segunda-feira, outubro 22, 2007

Basta a Jardim Gonçalves pagar ?

Só quem não é pai não entende o gesto de Jardim Gonçalves. "Filho toma lá 3 milhões de contos e vai pagar o calote na oficina". Espero que os meus filhos não leiam isto. Mas posso descansar, eles jamais me fariam tal desfalque. Foram educados com alguma noção das realidades e do custo do dinheiro e da importância do trabalho. O mais pequeno ainda não entendeu bem esse valor mas aceita negociar comigo ao fim de semana na base de " só um brinquedo pequeno daqueles que não são caros".
Obrigado filhos.
Jardim Gonçalves também à sua escala terá de certeza incutido nos seus filhos os melhores valores. Acredito e nada tenho a ver com isso. O problema é quando as brincadeiras dos filhos dos outros afectam o meu orçamento e contribuem para algum mal estar colectivo.
Sendo eu cliente do BCP, nem sequer accionista, sinto-me mal quando o banco onde tenho uns tostões e que me cobra por tudo e por nada, se dá ao luxo de ter um Presidente que tem este comportamento.

O que estava em causa, e continua a estar, é como o BCP dá crédito naquelas condições e aceita como incobráveis valores daqueles sem haver avales. E porque tem um amigo meu de andar a pagar parte da sua reforma há 1o anos porque um amigo o deu como avalista, não pagou e é o desgraçado que tem de pagar da sua modesta reforma.

O facto de Jardim Gonçalves vir agora pagar o calote do filho até lhe pode ficar bem como pai, mas não o iliba da fama de gestor duvidoso ou de quem está abaixo dele nos destinos dos créditos do seu banco.
O facto de eu pagar contrabando na fronteira depois de ser descoberto não me tira a penalização legal. Ora aqui trata-se mais ou menos da mesma coisa.

3 comentários:

  1. Paulo Sousa9:49 da tarde

    Aludindo ao título... não, não basta.

    A imagem ficará decididamente manchada.

    Fica colada a imagem de que se pode ser um bom gestor mas um péssimo pai: não sabia do que se passava com os clientes mas não é desculpa para não saber o que se passava com um filho...

    E isso, para mim, é aterrador, sobretudo quando os negócios do filho são com o local de trabalho do pai...

    ResponderEliminar
  2. Não percebo a razão de tanta preocupação com a gestão do Bcp por causa do calote do miudo!
    O bcp é completamente privado.Tem accionistas e uma administração escolhida pelos mesmos e bem remunerada. Apresentam lucros brutais.As acções estão cotadas e qualquer um as pode comprar.
    Não percebo!
    Por outro lado, a CGD , é completamente publica , gasta dinheiro mal gasto e mete-se em negocios ruinosos e ninguem diz nada!
    Se ouvesse uma disputa pela admistração da CGD, logo iam saber muitas novidades sobre os seu negocios ruinosos!Assim faz de conta que aquilo é um espetaculo!
    Sobre o bcp, há muitos interesses em erupção e muitos espiritos revoltados , logo aparecem umas novidades à superficie para gaudio do povão!
    vamos esperar pelo contra ataque e saber o que ha-de vir ao de cima da outra facção. Eu acho que a Teixeira Duarte vai perder muitas obras e aquilo poderá berrar!
    Meus amigos, apredam que os grandes dinheiros circulam na escuridão e longe dos olhares dos zés ninguém´s, desde que se inventou o arame.

    ResponderEliminar
  3. este blogue táSSe num fundamentalismo do kaneku ó LC então pké ke o velho não pode emprestar dinheiro ao filho se o dinheirinho também é do Papa ? ó Bernardo é que é um invejoso mas são os dois madeireises vê-se logo a raça...à pergunta da reportagem " Vcê deu 12 milhones ao puto ? " respondeu " Ó pus Dei !!! "

    ResponderEliminar