sexta-feira, janeiro 08, 2010

O dia do orgulho de Sócrates

Manifestação hoje frente à AR. foto:LC
Amanhã a AR estará agitada por causa da aprovação que permitirá o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Volto a afirmar que sou absolutamente contra o casamento gay mas completamente a favor pelo reconhecimento dos direitos civis vários em uniões entre duas pessoas do mesmo sexo. O Estado não tem que se meter em questões de sexo entre cidadãos e o casamento é um contrato e não tem nada a ver com sentimentos. Para amar nunca foi preciso casar, bem pelo contrário.

Portanto, o que está em causa não é o não reconhecimento de direitos, o que está em causa é que nem tudo cabe no mesmo saco, nem ser diferente é por si um direito para aceder a determinados estatutos. Não me parece que por se ser lésbica isso dê direito automático a ser sócia do sindicato dos camionistas::))

Países avançados democraticamente não optaram pela permissividade do casamento gay mas garantem todos os direitos aos casais homossexuais.

Sócrates quis anular a onda bloquista e deu um passo mais longo do que a perna.
Esta lei vai virar muita gente contra os homossexuais o que é lamentável. Há na opinião pública uma onda de ironia, anedotas e crispação contra a lei, o que só prejudica a aceitação do homossexualismo. Basta andar na rua e ouvir.

Os homossexuais que sempre tiveram o sentido da transgressão, da independência, da coragem e da intimidade, acabaram por ser os arautos de uma lei burguesa e que põe o Estado a meter-se onde não é chamado. Mas Sócrates prometeu, Sócrates cumpriu. Haja uma vez.

6 comentários:

  1. Luís
    Cá para mim ainda iremos ver este "farsolas" de grinalda a entrar no registo civil...
    FELIZ 2010
    G.J.

    ResponderEliminar
  2. Pois cá para mim, eu penso que o Sr Luiz, vai sempre em frente!!!Ele gosta é de provocar,e vai
    de lançar neste blogue uma linda atroada.Ele até tem amigos paneleiros,ele,como bom samaritano,ATÉ NÂO SE IMPORTA DOS "ACEITAR"!!!Mas,ele tem um "problema", é que ele é um ,"liberal",palavra tão em voga nestes dias que correm.Se formos a notar, hoje, não se diz "reaccionário", não, hoje é muito mais "bonito","DIZER-SE "LIBERAL",ACEITAR MAS... FO..."!!!Lindo sr Luiz!Qual é o seu problema?Sabe, eu prefiro alguém que me chama de filho da puta,a ter alguém como o sr como meu "defensor",porque o sr não sabe o que diz, nem o que quer!!!ATINA MEU!!!LR.

    ResponderEliminar
  3. Não meu caro, isto não tem nada a ver com Sócrates.
    Estou-me cagando pró "personagem"!!!Eu, como fotógrafo, não incluído nos "mentideros",da "PUTA
    LISBOA",afirmo, como homem casado há mais de 35 anos,que não passas de um homofobico!!!Para mim é como se dissessem:gosto tanto de Pretos,mas "mais CLARINHOS"!!! Realmente nâo há volta a dar né???L.R.

    ResponderEliminar
  4. Que post mais "paneleiro", Luís de Carvalho.
    Armado em "marialva"

    Você mistura o cú com as calças e não se percebe nada do que você quer dizer.
    A não ser que é contra. E prontoS...

    Eu não vejo nenhum problema em que se casem.

    Nem vejo nenhum problema que se lhes reconheça o direito a adoptar.
    Pior é ter as crianças institucionalizadas anos e anos e a serem "enrabadas" por quem tem a obrigação de as educar e proteger.
    E não está demonstrado que uma criança educada por casais do mesmo sexo tenham que dar nececessariamente em homosseuxuais. Nem o contrário.

    JJ

    ResponderEliminar
  5. daniel tecelao1:41 da manhã

    O que é curioso neste caso,é haver gentinha que se escarafuncha toda contra uma coisa que nem sequer os prejudica.
    São os principios,pois..........

    ResponderEliminar
  6. Caro Luiz, a tua opinião converge com a minha, não concordo com o casamento gay, embora nada obste aos direitos pragmáticos de quem vive numa sociedade plural. Agora que as familias se estão a desfazer (embora em Inglaterra já se apresse em arranjar soluções para inverter a moda)Tenho é dificuldade em explicar isto aos meus filhos, sempre houve descriminados e descriminadores e isto não vai melhorar, antes pelo contrário. É um passo para permitir a adopção e esse será o disparate que me apoquenta, já que a criança adoptada não terá hipótese de escolha. Ou não haverá um homosexual que considere pelo que a criança irá passar?!

    ResponderEliminar