sexta-feira, agosto 14, 2009

Meio milhão de desempregados e Sócrates rejubila!

Ultrapassámos a barreira do meio milhão de desempregados, 9,1% de desemprego. É de esperar um valor ainda mais alto. As nossas empresas abanam e as exportações diminuíram 30 por cento. Espanha, que é o nosso destino de eleição para exportar, continua em recessão técnica e o desemprego atinge lá os 17 por cento (de cor).

Portanto: não é preciso ouvir as palavras sábias de Medina Carreira, para percebermos que não vai ser fácil abrandar a nossa maior chaga social: o exército de desempregados, muitos deles (30%?) que nem sequer têm direito a subsidio, logo nem contam para as estatísticas!

Perante este drama, que não pode ser só imputado aos governos, que faz Sócrates ? Despe o blaser de mil euros e falando para a sua gravata de seda tem a suprema lata de humilhar os mais desgraçados do país. porque o INE revelou uma estatística que dá Portugal com 0,3% de crescimento, tendo ainda um déficit de 3,7 relativamente ao mesmo semestre de 2008!

Sócrates faz esta rábula em nome da ganância do voto, da pérfida política laboral, mente em nome de um desígnio mesquinho: voltar a ser o primeiro-ministro de Portugal.

O que Sócrates ainda não aprendeu, nem irá nunca aprender, é que os portugueses já só se riem perante esta sua lata suprema.

Os sem emprego devem apetecer insultá-lo, a classe média vingar-se na hora do voto, os empresários declararam lay-off e irem investir em países decentes. Fica um grande sentimento de revolta. O engenheiro dominical podia pelo menos neste tempo de esperança ser directo:" o pior pode ter passado, mas vamos ter que trabalhar, produzir, investir, seguir em frente, embora isso não vá poupar ninguém. Não. O Obama de Castelo Branco prefere animar a malta. Dar, se possível, mais uns Magalhães, uns trocos, uns subsídios e carregar um pouco mais nos rendimentos da classe média que trabalha e que tem no seu ordenado a recompensa de uma vida séria, profissional.

Sócrates prefere a mentirola, a manobra, o odioso marketing, à verdade.

Não passará!

1 comentário:

  1. Sócrates leu este imagético pedaço de prosa,e sabem o que aconteceu?
    Rasgou em pedacinhos o blaser de mil euros,depois tentou enforcar-se na gravata de seda,valeu a pronta intervenção de segurança para o evitar.
    Como ficou a saber que "NÃO PASSARA" partiu desesperado a pé para Fátima!!!

    ResponderEliminar