sábado, abril 29, 2006




Alentejo em flor

Os campos estão verdes, verdes, com matizes de amarelos e roxos, a perderem de vista. Percorro estradas desertas. À beira da barragem do Divor, num caminho ladeado de flores e silêncio.
Bendito 1º de Maio e a ponte que permite.
Louvado seja a alma deste Alentejo.

Portugal apetece quando o tempo pára, o Sol desponta e a natureza reina.
Isto talvez prove que não é Portugal que é mau. O que é mesmo de evitar são os portugueses.

Vasco Pulido Valente na sua crónica de hoje no Público remete para esta malvada ideia: não temos emenda e já o Eça tinha razão.

Talvez por isso vá ver hoje “O Crime do Padre Amaro” com a incontornável Soraya Chaves. .Na SIC, quando as crianças já sonham com o Noddy

Nada de sexo, só puro prazer literário.

Banqueiros, carentes e pirilampo mágico

O vício de ler jornais não me larga. Para já não falar dos meus “zapping” permanentes na net. Entre a madrugada e esta hora de sesta já lá vão alguns quilos de papel a passarem pelos olhos.
Feito um mixing na minha cabeça, algumas notícias e alguma opinião avulsa me marcou.

Cavaco ainda é citado e comentado pelo seu discurso no 25. Para os embirrentos do Expresso, a manchete do meu jornal foi ao lado. Não é verdade. Cavaco referiu, embora timidamente, o comportamento irresponsável dos deputados e políticos.
Cavaco gosta de contrariar e criar tabus. Não se percebe se é por génio se por timidez. No mínimo há uma incoerência gritante no seu comportamento: andou a cantarolar a Grândola Vila Morena quando angariava votos, agora recusa o cravo na lapela. Eu até acho bem que a gente se deixe desse tipo de palhaçada mas então não usemos os ícones do “reviralho” quando está em causa um punhado de votos.

Mas o que mais me irrita no discurso de PR é que vindo de um homem sábio em macro economia, e que insistia quando estava a tomar balanço para ser candidato à presidência, que era apenas um professor de economia, sem pretensões políticas ( se isto não é cinismo, não sei o que será) venha agora como figura cimeira da nação dizer banalidades.

Já sabemos que sem crescimento económico não há repartição de riqueza.
Isso até eu sei. Quer um pacto para ajudar os carenciados ? O quê ? Quer sessões de chá caritativas ?

Pelo menos a primeira dama já deu sinais de ajuda nesta política: vai patrocinar o Pirilampo Mágico.

Se virem o carro da presidência com um pendericalho no retrovisor não estranhem: é o pirilampo mágico.

Esperamos que a seguir venham os reposteiros nas janelas do palácio



Entretanto o Wall Street Journal veio esta semana dizer que a administração do BCP ganha fortunas descomunais à custa dos lucros dos accionistas. Claro que a administração do BCP considerou a noticia despropositada. Pudera !

A verdade é que os rendimentos dos administradores podem ir até aos 10 por cento, e caso a OPA sobre o BPI se concretize arrecadarão mais um verdadeiro balúrdio.

Os lucros acumulados da banca só no primeiro trimestre deste ano já vão ao rublo. Num país endividado, saqueado pelos impostos, encarecido pelo monopólio de empresas como a PT e a BRISA ou a GALP estes lucros descomunais não podem deixar de escandalizar. Podemos dizer: “É a economia estúpido!”: quando a banca dá lucro é porque a economia não está saudável.

Esta semana os combustíveis voltaram a subir. Uma vez é a Galp, outra vez é o governo que ainda quer mais imposto. Um delírio.
A ideia lançada na Internet de fazermos greve ao consumo de gasolina é uma boa ideia.

A notícia de que a BRISA perdeu utentes e teve menos lucro é sempre consoladora. Mas não impede que o seu lucro anual ultrapasse os 250 milhões de euros.

Gostava de saber o que pensa o professor Cavaco disto e já agora o engenheiro Sócrates também nos podia explicar se estas empresas com estes lucros não deveriam contribuir mais, muito mais, para a segurança social.

Não nos esqueçamos que o BCP despede funcionários à medida que engorda e que quanto mais gente despede, mais ganha, e menos contribui para a segurança social.

Esta política pode não ser muito católica mas a verdade é que a realidade nem sempre tem de seguir os dogmas da fé.



Ministra recua com João Bénard da Costa


Afinal Isabel Pires de Lima veio dizer que a partir de 1 de Julho reconduzirá João Bénard da Costa na direcção da Cinemateca.

Valeu a pena o coro de protestos.

A opinião pública é a democracia e a Internet uma das suas artérias principais.

1 comentário:

  1. Olá Luiz,

    Finalmente presente na Blog 'esfera era só mm o que lhe faltava.

    Estou tristissíma agora que tinha começado a ler as susas crónicas é que o mudam de novo para a Fotografia não acho nada correcto!

    Temos de combinar um almocito (embora agora vc tenha a sua agenda mais complicada) para a conversa ficar em dia, aproveito eu levo a m filhota e vc a s máquina que tal??? O tempo tá a ficar fantástico uma qq esplanada à beira rio é sempre convidativa!

    Beijocas
    Sandrinha
    (Ex-secretária Expresso)

    ResponderEliminar