sábado, dezembro 01, 2007

Parabéns António Marinho !


António Marinho é o novo bastonário da Ordem dos Advogados. Dou-lhe daqui um grande abraço e desejo-lhe o maior sucesso nesta nova função. Conheço o António há 18 anos desde que entrei no Expresso. Até há pouco tempo ainda era correspondente do jornal em Coimbra e jornalista do quadro. O António é de uma seriedade à prova de bala e tudo o que faz, fá-lo com convicção e sentido da liberdade e da defesa dos direitos dos mais fracos. Tem uma profunda cultura e prática democráticas aliados a um grande sentido da justiça. Entusiasma-se, sofre, vive as situações que lhe surgem com um empenho total.
Sei que os advogados vão ficar bem representados por ele. E a justiça só pode ficar mais próxima dos cidadãos com o seu novo cargo. Só temos a esperar dele o melhor.

9 comentários:

  1. Á ideia é que o Marinho é o oásis no deserto. Que se saia bem da função a que se candidatou.

    ResponderEliminar
  2. Lá vai a Ordem pelo cano...

    ResponderEliminar
  3. «...?», pois, está traduzido...!

    ResponderEliminar
  4. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  5. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  6. Já que o meu «...?» deu azo a um comentário estúpido de um comentador armado em “parvalhão”, que o Luís teve o bom senso de eliminar (e se tivesse eliminado o meu também não se tinha perdido nada…) é decente que eu me explique melhor.

    Apenas conheço o actual bastonário eleito, António Marinho, pelas suas intervenções na comunicação social, o que é manifestamente pouco e, por isso mesmo, não fui além de um «...?».
    E a ideia que tenho dele não encaixa no perfil do que acho dever ser um representante dos advogados, de quem, por defeito de ofício, e injustamente para muitos que conheço, tenho a ideia de que defendem mais o dinheiro que os clientes lhes possam pôr na conta bancária do que exercer a Justiça.

    De facto, a maioria dos advogados que conheço, atrevo-me a dizê-lo, muitas vezes, até parece que inventam causas para ter que fazer e fazem não o exercício da Justiça mas antes o jogo dos clientes para que estes não sejam condenados mesmo sabendo quando são grandes bandidos.

    Mas, naturalmente, que até o maior bandalho, incluindo os advogados, os polícias, os magistrados ou os jornalistas, que o possam ser, têm o direito de ser defendidos. Talvez, por isso, eu nunca seria advogado, porque nunca defenderia um tipo que tivesse a convicção de que deveria ser condenado.

    Adiante…
    E o que acho do António Marinho é que, sem pôr em causa a sua seriedade e coragem para defender «com convicção e sentido da liberdade e da defesa dos direitos dos mais fracos» é que tem um estilo populista e demagogo, com muito espalhafato à mistura.
    Mas, quem sabe, se não é, afinal, de um bastonário assim que se precisa para incomodar aqueles que são politicamente correctos, e que assim são, porventura, para defender os negócios das grandes sociedades de advocacia, e que justificam os milhões que os poderes gastam dos nossos impostos em causas que se «inventam».
    E se António Marinho não for só «espalhafato…» terei todo o gosto em não voltar a escrever «…?».

    ResponderEliminar
  7. Este último comentário não li e não gostei.

    ResponderEliminar
  8. Aproveitando o facto do Luís ter acabado por eliminar também um dos meus comentários, o que, aliás, não deixei de lhe sugerir, quando comentei que «... (e se tivesse eliminado o meu também não se tinha perdido nada) …», acrescento ao meu último comentário o seguinte, achando que, num certo sentido me "passei" (não é Luís...?).

    É que os considerandos que fiz do exercício de alguma advocacia não se podem confundir com o que entendo da Advocacia no seu plano institucional, a qual respeito.
    E, embora não fosse minha intenção confundir algumas árvores com a floresta, acho que a forma como me exprimi foi, num certo sentido, excessiva.

    Pedindo desculpa aos que exercem a advocacia de forma digna e séria.
    Dando por culpado este blog, que me consegue enervar em alguns momentos, devido à forma frontal como trás para aqui alguns assuntos, os quais reflectem a miséria de alguma factualidade que se vai passando neste país...
    Como, ainda há pouco, de mais miséria se soube dum homem que vai à missa todos os dias e usa aventais e espadas de uma ordem religiosa, mas que tem andado a brincar com o dinheiro dos depositantes do banco que fundou, com muito mérito, mas que hoje se porta como um..., calma aí, porque o resto é para bom entendedor.

    Talvez ir à missa se justifique, afinal, por conta das más consciências.
    E acho, mesmo, que vou pensar nisso e começar a aparecer pela igreja dum padre amigo.

    E agora vou ouvir o futuro presidente da câmara de Lisboa, isto se o LFM não começar a fazer disparates, que nem o PSL cometeria, já que estão para aqui a rezar no computador fixo que tenho aqui pelas costas... no Dia Seguinte.
    Entretanto, o Dias Ferreira enervou-se e parece que não é brincar. Mau...!?

    ResponderEliminar