terça-feira, dezembro 15, 2009

Com CO2 ou sem ele o destino está-nos traçado


Um programa que passou há dias discretamente no Canal 2, explicava com palavras sábias de cientistas sérios, que o aquecimento da Terra foi brutal no fim da Idade do Gelo. E esse cataclismo que fez diminuir significativamente a área útil da Terra, fazendo com que os oceanos engolissem parte dos continentes, nada teve com CO2, como se calcula. Nem com motores V12::)

Com palavras simples e exemplos eficazes esses cientistas demonstravam como a Terra não é um objecto estático e que está ligado a todo o sistema em que está inserida. E as conclusões a que chegavam esses cientistas era que pela ordem natural das coisas o nosso querido Planeta acabaria por sofrer transformações apocalípticas daqui a uns milhares (não muitos) de anos.

O degelo tem sido um fenómeno crescente, de tal forma que há uns milhares de anos atrás toda a zona do hemisfério a Norte de Nova York (actual claro) era um manto de gelo até ao Polo. Mais: o fenómeno do equilíbrio ambiental na Terra era de uma frágil sustentabilidade. Poderia haver um período de lenta transformação climatérica que de um momento para o outro poderia ser brutal. A História do Planeta Terra é uma história de mutações gigantescas, fora da escala humana, imprevisível e..inevitável.

Toda esta retórica à volta do clima e das consequências das emissões de CO2 podem até ter um fundo razoável de razão. Mas a grande questão é que não é possível haver um Mundo sobrepovoado e minimamente civilizado, no sentido do conforto e da segurança, sem se evitar a alteração do equilíbrio ambiental. Com carros a fumo ou a pilhas, com casa de painéis solares ou com chaminés a bufarem calor, o Mundo limpo é incompatível com qualquer tipo de sociedade avançada. Podemos minimizar, tornar tudo mais lógico, limpo e racional. Mas o destino está-nos traçado nas estrelas.

3 comentários:

  1. Portugal está e sempre esteve cheio de cientistas!!!

    Agora vem esta história das alterações climatéricas para submeter os varios paises ou estados a uma governação global.

    E logo vêem os cientyistas uns do prós outros do contra a mandarem larachas !!!

    O problema é politico e não cientifico , meus meninos !

    As Nações Unidas foram criadas para atingir o desiderato de acabarem com a soberania dos varios paises e submetê-los a um poder único, logo que o Hitler fracassou esse objectivo pela guerra e genocideo nas câmaras de gás.

    Esta tarefa foi desenhada para ser concluida em decadas e neste momento estamos na parte final.
    O Tratado de Lisboa faz parte dessa jogada!
    As alterações climatéricas servem para submeter os varios paises no mundo, sobretudo os da Europa Ocidental, Japão e EU, a um tratado , que de na sua essência é a perda total da sua soberania sobre as terrras, mares , lagos rios e o próprio ar .

    Assim como os vários Ministérios de Saúde, perderam soberania sobre os cuidados de saúde dos seus paises, quando se decretou o nivel de pandemia 6 , que obriga os varios governos a cumprirem as deliberações nas NU ( OMS ) , neste caso presente da gripe das aves.

    Estas coisas globais são autênticas fraudes que servem apenas para vergar os joelhos aos diferentes povos e soberanias, o sentido da nova ordem mundial, Novo ordo Soclorum.

    O Luiz está um bocado velho para perceber isto e também é demasiado convencido e quando a coisa fica muito complicada , refugia-se no chavão da Teoria da Cosnpiração.

    O que é certo é que muitas vozes se levantam contra estas congeminações diabólicas e cada vez são mais as pessoas que despertam deste adormecer que os vários governos submetem os seus cidadãos, nomeadamente , com o control total dos média, control dos programas das escolas e universidades, control dos partidos e outras organizações não governamentais e control ate da justiça.

    Vejam que no caso da gripe Suina, as vacinas foram para o lixo e já muita gente se questiona sobre todas as vacinas em geral , se não serão uma forma de control populacional !!! Não podemos estar contentes, porque ainda assim sairam dos nossos bolsos 50 milhões de euros para a Novartis , Glassosmithandkline e a Baxter . Tudo gente de bem !!!

    Rapaziada o Luiz tira boas fotografias e é um cientista Português !:)

    ResponderEliminar
  2. Li há algum tempo um artigo de jornal e vi um programa de TV análogo ao que o LUIZ refere; em ambos é explanada a ideia de que "a Terra não é um objecto estático e que está ligado a todo o sistema em que está inserida",o sistema solar, que por sua vez faz parte de mais uma galáxia entre todas as que povoam o Universo conhecido.
    Apesar de este ser o NOSSO PLANETA temos que deixar de pensar nele como sendo o centro do Universo.

    ResponderEliminar
  3. Que a Terra já foi muito mais quente que hoje, não restam dúvidas. Há mil anos, a Gronelândia era uma ilha de verdejantes pastos, hoje, os esqueletos dos vikings estão enterrados a várias dezenas de metros de profundidade no permafrost. Nesta época havia palmeiras no círculo polar Árctico. Temos ainda as marcas deixadas nas escarpas pelo nível do mar, dezenas de metros acima do nível actual.
    A generalidade dos geólogos está convencida que, noutras épocas mais distantes (por exemplo à cerca de 10 mil anos), a Terra também já foi muito mais fria que actualmente. É possível, apesar da colossal quantidade de gelo que cobre actualmente o continente antárctico e teima em aumentar de forma mais ou menos contínua
    De qualquer forma, todas estas alterações ocorrem sem afectar significativamente as espécies à superfície, que se vão adaptando cada vez melhor, uma das excepções parece ter sido a dos dinossauros (que se extinguiram há 60 milhões de anos), no entanto, tal parece não se ter devido ao arrefecimento profundo que se verificou, pois outros répteis sobreviveram.
    Não vale a pena “tanto pessimismo”. Em termos climáticos, à escala da vida humana, ou mesmo em centenas de anos, as alterações são tão insignificantes que podemos dizer que “no passa nada”.
    Já em termos geológicos, o sacana do abalo sísmico tirou-me o sono. De manhã ninguém me atura.

    ResponderEliminar