domingo, julho 13, 2008

Porrada nos subúrbios, chips nas matrículas

As sementes da violência espalhadas pelos arredores de Lisboa e Porto acabarão um dia por rebentar. O caso desta semana em Loures, onde população cigana se envolveu em pancada com outra de raça negra, é apenas um sinal. um aviso, do que aí poderá vir.
Com armas em "boas mãos", sem policiamento de proximidade, sem controle nos movimentos marginais, o Estado corre o risco de ser um destes dias confrontado com tumultos sem controle. Sabemos como o governo pouco ou nada tem feito para combater e controlar a violência. E se a polícia pode evitar pontualmente, o que se deve fazer é prevenir e a melhor maneira de o fazer é a integração social dos mais marginalizados.
Os governos, desde Guterres, têm achado que o melhor remédio para a inclusão é espalhar dinheiro, subsídios, rendimentos mínimos, casas de borla, tudo à borla. Existem milhares de famílias destas a viverem confortavelmente sem trabalharem à custa do rendimento de inserção, de subsídios de desemprego, de escolas, ATL`s, casas sociais...tudo sem ser pago com o mínimo de trabalho. São os novos pobres-ricos que vivem à custa do erário público em franco e escandaloso contraste com os reformados de miséria, os pensionistas, as viúvas deserdadas.
Na televisão um dos chefes de família que tinha invadido uma casa para a ocupar punha tudo naturalmente: bastava alguém chegar e pagar para tudo.
Numa reportagem que fiz há meses um destes "sortudos" estava indignado porque a segurança social queria que ele fosse viver para uma casa nova com 4 assoalhadas para poder alojar dignamente toda a família e ele recusava-se a abandonar onde vivia- um apartamento decente mas acanhado- porque lhe estavam a querer dar uma casa a 5 quilómetros dali !
Sabemos como é difícil gerir o bolo a repartir entre quem precisa mesmo e quem nada faz, mas que há por aqui um grande facilitismo ninguém duvida. Há pobres de luxo e pobres esquecidos porque não se enquadram em grupos reivindicativos e em etnias politicamente correctas. É uma verdade dura mas há que dizê-lo com toda a frontalidade.
Entretanto o ministro da administração interna parece não dar conta do recado mas o governo vai ajudá-lo: os carros vão passar a ter chips nas matrículas ! Este governo é genial. Está só preocupado com moderníces que possam controlar os contribuintes e de seguida atacar com mais um imposto ou taxa qualquer. Preparem-se: a seguir vem aí a taxa para quem andar de carro ao fim de semana, a certas horas. E quem tiver motores com mais de 4 cilindros...ou paga ou manda tirar dois. Taxar, taxar sempre. Como era deliciosa e naive a taxa sobre os isqueiros do Salazar!

5 comentários:

  1. Olá.

    Essa dos "chips nas matriculas" não conhecia.

    Depois dos canídeos e agora dos automóveis, seria bom a inserção do mesmo dispositivo em cada um das personalidades que nos governam e assim saberemos antecipadamente o que nos espera.

    Subscrevo inteiramente o seu post.

    Onde é que eu assino?...

    Cumprimentos

    Camila

    ResponderEliminar
  2. «... porque a segurança social queria que ele fosse viver para uma casa nova com 4 assoalhadas para poder alojar dignamente toda a família e ele recusava-se a abandonar onde vivia- um apartamento decente mas acanhado - porque lhe estavam a querer dar uma casa a 5 quilómetros dali!...»

    Ai é ...!
    Então, ouça esta:

    Há uns anos, numa cidade "onde fui feliz", uma dessas famílias recusou sair para um apartamento de quatro assoalhadas, para sair de um barracão, onde nada faltava, porque na nova habitação não tinham onde pôr o burro.

    E olhe que esta história não é tanga minha, porque foi exactamente assim.

    JJ

    ResponderEliminar
  3. Também concordo com tudo o que escreve aqui Luiz, mas são muitos votos que desapareciam com o fim do facilitismo.

    ResponderEliminar
  4. a impunidade é o que dá !

    a batata é muito quente, Luiz.
    Acredite que não é fácil para quem está no terreno a resolver estes problemas, sejam polícias, técnicos sociais. etc.

    Muitos funcionários do estado que têm de enfrentar estas etnias, estão sob ameaça constante.

    Isto não é fácil de resolver.

    E os políticos ? esses têm guarda costas por tudo quanto é sitio, quando visitam estes bairros.

    não deve estar muito longe de termos episódios semelhantes aos que ocorreram em frança, recentemente.


    entretanto, o chefe dos GOE (Magina) manda-os cortar e aparar a relva....

    temos uma polícia que é desrespeitada.

    este país é um colosso

    ResponderEliminar
  5. "Está tudo grosso, está tudo grosso...!", já cantava a Ivone Silva.

    ResponderEliminar