quarta-feira, julho 02, 2008

Sócrates a reboque do Manelismo-Leitismo

Está na cara: Sócrates recupera a ideia bacoca do Manelismo- Leitismo sobre os pobres e equiparados e começa a piscar à esquerda para virar para a praça da classe média. Agora é o IMI que vai baixar depois da dona do imposto, a carrasca ministra de Durão, ter vindo confessar já na qualidade de líder da oposição que tinha metido demasiado a unha com o imposto. Depois Sócrates está com a cassete de fazer crer aos patetas (não o Alegre) que votaram nele, que é com ele que o pais vai avançar em TGV e quando cair o vai fazer numa pista de um aeroporto construído no deserto. (hoje estou inspirado!!).
A entrevista à RTP foi atabalhoada. Judite tropeçou em José Alberto e Sócrates fez de Sousa, ou seja: quis mostrar o lado dele mais sensível, firme mas não arrogante, paternalista mas sem chegar às botas do Salazar ! Falta a Sócrates chorar um destes dias para ser mais Sampaio na hora da despedida. Entrevistas a dois é uma péssima ideia, quer em televisão quer em jornais. Uma entrevista é um acto cúmplice entre duas pessoas, cada uma em posições antagónicas, e é desse jogo, dessa dança,que pode sair, ou não, uma grande entrevista.
Judite é muito boa neste jogo, José Alberto é muito pior, talvez porque é uma pessoa muito cordata e conciliadora e o que lhe sobra em charme, falta-lhe por vezes em agressividade. Sócrates que é um animal mais de televisão do que da selva jogou bem com isso e quase pôs o director da RTP a pedir-lhe perdão.
Mas há uma coisa em que Sócrates tem razão e onde esteve muito bem: os projectos faraónicos foram aprovados pelo governo de Durão com Durona nas finanças e foram eles que assinaram protocolos ao pormenor. Agora vem dizer que não há dinheiro ?
É o discurso da tanga agora em versão de Avózinha forreta. Ela não dá nem deixa dar. E também é verdade que ela não tem propostas porque a sua competência (?) resume-se a contas de sumir.
Repito: depois de termos um prof de finanças em Belém dispensamos uma contabilista em S. Bento.
Voltando à entrevista: a Eduardo Maio tinha sido a escolha certa para entrevistadora.
" menino de ouro, diga-nos: há algum socialista melhor do que o senhor ?"- Claro que não !

5 comentários:

  1. Elá, o Luiz está mesmo inspirado! Essa última frase, hehe.

    A entrevista foi claramente um acto premeditado e muito bem estudado de pura propaganda. O socas teve carta branca para palrar que nem um papagaio enquanto a judite o alberto carvalho lhe faziam vénias. Aliás, diga-se que para mim o José Alberto Carvalho não tem grande jeito para aquilo. Pode ser muito bom a ler o teleponto ou a ler as perguntas antecipadamente escritas, mas quando tem que dizer algo mais que não tenha sido previamente escrito, troca-se todo, gagueja e salta para a próxima pergunta.
    A judite sempre com a sua classe e beleza limitava-se a sorrir de forma calmissíma quando o socas se entusiasmava e desatava a falar sem parar.
    O socas teve um discurso muito repetitivo, aproveitou para mandar cá para fora umas quantas medidas (que ainda estou para ver se se cumprem), voltou a mostrar desprezo pela classe média e disse uma coisa muito engraçada: que o ano que vem vai ser de abrandamento, mas de crescimento... Hmmm, custa-me pensar como é que se cresce sem se crescer... O ponto positivo do socas foi exactamente esse de apontar o dedo a quem aprovou o TGV e que agora não o quer.
    No fundo foi um monólogo disfarçado de entrevista em que o papagaio de serviço disse o que quis, sendo ele a dirigir as operações a seu bel prazer.

    Em acções de propaganda ninguém bate o socas himself. Nem mesmo o cromo das finanças que se foi enfiar num supermercado a verificar facturas para ter a certeza que os 20% estavam mesmo lá, mas comparando-as com as do dia anterior para ver se essas tinham os 21%, não se tivessem eles enganado e tivessem antecipado a baixa do IVA, o que não podia ser! Pois é sr. cromo das finanças, agora em vez de pagar 1500 euros por um fato armani já pode pagar apenas 1485 Euros.

    ResponderEliminar
  2. Cavaquismo, barrosismo, santana-lopismo, menezismo, ferreira-leitismo, guterrismo, socratismo e outros -ismos são expressões sinónimas que significam incompetentismo, outra expressão que em Português só pode significar politiquismo de carnaval permanente. Que não há dinheiro já sabemos - por isso queremos chupar a teta alemã reciclando constituições para receber uns dinheiros suficientes para avançar com soluções temporárias de obras públicas desnecessárias cuja factura será paga pela permanente desvalorização do voto do palerma português. Cada voto vale hoje menos 35% dos euros que valia há 12 anos atrás. E sem euros aguarda-se o menino de ouro capaz de bestialmente destruir o que nunca foi devidamente construido.

    ResponderEliminar
  3. O Zé Alberto é um panhonha e mentiroso!!! É um director-sombra...
    Quando chegou à RTP em 2001 pela mão de Emídio Rangel achava um escandâlo os jornalistas da Televisão Púbica ganharem pouco mais de mil euros. Chegou a dizer que ninguém na RTP deveria trabalhar por menos de 1500 "oiros".
    Agora que é director, engole elefantes do governo e promove os seus jornalistas a operários de uma fábrica de encher chouriços: mal pagos, sem amor à camisola, e com medo dos superiores.
    Hei-de ver esse jornalista sem curso mas professor universitário na lama!!!!!

    Jornaleiro

    ResponderEliminar
  4. Que pena que eu tenho que os jornalistas da RTP ganhem menos de 1000 euros... preocupa-me imenso isso... lol

    ResponderEliminar
  5. Adoro a blogosféra!Não deixo de
    reparar na sua "auto censura"!!!O
    unico sitio, que, sem MEDO,se falou do "livrinho",foi aqui!!!!O
    unico que escreveu ,assim como
    FOTOGRÁFA, FOI O LUIZ!!!!Apesar de
    inumeras vezes estar em desacordo,
    com as suas POSTAS,tenho de lhe
    tirar o "BONÉ"!!!!lL.R.

    ResponderEliminar