quinta-feira, junho 26, 2008

Os maus costumes portugueses


Um dos estigmas da nossa sociedade é o desprezo pelo conforto dos cidadãos. É um sintoma criado com a pobreza austera do Salazar e com o miserabilismo militante da esquerdalhada depois do 25 do quatro.
A barulheira animal que se faz nas Janelas Verdes ( e se fosse só ali...) e que o empata Fernandes despachou de forma burocrática, repete-se a toda a hora no nosso dia-a-dia. Exemplos corriqueiros: estaciono no parque de um hotel 5 estrelas de Cascais. Ando 10 minutos à procura do sítio para pagar. A gerência acha que toda a gente já lá foi e que se desenrasque. Vou ao Instituto de Emprego. Faz um calor sufocante o ar condicionado está desligado. Os utentes que se lixem ! Vou ao hospital Amadora- Sintra. Tem um relvado sem fim mas os utentes não têm sítio para estacionar. São pobres vêm a pé, se têm carro que o pendurem às costas.
Vai-se à Assembleia da República e não há local para estacionar, mesmo indo como jornalista. Mas os 3 pisos do parque subterrâneo estão ocupados por carros de deputados ( o que é justo) mas também ( e aqui é um escândalo) por funcionários da AR que estacionam de borla o mês todo. No parque do Largo do Município é a mesma balda: mais de metade dos lugares são para os burocratas da Câmara estacionarem de borla.

Se um vizinho quer aparar a relva ao sábado está à vontade, se outro quer serrar presunto na maior, se quer fritar peixe também. Aqui já não conta a ecologia.
A nossa educação está muitos furos abaixo da Europa. Em Bruxelas quem fizer descargas de autoclismo depois das 22 tem o polícia a bater-lhe à porta. Por cá sai-lhe o empata na rifa a promover o direito da cidadania copofónica.

15 comentários:

  1. Por falar em «cidadania copofónica», o Luís anda a beber o quê, com posts destes a esta hora da tarde!?
    Com um sol tão lindo e você escreve, escreve, escreve, em vez de ir apanhar ar e ir dar um passeio, a pé e usando o comboio, e se deliciar com o magnifíco Tejo, onde o Marcelo já se lavou.

    JJ

    ResponderEliminar
  2. Usando o comboio ??????? Meu caro só ando de transporte privado nem que tenha de ser bicicleta.

    Mas a sugestão para ir apanhar ar é boa. estive duas horas de manhã cedo à beira mar a ler imprensa antes de ir trabalhar


    Abraço

    ResponderEliminar
  3. O Luís, não leve a mal alguma ironia minha, mas acho que você talvez precise mesmo de dar descanso ás teclas.
    Olhe, faça como o meu “amigo” PSL, e vá aprender antes a tocar piano (o tipo agora deve ter tempo para aprender, mas, provavelmente, o Luís não terá, porque tem que trabalhar, ao contrário dele que nunca fez nada na vida, a não será cantar-nos a cantiga do ceguinho).

    Falo a sério, e embora possa não parecer, com simpatia, que você parece ser um gajo porreiro. Escrever num blog reflecte estados de espírito, zangas, angústias e merdas do género, muitas vezes sem que nos dêmos conta, e o Luís é um tipo espontâneo e ache que anda meio zangado. Ou, então, já nasceu assim.

    Outro conselho, este sobre «ler a imprensa».
    Mande os jornais para o caralho durante uns tempos, e aproveite antes o seu Alentejo, a ouvir a passarada, que os jornais não andam a escrevem merda nenhuma que jeito tenha (até o Expresso está a ficar um pouco pobre), para não falar das televisões, que estas até enfastiam.

    Se você estivesse por aqui perto ia comigo à pesca para o mar, onde um enjoo à maneira dava para vomitar muita porcaria, e eu sei do que falo, que já lá deixei muita.

    Abraço também para si.
    JJ

    ResponderEliminar
  4. :::))) tem razão mas a pesca enerva-me pois não gosto de esperar sentado

    ResponderEliminar
  5. «mas a pesca enerva-me pois não gosto de esperar sentado»

    Isso é o que o Luís pensa, porque eu não pesco à moda do Alentejo. É “à séria”.
    Pois fique sabendo que, embora gaste o dobro em combustível do valor do que normalmente pesco, sempre que lá vou venho carregado, embora com fanecas, algumas de palmo e meio, carapaus e um ou outro sargo e polvo. Mas é um consolo ver a cana a dobrar. E raramente pesco sentado, porque o mar não deixa. E pode crer que no dia seguinte ando todo partido.
    Ou pensa que a pesca desportiva é tocar “piano”.
    Isso é para o outro artolas, que não sabe fazer mais nada (agora ainda há-de vir cá parar para os meus lados outra vez, é o que fala por aqui… “dáááásseéeee”.
    JJ

    ResponderEliminar
  6. Este post é daqueles que estão entre os melhores que aqui já se escreveram porque resultam da realidade vivida e não de sonhos e presunções vaidosas e pretensiosas, como alguns daqueles que o LC escreve.
    Eu quando fui estudar para Lisboa em 85, vindo da provincia, findo o Liceu, pensava que ia encontrar algo melhor do que aquilo que tinha vivido até então! Puro engano!
    Vivia num quarto gélido e sem luz numa casa de uma velha.Apanhava 3 autocarros para chegar ao Isel, onde tinha ido parar só porque gostava de electronica.
    As intalações eram deprimentes e as condições pedagogicas de 3º mundo.Todos os prof´s tinham esquemas e toda a gente se estava a cagar para os alunos que no fundo eram a razão da existência daquela escola.
    Hoje, Lisboa reflecte ainda essa forma de vida do tou-me a cagar! Os outros que se fodam , que também se alastra a Portugal!

    Ainda à dias entrei em lisboa e logo na saida para campolide não consegui sair onde queria porque apareceu um heroi de porche a ultrapassar pela direita à bruta (+100k/h).

    É evidente, que logo que pude zarpei fora dali e fui comer à Caparica!

    Eu, praticamente , já conduzi em quase todas as capitais europeias e onde tenho mais dificuldade é em Lisboa e tem que ser com gps!

    Arquitectar e desenvolver a pensar nos outros não é coisa que seja hábito da maioria dos portugueses, infelismente!

    Até esse Sá Fernandes perante a queixa dos municipes foi evasivo e agarrou-se à desculpa dos 4 testes!

    Ridículo, quando à formas de insonorizar , baratas e faceis para o bem de todos! Em Antuerpia uma vez fiquei por cima de um bar que fechava às 2 horas e não se ouvia nada!

    Aqui em portugal, em hoteis de 5 estrelas , ouve-se o hospede do lado a dar uma simples queca!
    Aquilo não incomoda muito porque são 5 minutos e acaba, mas francamente já era altura os nossos engenheiros civis olhares um pouco para os isolamentos de vibraçoes ( som e impactos ), nos edificios!
    Pode ser que com a nova lei fucione!

    ResponderEliminar
  7. Meu caro: essa do Porsche a 100 à hora não me parece muito correcta. Quem tem porsches conduz bem. Não seria um daqueles comerciais ? Desculpe mas no meu blogue não aceito enxovalhos ao Porsche, o melhor carro do Mundo ao lado do Smart!

    ResponderEliminar
  8. Ah: e ultrapassar pela direita tem de ser rápido por causa dos reaças activos ::)))

    ResponderEliminar
  9. «As intalações eram deprimentes e as condições pedagogicas de 3º mundo.Todos os prof´s tinham esquemas e toda a gente se estava a cagar para os alunos que no fundo eram a razão da existência daquela escola.
    Hoje, Lisboa reflecte ainda essa forma de vida do tou-me a cagar! Os outros que se fodam, que também se alastra a Portugal!»

    Este companheiro comentador pegou numa questão preocupante, a qual, como pai de um puto que entrou para Engenharia Informática com 17 anos e actualmente com 20, no Ensino Público, me deixa muito preocupado, quanto à melhor forma de o aconselhar.

    Estando em vias de decisões importantes, já que, embora gostando muito do curso e sendo um aluno assim-assim, está num impasse porque se sente desanimado com a qualidade pedagógica de alguns professores.
    De facto, não direi que «Todos os prof´s tinham esquemas e toda a gente se estava a cagar para os alunos» mas ando lá muito perto.
    Não apenas pela qualidade pedagógica mas pela atitude cívica, tendo mesmo um professor que nas aulas deixa a sala e vai para um gabinete ao lado mandar umas fumaças e que pura e simplesmente se marimba nos alunos.
    Já no meu tempo, se chegava ao fim do curso com as matemáticas dos 1º e 2º anos por fazer. Ou seja, as matemáticas eram uma espécie de curso à parte dentro do próprio curso.
    Tendo tido esta experiência enquanto aluno, aconselhei o meu puto a fazer as Matemáticas para se libertar destas cadeiras e se dedicar ás restantes cadeiras do curso. De facto, tem as matemáticas todas feitas... com a ajuda de um explicador que me limpava 200,00€ por mês por duas horas por semana.

    A precariedade no ensino superior é escandalosa pelo que os professores se agarram a todo o tipo de esquemas para compor o orçamento e terem uma vida decente, pelo que a actividade de professor acaba por ser acessória, um pouco como um tipo que seja jornalista e vai dar umas aulas na universidade ali mais perto.

    E pior do que isso, é que, findo o curso, salvo raras excepções, são pagos com salários pouco superiores ao salário mínimo.
    Por isso, o meu puto está em vias de pendurar o curso e começar uma actividade profissional a qual vai tentar conciliar com aquele, fazendo como os seus professores, que trabalham e dão umas aulas, sendo que, no seu caso, vai trabalhar e ver se apanha os professores quando aparecem, e que passam a vida a faltar ou a chegar tarde e a sair cedo das aulas, já para não falar em aulas em horários desadequados, ou melhor adequados ás suas actividades profissionais.

    JJ

    ResponderEliminar
  10. Eu não enxovalhei o Porche mas o seu condutor. Acrescento que não tenho nada contra os porches, no entanto , revira-me a tripa ter que aturar cagões que acham-se mais que os outros só porque conduzem um porche e como tal deixam que uma parte humana do seu cerebro seja substituida pelo cerebro do porche. É só isto, meu caro LC!

    ResponderEliminar
  11. Perfeitamente de acordo com as
    "angustias" do JJ.Aliás,dou esta de
    barato:era uma vez uma SRA que era
    assistente em Direito em Lisboa.A
    sra era um must,a mostrar as cuecas
    quando escrevia no quadro.Era um fartar,só tinha um problema:não
    sabia dar aulas...uma nódoa.Os alunos fizeram queixa e o PROFE que
    a tinha lá posto,ao assistir a uma
    aula,envergonhado:DESPEDIU A SRA!
    Qual o problema,perguntam vocês?
    Nenhum, digo eu ,só que há umas semanas estava a vêr a T.V.2,e o
    que vejo eu? A SRA!! É a mais nova
    DEPUTADA DO P.S.!!!Telefonei a um
    amigo, que me esteve a "explicar",
    entre risadas, o "SISTEMA DAS QUOTAS"!Bem, ao menos livraram-se
    os alunos...quanto a nós estamos
    fooood...com a SRA A LEGISLAR!!!
    Porra, e nem nos mostra as CUECAS!
    L.R.

    ResponderEliminar
  12. Dentro de um Porsche é o condutor que se tem de adaptar ao carro e não o carro ao condutor. Ao volante de um 911 tem de haver uma agilidade natural que não há noutros carros. Agora isso nada tem a ver com imprudências nem arrigãncias nem quebra das regras, claro.

    Quem é essa deputada que mostrava as cuecas ? Digam

    ResponderEliminar
  13. Eu sei quem é a deputada...
    Mas não posso dizer, que neste país, além de muita gente andar a mostrar as cuecas, andam a bufar de quem diz algumas verdades.
    JJ

    ResponderEliminar
  14. É bem verdade J.J.!!!!!L.R.

    ResponderEliminar