quinta-feira, agosto 19, 2010

Dia da Fotografia SEMPRE!

Hoje é o Dia da Fotografia. A minha querida amiga Ana Sousa Dias da LUSA pediu-me uma foto e um depoimento. Eu escrevi-lhe o que se segue, embora ela não tenha espaço no diaporama para publicar o texto integral.
Aproveito para deixar o meu testemunho sobre a solenidade do dia:).

Fátima, 2010. Leica M6. Filme TRI-X. FOTO DE LUIZ CARVALHO.

Não gosto de "dias de", nem do Natal. O Dia da Fotografia é todos os dias, embora os dias dos fotógrafos sejam agora dias diferentes. Isto é: o Mundo mudou e a fotografia na sua idade digital baralhou e voltou a dar desafios, nem sempre estimulantes.

A perda de espaço e de protagonismo na imprensa, a banalização do acto fotográfico e o regresso da mentalidade de pato-bravo nas instâncias editoriais, devolveu aos fotógrafos os dias passados, aqueles em que os fotógrafos ainda não falavam, nem escreviam(!).

Os ataques aos direitos de autor e a ideia de que o fotojornalismo se reduziu a bonecada sem conteúdo é fruto dos tempos, mas coisa passageira! A qualidade supera e resiste. Sempre.

Os fotógrafos ganharam agilidade, e um mundo fantástico de partilha na net, usando agora múltiplas e estupendas ferramentas multimédia. Esse suporte é a grande SCUT visual!

Escolhi esta fotografia porque é o meu regresso breve à fotografia analógica, à Leica M6 (muito melhor do que a M9 digital!) e ao mítico filme TRI-X da Kodak.

Foi em Fátima, horas antes da chegada do Papa. Estas portuguesas têm muito das figuras que o Gageiro retratou por ali perto na distante década de sessenta, e que muito me influenciou.
O país mudou. Mas mantém, tal como na fotografia, o seu lado cinzento, preto-e-branco.

Para o melhor e para o deprimente.


Luiz Carvalho
(fotojornalista do Expresso e professor de fotografia)

4 comentários:

  1. O Luiz, quando quer, faz uns post magníficos.
    A fotografia está esplêndida, bem na linha de Gageiros, Cunhas, Lopes & Cia., para falar só de portugueses, porque os outros, se tiveram outras coisas (leia-se guerras, destruições e reconstruções...), não têm Fátima, onde o tempo parou e o tal cinzento-preto-e-branco continua a dar o mote ao nosso triste fado.

    ResponderEliminar
  2. Só podia ser com o tri.x e a m6,que seja á Gageiro,pois sim, mas não deixa de estar lá, o "toque", nada subtil, de um certo olhar.Já estou a gostar mais....L.R.

    ResponderEliminar
  3. Passa algo com o seu blogue? Já é a segunda vez que envio comentários e nada.....dass!LR.

    ResponderEliminar
  4. Para o melhor e para o deprimente.Tem razão eu acho mais para o deprimente....mais: quando se é cencurado neste blogue!
    Apesar de ter sido um"fiel",desde o seu inicio.
    Pois meu caro, passe bem......L.R.

    ResponderEliminar