quinta-feira, julho 10, 2008

O Estado da Nação


Rangel caiu na cadeira como se tivesse levado um murro certeiro. E levou-o de Sócrates, ali no hemiciclo da Nação, no início do debate sobre o estado da dita. O novo líder da bancada laranja tem o mesmo apelido do Emídio, o Ranger, e que até é muito amigo de Sócrates, mas este terceiro líder PSD em 3 anos, caiu inanimado. Só faltava Gama de laço vir contar ao pé dele:" 3,2,1...perdeu!". Imagino Manuela Ferreira leite em casa a tratar do netinho e sem poder socorrer o KO monumental do seu avançado centro no parlamento.
Sócrates esteve hoje num daqueles dias de arrogância máxima para propaganda mais. Usou palavras como esquerda, afagou a classe média, distribuiu uns trocos aos pobres e anunciou essa coisa espantosa: vai tirar 100 milhões de euros aos lucros das petrolíferas, sem que tal faça baixar o preço dos combustíveis, e foi dizendo que essa taxa não vai fazer aumentar a gasosa. Não vai ? A ver vamos. Mesmo que assim seja, o que Sócrates faz é ficar com um terço do grande bolo que as Galps deste mundo ganham SÓ à custa do aumento. Portanto: todos ganham com o preço em alta do petróleo menos o consumidor que vai pagando. Para fazer política correcta o primeiro deseja que os contribuintes andem, ou a pé ou de transportes públicos. Quer dizer: Sócrates sonha com a Albânia do Ever Hocha, das bicicletas e dos carros pretos dos burocratas.
O cúmulo do discurso de Sócrates chegou com o insulto a Louçã. Sócrates usa a desonestidade intelectual e gincana das palavras para minimizar ou apagar algumas verdades que Louçã lhe lançou.Armaou-se em Diácono e pai tirano. Sócrates é bom em telenovela e sabe-o.
A moda agora é: quando alguém diz verdades com coragem é acusado de "pessoa sem credibilidade"- o mesmo que disseram os senhores juízes de Marinho Pinto (grande entrevista hoje a Judite de Sousa) quando este os atacou por achar inadmissível que órgãos de soberania possam fazer greve e serem sindicalizados. E hoje ficámos a saber do estatuto de excepção que a classe tem nas reformas, nos ordenados, nas mordomias.
O estado da Nação não foi debatido. O problema estrutural não foi analisado na AR, mas os partidos entretiveram-se numa bagunçada e num total desrespeito por aqueles que votaram e lhes deram um bom emprego. Aproveitem enquanto é tempo.

6 comentários:

  1. Aquilo é discutir o estado da nação?
    Ou é esconder o que está à porta da casa dos portugueses:
    Desemprego massivo
    crime por todo lado
    instabilidade social
    colapso economico total
    aumento da precaridade e prostituiçao

    As empresas cotadas em bolsa, perderam em 6 meses e em media, 30% do seu valor.
    Sabem o que isto significa? Antecipação de prejuizos!
    Sabem o que provoca a jusante?
    DESEMPREGO

    ResponderEliminar
  2. Excelente...!
    E com poucos erros ortográfios ::))

    JJ

    ResponderEliminar
  3. "E hoje ficámos a saber do estatuto de excepção que a classe tem nas reformas, nos ordenados, nas mordomias."

    Corrija lá isso para "E hoje fiquei a saber...". Alguns de nós não estavamos à espera que viesse o GRANDE MARINHO PINTO mostrar-nos a LUZ.

    É o discurso do homem da tasca. E o povo tende sempre a concordar com as típicas palavras de ordem: "eles são uns corruptos", "só querem é mama", etc.

    E os 6.000 euros mês + subsídio de reintegração de 40.000 euros do Bastonário, disto também já sabe?

    ResponderEliminar
  4. Boa boa é aquela dos 30% ou 70% de redução, nem percebi bem, do Imposto que não existe

    ResponderEliminar
  5. A ecologia vai ser o negócio do século, depois dos computadores. Já pensaram qunto vão precisar de petróleo para produzir um quilowatt de electricidade ?

    ResponderEliminar