terça-feira, outubro 16, 2007

Sócrates já dá boda aos funcionários públicos

Teixeira dos Santos: melhoria das contas públicas vai permitir descongelar progressão dos salários
16.10.2007 - 09h05 Lusa
O ministro das Finanças, Fernando Teixeira dos Santos, anuncia hoje, em entrevistas publicadas na imprensa, que o bom desempenho das contas públicas vai permitir descongelar a progressão dos salários e carreiras dos funcionários públicos.

Meus caros: o pior que temíamos aí está. Andamos a poupar a pagar impostos brutais para o ministro das finanças vir agora dizer que esse esforço de todos, da classe média diga-se sem complexos, vai beneficiar a classe mais improdutiva do país, embora útil quando competente, pese o peso (!) exagerado do número de funcionários.

A tentação do governo em começar a desacelerar com vista às eleições é evidente, notório, escandaloso. Estes portuguesinhos de memória curta vão depositar o fiel voto na caixinha para gáudio do engenheiro e seus acólitos.

Entretanto paguem e refilem pouco.

PS: quanto a redução de efectivos na função pública está quieto.



7 comentários:

  1. Lá vai o meu dinheirinho para aquele grupo em que dois não fazem um.

    Reformas aos 50 e poucos anos, óculos de sol comprados com receitas de lentes, dias de trabalho passados em casa, dias no trabalho passados a custo.

    Este tipo deixou passar o estado de graça, entrou em desgraça, tem tudo contra ele e na verdade não fez reforma nenhuma.

    Uns paliativos, umas plásticas e mais nada.

    A despesa não reduziu, os impostos aumentaram. Os funcionários públicos continuam a nascer por aí.

    A classe política é o que é e adivinham-se tempos piores, com mais mentiras, populismo.
    Por aqui não há nada a fazer.

    A classe média, remediada, contenta-se com o que lhe dão e com o que lhe tiram.
    Provavelmente o problema é este. É preciso cidadania, é necessária contestação e mostras de indignação.

    Ao tomar uma medida desta, impunha-se a descrição na vergonha de roubar a uns para dar a outros. Mas não, apregoa-se a medida com se fosse algo de bom.

    E o parvo do Zé-povinho, come e cala.

    ResponderEliminar
  2. Paulo Sousa12:11 da tarde

    É que a função publica é... muita gente.
    E muitos votos, claro.

    Este tipo até que é esperto (chico): joga com a ignorancia dos outros. E a malta até que vai poder progredir na carreira...!

    ResponderEliminar
  3. mas os 700.000 funcionários públicos não são eles mesmos uma grossa fatia da tal classe média que estas luminárias aqui do blogue LC incluído tanto reclamam a defesa ? De 1º Ministro, autarcas vereadores , varredores, etc á letra Z tarefeiros e a recibo verde são o quê?
    Aliens ?

    ResponderEliminar
  4. Outra vez a bater no ceguinho!
    Os funcionários públicos não são aumentados há três anos e têm as carreiras congeladas há outros tantos e para aí há seis ou sete que, quando o foram, foi sempre abaixo da taxa da inflação.
    E o aumento agora proposto pelo seu amigo e meu "primo "JS" não dá nem sequer para comprar comprimidos para a diarreira que a "boda" a que o Luís alude e que pôs em título do seu post vai provocar a tal "classe mais improdutiva do país".
    Vá-se catar com tal conversa, meu caro Luís.

    ResponderEliminar
  5. O problema nunca esteve nos ordenados, que como se sabe, para a grande maioria, nem é grande coisa!
    Nem é tanto a quantidade!
    É a improdutividade e o mais grave mas derivada, é a roubalheira! Isso é que rebenta com o deficite.
    À pouco vejo na Sic um coveiro responsavel pelas cantinas da camara de lisboa que não entregou um tostão de iva ás finanças e é responsavel por compras onde segundo a auditoria metia a unha no arame `a anos, para contas particulares.
    Eu fui funcionario publico só 1 ano e vi roubalheiras daquelas às carradas e por isso sai.Graças a Deus! Não tinha estomago para aguentar e fingir que estava tudo bem!
    Coveiros como aquele tem estes pais aos montões.
    Com tanta gente formada em hotelaria a camera meteu à frente da cantina um Coveiro? Dahaaaaaaaaa!
    espectaculo portugal!

    ResponderEliminar
  6. Acha a função pública, a classe mais improdutiva do país? Em mais de 700 mil, tenho para mim, que deve haver um pouco de tudo, não? Espero sinceramente que nas outras classes profissionais sejam todos óptimos, ainda são 3, 5 milhões, o país fica a ganhar com isso.
    Ouvi mal, ou o Ministro propõe aumentos idênticos ao valor previsto para a inflação, a uma classe que nos últimos 7 anos perdeu 10% do poder de compra?
    Quanto à progressão na carreira, está congelada à 2 anos e meio, cria que ficasse congelada para sempre? Não me diga nas empresas privadas se entra licenciado para a portaria e se fica por lá até à reforma… Mas não se preocupe, a Sra. Ministra da Educação vedou o acesso aos três patamares mais altos da carreira a cerca de 120 mil professores, com isso, vai poupar muito dinheirinho. Além disso, reduziu apoios sociais e aumentou a idade da reforma, dos 36 anos de serviço para os 65 de idade, a que correspondem, em média 40 a 42 anos de serviço. Com tantos mimos não compreendo porque não andamos com ela ao colo.
    Acha que os funcionários públicos em Portugal são muitos? Os dados que se seguem, são do EUROSTAT e referem-se a 2005. Portugal apresentava 752 mil funcionários públicos, o que correspondia a 17,9 % da população activa. À nossa frente, na União Europeia, estavam: República Checa – 19,2%; Itália – 19,2%; Polónia – 19,8%; Irlanda – 20,6%; Grécia – 20,6%; Áustria – 20,9%; Eslováquia – 21,4%; Hungria – 22,0%; Alemanha – 24,0%; França – 24,6%; Holanda – 25,9%; Finlândia 26,4%; Reúno Unido – 27,4%; Bélgica – 28,8%; Dinamarca – 30,4% e Suécia – 33,3%.
    Claro que isto não inviabiliza que, pontualmente, em alguns organismos, haja funcionário em excesso e nas Câmaras e Juntas de Freguesia, muitos familiares, amigos e amigos de amigos.
    O número de funcionários públicos diminuiu nos últimos anos, as progressões estiveram congeladas, os aumentos foram inferiores à inflacção e contudo, as despesas de vencimentos com o sub-sector estado aumentou. Sabe porquê, não sabe? Já ouviu falar de “boy’s”…
    Uns “post’s” abaixo, referiu que a classe média é que paga os impostos… tem razão, os funcionários públicos já não são classe média.

    Ah, quanto ao vídeo do “post” abaixo, dos Gatos Fedorentos, está de facto excelente, ajuda a manter a qualidade geral das “postagens”.

    ResponderEliminar
  7. Porquè este populismo serodio do LC? Claro que qualquer governo, seja ele qual for, quando pode aumentar,aumenta.Obviamente que tenta capitalizar em seu beneficio esse gesto.Elementar meu caro Watson.Se o ministro Teixeira não aumentasse os ordenados aos FP, o que é que dizia? Deixe-me adivinhar....hummm, cheira-me que usava o mesmo texto com pequenas alteraçoes.Um abraço

    ResponderEliminar