sábado, julho 14, 2007

A pimbalhada rural

A ideia romântica e de esquerda que o campo é o último refúgio da civilização industrial, o cantinho ecologicamente equilibrado, onde o silêncio ordena, a paz reina, onde não há gatunos e se podem deixar as portas escancaradas, onde se pode confidenciar tudo aos vizinhos e ao padre, o campo esse mito que Salazar tão bem soube explorar, e preservar, está pior que as cidades.

A verdade é que as aldeias mudaram.

A minha aldeia de origem, Sarzeda na Beira-Alta, onde eu ia de férias sem água canalizada, luz, esgotos, nem estradas alcatroadas também mudou. Começou nos anos setenta quando a electricidade chegou e havia uma televisão, na casa da D. Mariazinha a professora primária, onde eu ia ver o ZIP-ZIP e namorar uma prima que acabou por me enganar com um chefe de família de Vizeu para onde foi estudar. Adiante...

Os emigrantes lixaram o ambiente com os carros rebaixados e kitados, com os alarves hábitos de novos-ricos. Os padres instalaram relógios eléctricos a cantarem de quarto em quarto de hora. Ir à aldeia passou a ser um stress.

Aqui no Alentejo onde estou é a mesma cegada.
As festas anuais são um churrilho de barulho com artistas da treta a cantarem versões de pimbalhada e o povo a enfrascar-se de tintol enquanto os jovens passeiam os carrecos comprados em ald, faróis tunning e umas namoradas manhosas armadas em boas.

A geração nova que conseguiu emprego é agora uma versão pobre dos emigrantes: ganham mal mas o que ganham dá para o estrilho. Metem as aparelhagens aos berros, despem-se e cantam karaoke feitos tontos. Mesmo tendo passado pelo comunismo, esta zona era uma das mais renhidas defensoras da reforma agrária, onde o PCP ditava, agora é uma mistura estranha de referências culturais. Pimbas com metálica, pintas e oxigenadas.

Quem vale a pena são os velhotes que conseguiram preservar uma cultura aristocrática popular ( o meu amigo Manuel Alegre fala em aristocratas do povo, e muito bem), o resto é do pior que há: a mentalidade pequeno-burguesa.

É nestas análises que eu me sinto um tipo de esquerda, no sentido em que o diagnóstico social é imprescindível para compreendermos, e modificarmos, o que nos rodeia. Sem essa consciência não há avanço nas sociedades, apesar de aqui o avanço não ir nunca nem à porrada.
O Alentejo dá sinais de uma mudança irreversível: há mais dinheiro, a paisagem urbana está a modificar-se, a tornar-se um subúrbio.

Enquanto os candidatos a Lisboa querem uma cidade rural, o campo quer imitar o pior das cidades... que fazer ?

5 comentários:

  1. "modificar-mos"
    o alfredo cunha disse-me um dia que escrevia com os pés. gosto de vir a este blog mas o luiz dá cada pancada gramatical... como jornalista acaba por ser um exemplo complicado.
    enfim, nada de grave mas foi o que me apeteceu dizer.

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  3. Caro Armindo: Não tenho nada a ver se o Alfredo Cunha escreve com os pés ou não. Eu não escrevo com os pés.

    Estes postes são feitos ao correr do pensamento, muito à pressa, no final são lidos uma vez, passam pelo corretor que é mau e..post.

    Assim acabam por vezes por saírem erros que são fruto da pressa, de distração, da falta de copy-desk.

    Posso sempre ter mais cuidado com o que escrevo mas isso vai demorar-me ainda mais tempo com o blogue, e acaba por criar uma certa retração em escrever logo.

    Os textos da maioria dos redatores que chegam a desks são muito piores, apesar de não servirem de desculpa para os meus erros.

    Irei tentar melhorar os erros de português, é o mínimo de educação que devo ter. Concordo.

    Mas erros ortográficos nada tem a ver com escrever ou não com os pés. Escrever bem é ter uma estrutura narrativa.

    Você deve detestar o Saramago, e como eu o percebo !

    Cumprimentos e volte sempre.

    LC

    ResponderEliminar
  4. «Vão à praia, respirem fundo e sintam como é bom ignorar estes idiotas que nos desgovernam.»
    Se eu votasse em Lisboa confesso que teria a maior das dificuldades em escolher o “idiota” mais idiota de todos os candidatos.
    Mas escolhia... em branco e não ia à praia. Porque, convenhamos, existe uma diferença entre votar em branco e não votar.

    E «Você deve detestar o Saramago, e como eu o percebo!»
    Sendo um admirador tardio do Saramago, concordando que escreve mal e que ultimamente anda a dizer disparates, alguns nos últimos dias, também é verdade que é Saramago quem melhor escreve sobre a “A força do silêncio”, conforme seu post abaixo, no seu livro Ensaio Sobre a Lucidez.
    Não sei se leu, e se não leu, garanto que é chato de ler como ó caraças, como, aliás, praticamente todos os seus livros.
    E, tal como você também escreve mal e não me parece que a desculpa seja sempre da pressa, afinal a sua formação académica é arquitectura e não filologia e alguns dos seus erros ortográficos são recorrentes, mas acaba, quase sempre, por se explicar bem, assim é com Saramago.

    E Saramago, apesar de não ter nenhuma licenciatura “independente” e de escrever mal, é um Nobel.

    Mas, também, de que importam os erros, se estes são sempre menos importantes do que as ideias.

    Abraço
    JS

    ResponderEliminar
  5. Já não sei que dizer disto tudo...doq ue aqui se pespega em forma de escrita, ideias, pensamentos etc.
    O Saramago foi um pulha, politicamente falando e politicamente escrevendo falando escreve e diz disparates. Mas escreve mal português o Saramago?
    Ah é por não pôr vírgulas? as tolices dele são de ordem, não dessa p.favor !!!
    E as calinadas estéticas dos gramáticos e e filólogos nacionais mais faxos que os faxos e que forçando pretensa "normalização" da língua, a têm tornado uma seca, sem música, sem beleza fonética ? Viva o português livre do Brasil

    ResponderEliminar