quarta-feira, agosto 05, 2009

As tampas da solidariedade civil contra o Estado

Uma enfermeira solitária do Hospital Garcia da Horta, Almada, a trabalhar num serviço de crianças paraplégicas (o mesmo em que Ana Jorge foi directora com muita competência) no auge do seu desespero, para poder ajudar doentes necessitados, percebeu que juntando tampas de plástico perdidas poderia fazer dinheiro com isso. Mobilizou colegas, amigos, mais tarde desconhecidos de todo o país, encontrou um comprador para o material recolhido, e nasceu um milagre!

O movimento cresceu sem parar. A jovem enfermeira deixou a liderança e hoje o movimento anda por si, permitindo até agora a compra de mais de duzentas cadeiras de rodas para doentes pobres.

A história foi contada há pouco na TVI24, repórter Alexandra Borges, um excelente cameraman que não fixei lamentavelmente o nome, e deixou-me comovido com esta magnifica sociedade civil, e revoltado com este Estado Social.

Uma das cenas mostrava (de uma forma discreta como raramente se vê em televisão) uma mãe no país rural, com um filho entravado há 21 anos numa cama, e que teria alguma qualidade de vida, com o mínimo de dignidade, se pudesse comprar uma cadeira especial que custa 7500 euros. Verba que nunca terá porque a segurança social diz que não a pode dar!

Bom, no país que oferece Magalhães a pais ricos, por exemplo mas podemos dar centenas de contrastes destes, como nos podemos sentir ao constatarmos uma realidade tão cruel, injusta e bárbara ? Na terra das auto-estradas, das SCUT`s, da abastança daqueles que comem à mesa do orçamento, no país real das rotundas, das esculturas foleiras, dos autarcas empreendedores... como pode isto acontecer? Que pensará o ministro da segurança social ao saber disto? Achará que a culpa é dos reformados que ganham mais de 5 mil euros?

Este movimento é formidável. Tem voluntarismo, solidariedade e a componente ecológica aplicada de uma forma concreta, realista, sem os 50 milhões do autarca Costa para ciclovias, em nome do ar puro!

3 comentários:

  1. Lamento informá-lo, mas a campanha das tampas é internacional e não teve origem em Portugal.

    ResponderEliminar
  2. HÁ POIS NÃO,MAS O QUE É QUE ISTO DESMENTE O ACIMA ESCRITO???LOL
    L.R.

    ResponderEliminar
  3. Fiz também referência a esta reportagem da TVI num blog http://www.cores-solidarias.pt.vu/.
    Já agora gostaria de saber onde poderei entregar as tampas no concelho de Oeiras, se alguém souber.....

    ResponderEliminar