sábado, dezembro 18, 2010

O PREC dos patrões e da Dona Merkl !

A forma ardilosa e matreira como se vão destruíndo os direitos do Estado Social, conquistados a ferros durante os últimos cinquenta anos, é um escândalo. E uma vergonha sem fim.

A manha instalou-se no governo, nos sindicatos e no patronato. Veja-se a recente ideia de mexer nas indemnizações pagas a quem é despedido.

Primeiro não se disse que eram só para os futuros contratos. Parecia que era para todos. Quando a coisa já estava aceite, sem grande contestação e com João Proença já com as calças em baixo, como sempre, veio dizer-se que os que agora estão sob contrato, não veriam ajustados o valor das indemnizações.

Mas dois dias depois, como a medida não foi contestada, já deu para ir mais longe. Afinal, os que já têm contrato também serão penalizados.

Claro! Não serão reduzidas as indemnizações...apenas a forma de cálculo. O cinismo não pode ser maior. E a falta de carácter político de Proença, a verdadeira cremalheira do Partido dito Socialista, não pode ser mais amarelo e traidor. O senhor dos Passos não faria melhor!

Estamos perante uma situação que até agora nunca tinha sido muito contestada pelo patronato. Por razões práticas.

Isto é: as actuais indemnizações permitem a qualquer patrão despedir individualmente sem justa causa, sendo que, a causa evocada para passar a ser justa basta que utilize um dos vários items que o novo código do trabalho introduziu, também com a total anuência dos sindicatos.

Para o despedideiro é bom negócio despedir: poupa na segurança social, poupa na troca do despedido por um aprendiz a soldo baixo, e até pode deduzir no IRC a "despesa" que teve ao ver-se livre de um empata. Portanto: pagar mais uns tostões até pode compensar.

Não compensaria, se tivesse de indemnizar também a segurança social pela perda de entrada de contribuição e não tivesse de deduzir um despedimento como uma despesa. E não compensaria, se uma empresa com lucro, tivesse de ser penalizada com despedimentos, para aumentar os lucros e a distribuição de lucros pelos sócios e acçionistas.

O que é notável, e mostra bem os tempos de falta de contestação e de amorfismo em que vivemos, é o facto de as medidas penalizadoras serem feitas à semana. Ora, isto cria uma instabilidade sem preço na sociedade e faz com que o Estado seja cada vez mais um gangster pronto a assaltar o cidadão na sua carteira e nos seus direitos.

Assistimos à falta de política em favor da engenharia financeira. Exactamente o que levou o Mundo ao estado em que está. Meia dúzia de medidas da treta, que não fazem avançar a economia, mas fazem encher o ego de um patronato troglodita, montado em carros topo de gama e em contas blindadas no estrangeiro, são suficientes para a Dona Merkl achar que o país vai no bom caminho.

Portanto: para a semana quem tem agora contrato de trabalho vai passar a receber menos em caso de despedimento e daqui a 15 dias não recebe nada.

É o PREC dos patrões.

5 comentários:

  1. Nunca se foi tão longe nas politicas anti-sociais e quando se falava no capitalismo selvagem é uma brincadeira comparando com o terrorismo financeiro que tomou de assalto os governos europeus.
    A subserviência do nosso governo é do menino mal comportado mas que faz tudo para ser o bonzinho...
    O Povo precisa mesmo de acordar porque há um País...

    ResponderEliminar
  2. "...como pode um homem carregado de filhos e sem fortuna alguma, ser poeta neste tempo de filhos da puta e de putas sem filhos..."
    JORGE de SENA

    ResponderEliminar
  3. Os portugueses não podem deixar de se preocupar que o Estado tenha tanto rigor a reavaliar as prestações de Subsídio Social de Desemprego e de Rendimento Social de Inserção, de cidadãos que bem gostariam de trabalhar, enquanto esse mesmo Estado paga vencimentos a quadros superiores que não trabalham, alimentando o buraco negro do BPN (que já vai em 4,7 mil milhões).

    Boas Festas, meu caro arquitecto!

    ResponderEliminar
  4. Repugna imenso estes ouvir estes nojentos, todos os dias nos meios de comunicação....
    Conheço pessoas com 30 anos de Educação Infantil nas creches da C.P.Agora que pretendem privatizar certas linhas, querem despedir as pessoas sem lhes pagar???Metem pessoas com 55 anos na rua, por meia pataca?Será que ninguem vê, que estão a ser criados mais uns "GABINETES", PARA LÁ COLOCAREM OS DIRECTORES E GESTORES QUE ANOS A FIO LIXARAM AQUELA EMPRESA???Até quando, é que esta malta aguenta?São os que estão em baixo, que pagam as favas?Como dizia o outro : já agora privatizem a P. QUE OS PARIU! L.R.

    ResponderEliminar
  5. Caro Luis, acho que esta a ser injusto com a cgtp.No resto estou de acordo com tudo.Vivemos num País de amorfos onde cada um pensa no que poderia roubar se lá estivesse.
    Bom ano.
    Vasco

    ResponderEliminar