quarta-feira, março 31, 2010

A história do vagabundo-rico "Burk-Curt" (Curt da Lata)

Esta é deliciosa. Vem dos jornais suecos. Curt Degerman, conhecido como "Burk-Curt" ("Curt da Lata", em tradução livre) pelos moradores de Skellefteå, era uma figura solitária, que circulava pelas ruas numa bicicleta velha. Recolhia latas e garrafas, dos caixotes de lixo da cidade. Quando morreu em 2008, aos 60 anos de... idade, os familiares descobriram que ele tinha deixado uma herança de mais de 12 milhões de coroas suecas. Ninguém sabia que, quando não estava vasculhando os caixotes de lixo, Curt ia à biblioteca da cidade para ler o noticiário financeiro dos jornais e estudar o mercado de ações. "Ele ia à biblioteca todos os dias, porque não comprava jornais", disse um primo de Curt, ao jornal Expressen. "Ali ele lia o Dagens Industri (o principal jornal financeiro da Suécia). Sabia tudo sobre as acções da bolsa", acrescentou. "Curt da Lata" usou o que aprendeu no noticiário do mercado de valores para transformar as modestas somas que juntava, vendendo latas e garrafas, num portfólio de acções e fundos mútuos avaliados em mais de 8 milhões de coroas suecas. Além disso, comprou 124 barras de ouro estimadas em 2.6 milhões de coroas suecas. No banco, tinha quase 47 mil coroas suecas. No seu testamento, Curt Degerman deixou toda a sua fortuna a Torgny Tjernlund, o primo que o visitáva nos seus últimos anos de vida. Mas ao tomar conhecimento da surpreendente herança, um tio de Curt decidiu contestar nos tribunais o direito do primo de herdar a fortuna sozinho. Pela lei sueca, o tio tinha de facto direito de herdar o dinheiro do sobrinho. O conflito acabou em Tribunal. Mas esta semana, o tio e o primo de Curt, chegaram a um acordo extra-judicial para dividir a herança.


João Soares

3 comentários:

  1. Ele nao era vagabundo, pois trabalhava catando as latas e garrafas, estudava na biblioteca e ia ao banco fazer seus investimentos!

    ResponderEliminar
  2. Um pobre demônio escravo da acumulação sem sentido!

    ResponderEliminar
  3. Faltou você colocar o crédito da matéria que é da BBC.

    ResponderEliminar