quinta-feira, abril 29, 2010

Coelho na toca enquanto 1200 milhões de alcatrão eram assinados

Hoje a meio da tarde, ao ouvir rádio a bordo do meu carro, no meio da confusão criada pela greve dos transportes, cheguei a respirar fundo e a pensar que Portugal começava a ter juízo. E que o governo do desgoverno, emendara a mão dada por Passos Coelho, para se deixar de caprichos e interesses e entender que os portugueses mereciam mais respeito. O Ministro das Finanças deu a entender que estava disposto a fazer marcha-atrás.

Mas passadas duas horas era o Ministro das Obras Públicas que vinha convocar uma inútil e burra conferência de imprensa para dizer que as obras públicas, a febre dos carris, do betão e do alcatrão não iriam parar. Abdicariam de um troço de uma auto-estrada.

Bem: a auto-estrada do Pinhal foi adjudicada ontem, à mesma hora em que Passos era apanhado na toca do Coelho pelo animal feroz Sócrates. Aquilo vai custar 1200 milhões de euros (ameaços não incluídos, isto é: as inevitáveis alterações de obra. Ponham nisso mais 40 por cento!). E hoje o ministro Teixeira dos Santos vinha em tom de lamento dizer que não se podia adiar a obra porque foi adjudicada. Só não disse que tinha sido ontem e nenhum daqueles jornalistas (?) estafetas teve a coragem ou o saber para lhe perguntar porque tinha então ele assinado ontem.

A verdade é que este governo tem uma obsessão doentia por estes investimentos. É a verdadeira corrida para o abismo. Como se eu fosse comprar um Porsche novinho ou semi-novinho sabendo que não conseguiria pagá-lo em 10 anos, nem em 10 meses.

Portanto meus caros. Preparemo-nos para o pior. Um governo que não corta na despesa pública e que hoje dava como exemplo caricato cortar 20% nas chamadas dos telemóveis do Estado é de uma risada sem fim e de um pranto sem fim.

Claro que vão usar a velha fórmula: não há dinheiro? Aumentam-se os impostos, cortam-se uns pós nos subsídios de uns desgraçados sem emprego, irritam-se uns calões que se despedem para poderem viver de férias durante dois anos, insultam-se uns gestores, caluniam-se as poucas empresas que dão lucro e mantemos as empresas que deixam um rasto de milhões de euros de passivo enquanto os sindicalistas dessas mesmas empresas se entretêm a fazer greves, assediados por sindicatos irresponsáveis.

Entretanto o Presidente da República vai este fim-de-semana para uma jornada de jovens gastrónomos algures no país das maravilhas.

3 comentários:

  1. Estamos a dar passos em direcção ao abismo!
    Trigo limpo farinha amparo!
    Prevejo o pior para este país encantado!
    Somos uns tipos porreiros de brandos costumes!
    Vai dar merda e da grossa!

    ResponderEliminar
  2. "Entretanto o Presidente da República vai este fim-de-semana para uma jornada de jovens gastrónomos algures no país das maravilhas."
    Claro, ele faz muito bem, até porque não bebe, mas diz que temos os "melhores" vinhos do MUNDO..
    Ai este SR Silva é um PONTO....
    A propósito: vai aprender a fazer bolo-rei?LR.

    ResponderEliminar
  3. João Santos10:19 da tarde

    Eles, os políticos e gestores detentores de cargos públicos são os principais responsáveis do sobreendividamento do Estado.

    Mas, vergonhasomente, são os primeiros a recusar dimninuir os gastos com as suas mordomias e privilégios.

    Levam o país ao afundanço, e quando se sentirem apertados, vão sobrecarrecar quem verdadeiramente trabalha e paga os seus impostos.

    ResponderEliminar