domingo, setembro 05, 2010

O tempo de antena de Carlos Cruz e companhia....

....ou o silêncio dos inocentes.

Não conheço uma pessoa dos vários extractos sociais e culturais, e são muitas, que não estejam indignadas com as declarações e com o tempo de antena que têm tido os condenados na 1ª instância do Processo Casa Pia.

E a maior revolta vai para aquele que já disse numa entrevista recente que gostava de fazer bluff quando era apresentador de concursos para idiotas (a designação é minha, claro). É sobre CCruz que recaem as maiores críticas.

As pessoas não percebem como pode um tipo daqueles ter o tempo de antena que tem, ir a telejornais sem ser confrontado pelos pivots por aspectos em que devia ser inquirido.

O ex-astro da TV ameaça o sistema judicial, evoca noções tão nobres como a liberdade, já fez de sociólogo a caracterizar o comportamento de alguns putos casapianos, chora, entremela a voz, olha para baixo, faz de vítima. Por seu lado o seu advogado Sá Fernandes dá-se ao luxo de ofender a juíza do caso e vem no telejornal seguinte falar em período das trevas, fazendo-se de advogado não do Diabo mas de um santo Antoninho qualquer. O mesmo advogado que há pouco tempo montou uma encenação para apanhar um empresário em flagrante delito. Uma figura tão lamentável como o seu irmão que empatou um túnel que custou uns milhões aos contribuintes. Depois os idiotas dos eleitores elegeram-no para a CML onde mantém um staff de luxo para decidir enormidades, uma delas o aumento brutal na hora de estacionamento em Lisboa.

O que revolta o povo é saber que se pode injuriar a justiça e que há cidadãos nesta terra que podem vir defender-se à TV, serem manchetes em jornais em sua defesa e que milhares de portugueses injustiçados não têm direito nem a um minuto de lembrança.
O Processo Casa Pia foi longo, e será,  mas conseguiu fazer-se justiça.

Havia 32 testemunhas, muitas não se conheciam entre si, que fizeram depoimentos com factos idênticos, descrevendo as mesmas pessoas. As testemunhas deram a cara, juraram em tribunal.

O Ministério Público fez uma investigação detalhada com cruzamento de datas, uso de  telemóveis, vias-verdes, cartões de crédito. Ouviu mil testemunhas e no fim decidiu condenar 6 dos 7 arguidos. A estalajadeira de Elvas só não foi condenada porque os socialistas andaram a mudar o código penal e a lei para facilitarem casos como este da Casa Pia.

António Costa quando chegou a Ministro da Justiça, depois do camarada Pedroso ter estado preso, resolveu alterar pormenores que deram folgo aos arguidos. E estes arguidos foram muito beneficiados com essa lei.

O que está agora em causa é o respeito pela lei e o respeito pela justiça. Se todos os condenados tivessem o comportamento do enterteiner CCruz isto entraria numa República das Bananas.

Mas também temos de admitir que a imprensa e as televisões têm uma pesada responsabilidade. Dão voz a quem vende. Não dão voz a quem não tem nome.

Uma imprensa e televisão que dão força aos fortes e silêncio aos fracos.

2 comentários:

  1. O mais engraçado é que esses pedófilos ainda passam um atestado de incompetência e diminuição mental a todos os técnicos (inspectores da PJ, médicos, Juízes)envolvidos no processo de apuramento dos factos e ajuizamento sobre os mesmos. O demente mental do Sá Fernandes devia era ter ouvido voz de prisão da juíza Ana Peres por desrespeito ao Tribunal e a seguir mandar os filhos dele para a Casa de Elvas passarem férias com o Carlos Cruz e Companhia...

    ResponderEliminar
  2. Meu amigo concordo inteiramente consigo. É realmente uma vergonha, mas todos sabemos que a nossa comunicação social (pelo menos alguma) continua mais interessada em audiências do que em fazer um jornalismo intelectualmente honesto. Depois o senhor televisão, durante anos teve muito poder lá dentro e não duvido que mantenha alguns dos seus "amigalhaços". No que diz respeito à nossa justiça e sobretudo, Ministério Público também teria muito a explicar. Todos sabemos que se não fossem as alterações feitas, a demora (intencional do processo - quantos juízes, mudanças de advogados dos arguidos, etc.- existiram?) nem a dita senhora, nem a forma como o Paulo Pedroso saiu da "estória", nem muitas outras figuras do PS mencionadas inicialmente, foram desaparecendo, seria assim tão ligeirinha. Para isso lá foi havendo alterações à lei, que o sr. Ministro se encarregou de tomar de forma tão rápida. Dos manos Sá Fernandes, não falo. O Luiz já disse o que havia a dizer. Quanto ao ter-se feito justiça... não sei se ele não passará apenas do papel. Com todo o tipo de recursos, a morosidade que se consegue "dar" aos mesmos" não duvido que o processo venha, "lamentavelmente", a prescrever, para vergonha do país. Nini

    ResponderEliminar