quinta-feira, janeiro 19, 2012

Nova lei do trabalho. Hoje houve golpe de Estado

O acordo assinado hoje na concertação social é um recuo de décadas na sociedade democrática que Portugal iniciou em 1974. Sem radicalismos ou saudosismos, a verdade é que as medidas hoje aprovadas entre patrões, o governo e aquele líder amarelo da UGT, atiram os trabalhadores para as calendas.

O que está em causa são princípios básicos sem os quais não se pode falar de uma sociedade verdadeiramente democrática.

Num país onde houvesse trabalho em abundância, oportunidades e escolha profissional, provávelmente nem seriam precisas leis laborais. No limite, repito. As leis do trabalho que mais defendem quem trabalha são tão mais necessárias quanto mais precárias são as condições de trabalho.
É precisamente na altura em que mais aumenta o desemprego que é aprovada uma lei que vai permitir que ele cresça até limites incontroláveis.

Todos sabemos que o problema principal de Portugal é a falta e iniciativa e de investimento. E essa falha não se deve às leis laborais, aos feriados e a outras tretas. Deve-se porque chegámos a um ponto em que dificilmente seremos competitivos, virados para uma Europa que cada vez também o é menos.

Iludirmos isto é fazer bluff. Mas que estas leis hoje aprovadas vão beneficiar os patrões desonestos e trazer de volta o conceito velho do vale-tudo para empregar e despedir, ninguém duvide.

Não é uma medida para crescer, nem para modernizar empresas. É uma medida de marcha atrás. Como aliás o país está a andar.Um golpe de estado institucional.

2 comentários:

  1. O que o país precisa é de bons patrões, que saibam estimar os seus trabalhadores e ter com eles um diálogo honesto e frontal! O que o país precisa é de empresários que não procurem só o lucro fácil, mas que estimulem a qualidade do trabalho através da qualidade dos locais de trabalho! O que o país precisa é de empresários que invistam no design e em marcas de qualidade! O que país precisa é de gestores que se preocupem com o humano e que organizem bem as empresas e não de meros contabilistas!
    Perdeu-se a solidariedade a igualdade e a fraternidade. Tem-se vindo a perder o que de melhor Abril nos deu. Voltamos a padrões de vida de há décadas bem atrás. As iluminárias moralistas deste país (lacaios bem pagos- "...quando os demais são feitos em torresmos.." - do "maganão" qu€ é muito bonito...) devem estar contentes, já têm associados os 'lacaios-da-escravatura-asiática' para dividir os dividendos de uma das empresas chaves para a economia portuguesa e seguem-se outras!
    Trabalhemos pois, sem regalias, sem condições, 7 dias por semana sem férias...
    Ah, illuminati's EUROPEUS ELES JÀ CÀ ESTÃO, continuem assim os povos agradecem.

    ResponderEliminar
  2. moral da história:
    moral da história:
    ... " Não gostas de mim - estás despedido!" ;" Não gosto de ti - estás despedido!;" És sindicalizado - estás despedido!" Não tens controlo esfincteriano - estás despedido!; " Fumas - estás despedido"; " Não concordas comigo - estás despedido!";" Não és do meu clube - estás despedido!"; " Não és do meu partido - estás despedido!"; " Não és novo - estás despedido!"; " Não és precário - estás despedido!"; " Não és bajulador- estás despedido!"; És dos quadros- estás despedido!".............

    ResponderEliminar