terça-feira, agosto 21, 2007

Terreiro do Paço fecha. Vou para o Colombo!

Lisboa está mais limpa ? Mais silenciosa à noite nos bairros dos bares abertos até de madrugada ? Há mais polícias na rua para protegerem os cidadãos? O serviço de táxis está a ser mais vigiado para ser mais europeu e civilizado ? Não, meus caros. Mas de uma coisa podem ter a certeza: O Terreiro do Paço vai deixar de ter carros ao domingo.

Porquê ? Os socialistas já acabaram com aquela vergonha de obra do tempo do Cravinho ? Não. O Terreiro do Paço está limpo e com um tratamento urbanístico capaz de servir os utentes ? Não. Há um projecto, uma ideia para o Terreiro do Paço e toda a envolvente urbana ? Não.
Mas há já uma acção, simples, de borla, populista: proibir o acesso dos carros.
Nunca falha.
Os carros são sempre os culpados de tudo e sem carros o tonto do tipo dos automobilistas automobilizados, ou lá o que é, já pode para lá ir andar de bicicleta com a Roseta e o Costa a empurrar com a barriga.

Eu avisei. A demagogia está lançada na CML.
Os socialistas adoram estas palhaçadas.
Esta gente não percebe que com estas medidas está-se a matar a cidade. Estas mentes não percebem porque estão cheios os centros como o Colombo e a baixa está às moscas.
É simples: no Colombo há estacionamento, conforto, segurança, há serviço aos utentes.
Na baixa há assaltos, falta de acessibilidades, falta de estacionamento, desconforto ( ou calor ou frio), o comércio é uma porcaria, não há oferta. Não há pachorra.

Se o presidente Costa não percebe isto não percebe que uma cidade é uma estrutura viva, não um museu, não um sítio inóspito para uns palermas irem para lá armados em ecologistas a andarem de bicicleta com a Teresa Ricou e seus palhaços amestrados.

Poupem-nos !!! Devolvam-nos Lisboa e deixem-se de fazer da cidade laboratório.

13 comentários:

  1. Por acaso estava a ouvir essa notícia ao jantar: "O Terreiro do Paço vai deixar de ter carros ao domingo para revitalizar a zona ribeirinha" e eu pensei, mas já tiraram de lá aquela trampa toda daquele estaleiro que foi ali largado e que nem sei o que ali faz para além de bombear água para fora de uns tuneis que a esta hora já deviam ter carruagens a passar.
    Medida populista e nada original. Preferia o tempo em que lá meteram a exposição da "Terra Vista do Céu". Agora metem lá barracas de aluguer de bicicletas (para quê? para andarem em círculos à volta do terreiro do paço ou para serem atropelados mal saiam da "zona sem carros") e também de aluguer de skates (para que aqueles putos irritantes andem a fazer piruetas mal feitas e a atirar com os skates às pernas de quem passa?).
    O Costa com o seu sorriso fanfarrão encheu-se todo para anunciar a grande nova. No dia em que ele anunciar que em vez de tirar os carros tira o estaleiro pode ser que consiga olhar para a cara dele sem pensar num qualquer insulto para lhe chamar.

    ResponderEliminar
  2. Paulo Pereira2:07 da manhã

    concordo, a medida é populista e absurda mas há aqui uma fixação por carros e outros simbolos saloios de poder que quase me faz apoiar a 'ideia' do antónio costa. no meu ponto de vista mais ridículo que medidas avulsas só a adoração por carros e outra bombas infernais, que diabo, não vês que há carros a mais e que as latinhas são a courapaça onde se escondem as caras da falta de civismo e tolerância? eu não ando nem de carro nem de bicicleta mas não entendo... faz-te falta aquela 'rotunda' para acelerar ao domingo? morte aos ciclistas, é isso? bolas...

    ResponderEliminar
  3. pézinhos n' ... areia6:52 da manhã

    Caro LC, percebo a sua discordância em relação a esta medida, mas devo dizer-lhe que tenho um ponto de vista diferente baseado numa experiência que tive na vida, de viver em Amsterdam.

    É um facto (quase) incontestável que se houver uma boa rede de transportes de serviço a uma cidade, o carro torna-se desnecessário.
    Senti isso, quando vivi na Holanda.
    Que maravilha aquele TRAMP (metro de superfície). Bem como a resposta sempre na hora de autocarros para toda a cidade.

    E claro que tinha a minha bicicleta. Que é a primeira coisa que temos de adquirir, quando chegamos a Amsterdam. Bem sei que é uma cidade plana. E Lisboa não o é.
    O que eu de facto lamento em Lisboa, é que com tanta cabeçinha pensadora, a resolução do transporte em Lisboa, não tenha sido feita AINDA, através de uma única e coordenada rede de transportes urbanos, com qualidade e acessível a todos.
    É nisso que está a solução. Acredite.

    ResponderEliminar
  4. já nem digo nada !!! não me admiro nada ...o LC não é de Lisboa é de Sarzeda nas Terras do Demo. Para o burro, o cavalo, a carroça ou o automóvel são indispensáveis, para nós citadinos basta-nos o eléctrico o metro e o táxi...a biclas não dá muito jeito e a trotinete só no jardim de belém a brincar

    ResponderEliminar
  5. Com ou sem carros não há nada para adorar no Terreiro do Paço. Mil vezes o Jardim da Estrela!

    ResponderEliminar
  6. Mais um post ressabiado do LC.
    Tudo o que cheira a socialista está errado. Já cansa!
    Eu nem sou Xuxa e já estou um pouco farto das palas do LC. O que é demais não presta e tem efeito contrário ao pretendido (graças a si LC estou a pensar sèriamente em aderir ao PS).

    ResponderEliminar
  7. Paulo Sousa12:02 da tarde

    Pois, se tiram os pópós às pessoas... elas não sabem o que fazer.
    É uma questão cultural esta da utilização abusiva do pópó para tudo e para nada.
    Conheço gente que vai beber café de pópó, desde as suas casinhas até ao café da esquina mais próxima que fica a 50 metros. E isto aqui no sossego do campo.
    Concordo com a medida do costa se fosse complementada com outra que desse protagonismo à melhoria dos tranportes públicos.
    Assim soa-me a demagogia.

    ResponderEliminar
  8. Mal por mal o Terreiro do paço sem carros...............simsimsimsism

    ResponderEliminar
  9. Concordo com tudo.
    Mas corrigia:
    «Os "socialistas" adoram estas palhaçadas".
    Para:
    Os "políticos" adoram estas palhaçadas.

    ResponderEliminar
  10. Digamos que estou no Cais do Sodré e quero ir de carro para Sta Apolónia... e vice-versa. O caminho alternativo, sem passar pelo Terreiro do Paço (nem gastar 3/4 do depósito) qual é?

    Não deixam de ter piada, estas medidas verde-eufémias.

    ResponderEliminar
  11. 1º procura conhecer a cidade.
    Não estamos nos caminhos de cabras das matas da Abrunhosa de Xima...depois compra um carrinho mais económico e deixa-te de pavoneares a nulidade em mercedes a prestáções e vais ver que chegas a Sta Apolónia num ápice...para apanhares o comboio para Baleizão, que aqui n fazes falta nenhuma ahahahahahahahahahah

    ResponderEliminar
  12. pra inaugurar O Terreiro do Paço popular contratem-se os Gipsy Kings e convidem-se os europeus a virem a Lisboa dançar ao luar com a brisa a soprar do Tejo uns copos de tinto e umas bifanas quentinhasssssssssssssss para amaciar o estomago

    ResponderEliminar