domingo, agosto 05, 2007

Cavaco contra demissão de Dalila Rodrigues

Cavaco Silva voltou a surpreender hoje quando se mostrou surpreendido pela demissão da directora do museu de Arte Antiga, Dalila Rodrigues.
Cauteloso mas firme, sem querer criar polémicas com o governo, o PR acabou por dizer que num pais onde há pouca gente competente na função pública, correr com os poucos que há é um luxo.

Parece que Sócrates não sabia da demissão e a sua ministra não o terá informado metendo mais uma vez a pata na poça ( mais uma remodelável que nunca mais o é).

Boas férias.

6 comentários:

  1. Meu caro Luís,
    Para tanta gente que se insurge e que dá palpites com a necessidade de serem alteradas as regras de avaliação na Administração Pública, este caso é mais um exemplo de que com as alterações que se querem fazer e que já estão em curso, se pretende, sobretudo, domesticar os funcionários públicos e não querer funcionários públicos mais competentes.
    Ou melhor, mais competentes sim, desde que sejam também ainda mais servis e cinzentos.
    Com este Governo ou com qualquer outro.
    Posso afirmar de viva voz o que estou a afirmar porque conheço profundamente o sistema e as mentalidades e de alguma forma tenho sido vítima dele por ser irreverente e, já agora, desculpe a arrogância, porque sou competente.
    E o poder político aqui não manda nada, apenas lhes dá jeito, porque quem manda, de facto, são as estruturas dirigentes, ao nível de directores de serviços e chefes de divisão, cujas mordomias em comissão de serviço, leia-se por confiança política, lhes garante pelo menos mais de um terço do seu vencimento na sua categoria de origem e em alguns casos com direito a viatura e habitação.
    Por isso, não é de estranhar que os outros directores dos museus se viessem demarcar desta exoneração da directora do Museu de Arte Antiga.
    Para se vencer na Administração Pública mais do que ser competente é necessário ser servil, ser politicamente correcto, e ser bufo também dá bastante jeito.
    A não ser que a competência e o trabalho demonstrado interesse no plano do capital político e do que isto pode representar para a imagem dos governantes.
    Por isso, se aguentou tanto tempo Paulo Macedo na Direcção Geral dos Impostos e se deixe que o actual responsável da ASAE, pese embora o trabalho excelente que está a fazer, lhe permita tanto espectáculo com as televisões a acompanhar as operações de fiscalização e, também por isso, dá jeito andar com a televisão atrás à porta das discotecas para apanhar uns patetas com os copos que dão um enorme capital de imagem à GNR e à PSP.
    Ou seja, a política é sobretudo espectáculo como forma de passar a imagem de operância e de eficácia, ainda que em alguns serviços públicos se tenha que levar papel higiénico de casa para limpar aquilo que todos sabemos que tem que ser limpo, e os funcionários públicos têm sido o bode expiatório do défice, da malandrice e da corrupção, e a opinião pública aplaude, porque há que tirar os privilégios a esses malandros, quando na privada alguns fotógrafos ganham bons ordenados que, em níveis idênticos de qualificação na administração pública, nem perto lá chegam, e se tiverem um simples blog para desabafar e os bufos do regime identificarem o seu autor e este não for politicamente correcto está simplesmente... tramado.

    E não lhe desejo boas férias... porque já o fiz num comentário abaixo.

    ResponderEliminar
  2. Peço desculpa mas o "anónimo" em cima é o "JS", habitual cliente desta casa.

    ResponderEliminar
  3. À Dalila faltou-lhe um ganda Sansão...kiduxa pque não me xamaste para deitar abaixo o IPMe o Bairrão/de Lima/Sócratão?

    ResponderEliminar
  4. Obrigado JS você é o motor de arranque deste blog. Boas férias tb.para si se for caso disso e apanhe uns espetalhaços na A1 por mim.

    LC

    ResponderEliminar
  5. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar
  6. Vamos lá ver se este comentario passa!
    O cavaco ficou tb se aliou à Dalila para fazer oposição ao Socrates, pois não! Ela é bastante "jeitosa " .
    Citando o LC diria que "tem frescura" ou seja atributos muito apelativos.
    Agora eu pergunto: Se ela fosse um estafermozinho tb teria os mesmos apoios em situações de capacidade profissional identica? Talvez não!
    Vejam o que aconteceu à Ana Gomes, Pois é ! Vejam lá se alguém se lembrou dela para atacar o Socrates!

    ResponderEliminar