segunda-feira, outubro 18, 2010

Aguentar e não chorar

Desligo a televisão, evito olhar os jornais e sintonizo a rádio na Europa-Lisboa. Contenho-me para não escrever no blogue e prefiro pensar em fotografia, no meu trabalho no meu jornal, nas minhas aulas.
Se pudesse emigrava para um país sem internet, nem tv, nem nada. Claro, ao fim de dois dias estava desesperado e tinha de voltar à confusão.

O País atingiu o nível do não-regresso. Passou tudo o que só uma mente doentia e céptica pudesse imaginar. Nem uma turma de medinas Carreiras clonados e a vociferarem descontrolados por um qualquer Crespo desta vida, conseguiria isto: a destruição de uma sociedade com as suas empresas, as famílias, as instituições, os profissionais honrados, os trabalhadores sem estudos mas competentes, incansáveis, leais à ideia de trabalho e responsabilidade.

Em 15 anos não se construiu um país. Gerou-se um monstro que se alimentou de crédito sem produção, de vaidades sem trabalho, de leviandade alimentada a consumismo fútil e efémero.

Afinal em Portugal está tudo mal. Tirando os resultados da mortalidade infantil, o progresso da vinha, os Cafés Delta e mais meia dúzia de excepções.

A educação pública foi engolida pela privada, a saúde perde mais no desperdício do que nos resultados, tudo baixa em Portugal. Figuramos em tudo a meio de uma tabela, medíocre, sem ambição. Crescemos meio por cento ao longo de 10 anos e agora que o governo destruiu o pouco que havia da classe média, sonham crescer o mesmo.

Portanto: por mim fugia. Mas não posso.Portanto há que aguentar e não chorar.

2 comentários:

  1. Concordo consigo Luiz. Ás vezes sabe que discordamos, talvez por eu ser um pouco mais de "direita", mas penso sabe como procuro ser intelectualmente honesta, como me custa vez o estado a que chegou este país e o nosso povo. Como concordo com tudo aquilo que diz e que de errado tem sido feito, sobretudo nestes últimos anos e ao estado calamitoso em que colocaram esta nossa terra. Quantas vítimas existem já e quantas mais se avizinham. Claro, que por mim, até posso fugir, porque tenho 2 nacionalidades, por via materna, mas tenho filhos e netos e gosto sinceramente de Portugal. Mas confesso que tenho mesmo, muitas vezes vontade de chorar.. Nini

    ResponderEliminar
  2. como julgas que vivestes estes ultimos 30 anos ne reino das glorias das batotas das rounalheiras das mafias dos corruptos estavas a espera de quê MILAGRES DE FATIMA com o outro a rezar por voz quando roubou a super taça ao BENFICA em coimbra ..
    ISTO AINDA NÃO E NADA COMPARADO AO VOSSO ROUBO


    Esta onde vocês do norte queria que comessa-se a estar ,passe bem e leve la um centimo para matar a fome pois ainda tenho memoria ...

    ResponderEliminar