pobrezinhos e à pequena burguesia fácilmente comprável com meia dúzia de ofertas, nem que sejam electrodomésticos !!..

Com o acordar de Cavaco é agora a vez de se assistir ao que se previa: Cavaco, tal como aquelas mulheres que se calam em público e obedecem, lá em casa quem manda são elas. E Cavaco tem sabido muito bem aproveitar os vazios de poder, as hesitações, as fragilidades de Sócrates que afinal são muitas.

Não votei Cavaco mas só pela capacidade que está a mostrar de poder refrear as tontisses do engenheiro (!) já merecia o meu voto.

Caldos de galinha e bom senso nunca fizeram mal a ninguém e este país precisa de seriedade e bom-senso e não de políticos que querem fazer do narcisismo do Poder a sua marca.

Jamais! Jamais!


PS: Charrua e Balbino unidos na desgraça

O facto do professor Charrua ter sido crucificado por causa de umas bocas de carroceiro e a noticia de ontem de que Balbino, o homem que originou o escândalo à volta do curso de engenharia patrocinado pela Farinha Amparo, fez dele um arguido, são demasiado tristes e mesquinhas para se acreditar que venham de dirigentes politicos com alguma dignidade e sentido do Estado Democrático.
São acções que chateiam e humilham quem é visado, e mancham a superioridade de quem as desencadeia.
Provam que há uma bufaria socialista em acção e que Sócrates faz de cego, surdo e mudo perante uma cãozoada de lacaios.
Isto não é grave, é gravissimo. Aqui o Senhor Presidente vai ter também que apagar este fogo.

3 comentários:

  1. As férias estão a fazer-lhe mal...

    ResponderEliminar
  2. Cada povo tem o que merece.Mas cuidado Luiz, com esta gente o Luiz ainda vai parar a tribunal ou perder o emprego.

    ResponderEliminar
  3. Continua Socrates. O melhor primeiro ministro que Portugal já teve anda a causar comichões a muitos cegos facciosos.
    Endireita aquilo que Durões e Santanas estragaram: e é isto que lhe doi Luiz. A cegueira partidária não o deixa ver para além da sua cor política.

    ResponderEliminar