sexta-feira, janeiro 29, 2010

iPad, a segunda revoluçaõ digital.

O que se vai poder fazer com o iPad vai mudar ainda mais os nossos hábitos e muito as nossas vidas. É a continuação da revolução digital que muitos fingem ignorar, ou porque não lhes dá jeito nenhum, porque vai por em causa Poder, ou porque já não têm idade nem pachorra para mudanças.

Imaginem ligarem o iPad entrarem na Amazon e passados segundos um livro que há muito procuravam está ali disponível. Por um preço muito mais acessível e na hora. Depois pensem que esta edição online pode ter extras como vídeos, sons, links para temas semelhantes.

Pensem como podem ler um jornal confortavelmente, numa edição que pode estar a ser actualizada ao minuto, com um conceito editorial multimédia. Não um jornal em papel transposto para a internet com uns videozecos ou umas fotogalerias para entreter, mas um jornal concebido com a linguagem e as ferramentas da internet: links, infografias multimédia, vídeos de qualidade superior, fotojornalismo onde as imagens informem e sejam de qualidade fantástica, com boa impressão e vistas num tamanho quase A4! Um sonho.

Quem vai querer ler depois um jornal em papel, enfadonho, palavroso, com fotos borradas, escolhidas à lei da coluna, quando pode ter no iPad tudo em bom, sem sacrificar a qualidade dos textos de fundo, das crónicas, das reportagens ? Só quem for casmurro e não estiver interessado em usar as novas ferramentas. Quem pode resistir a um objecto amigo que dá música, filmes, está ligado ao Google Maps, tem mail, internet e serve de placa para aquecer o almoço? (esta última parte é a brincar, claro. Mas lá iremos!).

Não sei se vamos ser mais felizes. Mas que estamos a entrar num mundo novo que ninguém duvide. E os velhinhos modernos, que acham ter garantido o posto só porque mandam mas bocas no Twitter ou no Facebook é bom para eles que percebam que a conversa já é outra. Nada incompatível com os clássicos, mas incompatível com a velharia.

2 comentários:

  1. Eu até posso concordar com o acima escrito...mas
    Esse iPad, tem CHEIRO? EU só pergunto isto, porque estou a comer um queijo da Serra, que é uma maravilha...e ainda tenho alguns queijos no frigi, que mandei vir da Amazon, ops, peço desculpa, do Jumbo e não é que estes tinham tão boa "apresentação", e inté eram Magros e fresquinhos, logo fazem bem "ó colestrólex", nè? Dass, amanha vou ao meu livreiro,ops, merceeiro, CHEIRÁ-LOS E COMPRÁ-LOS….ai é tão bom ser “velhinho”,não é?Mas com olfacto.L.R.

    ResponderEliminar
  2. Tem razão. Mas... Nada me dá maior prazer do que namorar um livro antes de o comprar. Apalpá-lo. Não a si, mas ao livro, bem entendido.

    Já basta ter deixado de saber escrever sem ser no teclado do computador. E eu que tinha uma caligrafia linda. E porque deixei de comprar jornais e revistas por serem uma mera caixa de ressonância da agência Lusa e de alguns blogs. Todos. Apenas lendo artigos de opinião para cujos colunistas tenho hiperligações seleccionados nos Favoritos.

    E eu nem sou contra as novas tecnologias, bem pelo contrário. Mas apenas dependo delas quanto baste, sempre com objectivos práticos. Não podendo, hoje, separar-me do portátil, onde recebo todo o correio que antes recebia em papel, onde faço os pagamentos da água, luz, telefone, etc., e uma ou outra compra.

    O que acaba por ser um drama porque se perco a informação ou me fanam o computador é uma grande foda. Como, aliás, me aconteceu há uns meses, obrigando a que hoje não facilite na protecção com um bom anti-vírus e com cópias de segurança da informação que trabalho, que tenho que fazer uma vez por semana, pelo menos. De tal forma que a pen onde guardo a informação é que se fossem as cuecas que tenho, ou devo, usar todos os dias.

    Portanto, para já, o IPad que vá passear, que tenho mais onde gastar o dinheiro.

    JJ

    ResponderEliminar