sexta-feira, junho 13, 2008

Há sempre alguém que resiste e diz NÃO

Uma guiness ao voto irlandês !! hip, hip !!! Hurra !!!!

Todos os partidos do regime apostavam no SIM mas os eleitores votaram NÃO. Os irlandeses deram uma prova de grande independência e souberam meter os partidos na ordem. Os partidos deixaram de ser os legítimos defensores dos interesses dos cidadãos para serem instituições arregimentadas que mais defendem os interesses dominantes.
A Irlanda é hoje um país maduro, desenvolvido. Os países emancipados estão a marimbar-se na Europa e só os que sobrevivem graças às esmolas dos subsídios é que ainda querem alinhar numa união política que tem assumido contornos grotescos e lesivos dos interesses dos povos associados.
Veja-se a lei do tabaco, da segurança rodoviária, do IVA, da segurança social, a obsessão pelos 3 por cento do deficit ( nunca ninguém explicou porque não poderia ser 4 ou 5 ou 7!). Por cá a prática da ASAE é o exemplo levado ao caricato de como as leis de Bruxelas se podem revelar mortais para as tradições e para a independência cultural dos países membros.

Este NÃO irlandês ( que Durão Barroso quer contornar sugerindo novo referendo!) é um alerta para estes políticos que na era da comunicação se estão nas tintas para quem neles vota. E em Portugal vamos ter de mudar este estado de coisas. Por exemplo: se quisermos falar com um deputado que elegemos onde o encontramos ? Provávelmente num cadeirão confortável do poder, longe dessa escumalha que é o povo ::)))

Este NÃO é também um voto contra as políticas neo-liberais, do facilitismo nos despedimentos, na flexisegurança, no aumento do horário laboral. A Europa não quer já ganhar pela excelência quer ganhar pelo retrocesso do Estado Social. Vão pagar caro o reaccionarismo.

9 comentários:

  1. Este ponto de vista consequencial sobre os factos ocorridos recentemente, apesar de narrar o obvio, não deixa de ser um pequeno feixe de luz que entra adentro do breu interior de muitos cerebros votantes!

    O contrato com a Europa, foi abrir estradas , taxa-las , acabar com as actividades locais e meter o pessoal a pão e água, nem que tenham que envenenar a àgua e o pão!E a tanga é sempre a mesma: A bem dos cidadãos; Quando eles dão conta , já tão com ele entalado!

    À semelhança do Imperio Romano de há 2 mil anos!

    ResponderEliminar
  2. Mais uma vez dou os meus PARABÉNS ao INSTANTE FATAL, pela oportunidade dos temas e a frontalidade com que os trata, confesso que hoje me senti MUITO FELIZ: Primeiro foi a noticia de que, os ABUTRES tiveram de recuar perante a decisão da UEFA no que respeita ao F. C. do PORTO: Segundo foi a noticia mais que previsivel do chumbo com que a Irlanda MATOU o ARRANJINHO de Lisboa e que deixou dois DIABOS, o que já fugiu, e o outro QUE EM BREVE FUGIRÁ, tão satisfeitos... "PORREIRO PÁ...!!!"
    O que eu me ri hoje, 13 de Junho de 2008, um dia para a História.
    G.J.

    ResponderEliminar
  3. «recuar perante a decisão da UEFA no que respeita ao...»

    Não sei se "recuar" é a expressão certa.
    O que se passa é que, por outros dois clubes não terem sido ouvidos como partes no processo, tal constitui nulidades processuais.
    Ou seja, nada da decisão significa que daqui resulte algum benefício para o clube em causa.
    Portanto, vamos ver...?

    E se o clube em causa vier a sair-se mal desta história, só tenho pena que os outros também não lhes aconteça o mesmo.

    Ou é preciso fazer um boneco para perceber que houve por aí muita batota, no tempo em certa gentalha teve poder para fazer o quis e lhe apeteceu.

    JJ

    ResponderEliminar
  4. Caro Luiz,

    ja desde ha um tempo venho acompanhando o seu blog mas nunca deixei um comentario. Mas desta vez tenho que comnetar e discordar consigo. Eu vivo na Irlanda ha cerca de 2 anos e, embora este pais seja economicamente desenvolvido, cultural e mentalmente deixa muito a desejar...

    Nas zonas urbanas ganhou o sim. O nao ganhou nas zonas rurais. Na minha opiniao 95% dos irlandeses nao faz ideia do que é o tratado de Lisboa!

    Agora, como residente na Irlanda posso asegurar que o Nao ganhou, nao pelas razoes que apontou mas unicamente porque a Igreja e alguns grupos de pressao fizeram uma campanha brutal para salvaguardar 2 pontos: Aborto e eutanasia.

    Assim que o NAo nada tem a ver com politica, europa ou subsidios. Tem a ver com pessoas "narrow-minded", que vao como carneiro atras do que a Igreja manda....

    Isto é a Irlanda!

    Regards from Ireland

    Ana

    ResponderEliminar
  5. Cara Ana,
    também eu vivo na Irlanda, e já há 10 anos,e não e verdade que o Nao tenha ganho por casa da Igreja e outros grupos de pressão, para salvaguardar as leis do Aborto e a Eutanásia. Antes de mais a Igreja recomendou o SIM, embora nunca oficialmente, para alem de já não ter o poder que tinha (ver resultados de referendos anteriores, por exemplo sobre o divorcio). Dizer que os Irlandeses não sabem o que e o tratado, e de uma injustiça imensa, que tem sido repetido por muita gente. Na realidade como sabe a campanha aqui durou desde Dezembro, e duvido que depois de tanto tempo de antena, debates, esclarecimentos, etc haja algum povo dos 27 que saiba mais sobre o tratado do que o povo Irlandês. Na realidade o NAO e uma resposta a forma autista que a União Europeia e alguns eurocratas teem tratado os povos, na sua perseguição cega do modelo que veem como ideal sem saberem explicar aos outros o como e o porque. E se há alguma explicação, talvez se deva a arrogância como os políticos não se prepararam para explicar os benefícios, e se quiser ser mais objectiva, em vez do aborto e eutanásia (que nenhum grupo ou politico fez bandeira, nem um so!!!) razoes óbvias eram a perda do seu único comissario, a restruturacao militar Europeia que afectaria a posição de neutralidade que teem, assim como um ministro único dos negócios estrangeiros, o perder o controle dos impostos as empresas (isso sim, fez da Irlanda o paraíso das empresas e atraiu emigrantes como eu e como você). Agora nao posso e aceitar que digam que o povo rejeitou algo que não sabe, sem razoes validas ou por medo tacanho do aborto e eutanásia, como se ainda vivessem na Idade Media debaixo do pulso ferreo da Igreja. Se os políticos continuarem a pensar assim e que nunca vão perceber aquilo que o povo lhes esta a dizer em letras garrafais mesmo em frente aos seus olhos.
    E nao diga coisas como a sua ultima frase, e estereotipo e nao e verdade, Portugal tem muito mais de conservador, mente e visao limitada.
    MM

    ResponderEliminar
  6. Caro MM,

    provavelmente vive na cidade eu vivo numa zona rural e asseguro-lhe quese vier por aqui e perguntar para que era o referendo e o que é o tratado de Lisboa quase ninguem sabe responder.

    Vivo aqui ha 2 anos e meio e, realmente o que penso da maioria dos irlandeses é que sao pouco cultos, pouco preocupados com o que se passa á sua volta.

    Provavelmente nao estarei no melhor sitio da irlanda, mas por aqui o nao ao tratado de lisboa ganhou por causa da lei do aborto.

    A sua experiencia pode ser outra mas eu só estou a falar da minha...

    ResponderEliminar
  7. Acabei de ler no jornal que os irlandeses votar NAo porque pensavam que o tratado poderia ser renegociado!!!
    Estao bem informados, nao estao???

    ResponderEliminar
  8. Cara Ana,
    Parece-me que acabou por explicar porque e perigoso generalizar, chamou "narrow-minded" aos Irlandeses todos por causa da sua experiencia que tem numa zona rural. E o tipo de argumento muito utilizado pelos politicos derrotados. Quando vencem o povo e soberano, quando perdem nao sabem, sao mal informados, etc etc O mesmo se passa em todo o lado, em certas zonas de Portugal, e da sociedade Portuguesa ha gente que nem sabe os poderes do Parlamento ou lugar do Presidente da Assembleia da Republica na hierarquia do Estado, mas nao e por isso que vamos criticar o seu sentido de voto, ou e? Esta e a beleza da Democracia, um homem um voto, e o resultado do voto e valido, ao contrario do que alguns eurocratas disfarcados de democratas andam agora a meter na cabeca das pessoas. Criticam tanto os Irlandeses, mas paises em teoria mais desenvolvidos como a Dinamarca, Franca e Holanda tambem votaram Nao na versao pre-tranvestida deste tratado. Porque nao se fizeram mais referendos por essa Europa fora? Porque os politicos sabem que seriam provavelmente chumbados, pois o povo percebe,e cada vez mais por estas reaccoes, o tipo de "negocio" que lhes estao a impingir.
    Quanto ao coemntario "acabei de ler que..." tambem eu acabei de ler muita coisa, mas tenho o cuidado, se tiver interesse, de verificar se as coisas sao assim, e nao as aceitar so porque "acabei de ler...". Essa sondagem foi encomendada e publica por um jornal que e pertenca de um grupo Ingles, que apoiou o movimento do Sim, e durante toda a campanha foi sempre imparcial. Quanto a sondagem em si, va ver o universo e a forma como foi feita, depois diga se ainda acredita. O que e triste e o que estao a fazer agora de tentarem lavar os resultados atribuindo a tudo menos ao que e verdade, as pessoas estao distanciadas do modelo que a UE esta a quere impor a forca, e para terem uma ideia, um dos motivos do Nao na Irlanda tem a ver com a neutralidade e a forca militar a criar na UE, como hoje ja veio o primeiro ministro todo nervoso a dizer que tem que ser e isto e aquilo. Pode-se enganar muita gente muitas vezes, mas nao se pode enganar todo a gente sempre. E esta e a realidade, quem quiser acreditar em contos de fada, precos da gasolina a cair, inflacoes que baixam, e coisas que tal que os politicos falam e os jornais tambem escrevem, esteja a vontade.
    MM

    ResponderEliminar
  9. Correccao: onde se le "durante toda a campnha foi sempre imparcial" devia ler-se "durante toda a campanha foi sempre parcial"
    MM

    ResponderEliminar