quinta-feira, outubro 25, 2007

A melhor fotografia do Mundo

foto de Elliot Erwitt
Afinal não fui ao beija-mão ao Salgado.
Optei antes por ir buscar o meu filho à escola, numa saltada. Era á mesma hora.
E valeu a pena: o puto esteve bem no exercício com o computador, embora tenha reparado que " aquele não tem a maçã do pai!". Aguenta o windows e não chores !
A fotografia não é tudo na vida. Há vida para lá da fotografia, pese embora que o fotojornalismo tem esse dom de a poder reproduzir tal qual o fotógrafo a vê.
É o nosso diário.
Impossível ser um Salgado atrás de uma retrosaria a tratar de fotos avulsas, muitas vezes entulho, outras vezes uma pérola rara ( rara!!). Entre o trabalho de amanuense ou o de fotógrafo, não hesito: rua comigo. Já dizia o velho Henri que somos a terceira profissão a trabalhar na rua, o que não quer dizer que a prostituição fotográfica se pratique na rua.
Um amigo que esteve hoje com o Salgado achou-o um chato, um repetitivo e que não fala de fotografia. Só fala de economia e de conjuntura internacional, e este meu amigo é um fã do homem. Também aqui a obra não coincide com o carácter, ou a personalidade se quiserem, do génio.
Se formos a medir os génios, ou os géniozinhos da paróquia pelo carácter ficaremos desiludidos, será pior do que acordarmos ao lado da Michele Pfifer sem estar maquilhada
( a ameaça é dela!). É complicado conjugar a veia artística com o talento,porque os verdadeiros artistas são aqueles que furam as regras, embora as saibam e as pratiquem por vezes.
Não se iludam meus caros. Se tivessem conhecido o Orson Welles, o Cartier-Bresson, o Nachtwey, não gostariam tanto das suas obras. É que diz quem com eles privou. Os bons são mesmo loucos. Os idiotas fazem-se.

Portanto fiz bem em não ter ido ao Salgado. Prefiro ver as suas maravilhosas fotografias de Africa, sublimes na luz, no enquadramento, no testemunho, no rigor. O Salgado que se lixe mais a sua economia, a sua estratégia comercial e algum despudor em transformar a miséria humana numa das belas-artes, pagas a peso de ouro e de que ele beneficia.

Jean François-Leroy, o director do Visa Pour L`Image, acha também isto e disse-me numa entrevista que achava imoral vender em galerias fotografias de miséria humana, e deu também a cházada ao Nachtwey. É discutível, e os meus caros podem abrir aqui um debate sobre este lado comercial da arte fotográfica ( termo que detesto).

Concordo com um comentador do Fatal. A internet abriu-nos espaços fantásticos para divulgação das nossas fotografias e é óbvio que já não é nos suportes tradicionais do papel de jornal, onde não há espaço, as fotos saem retalhadas e o grafismo tomou conta dos conteúdos ( se é que o grafismo é conteúdo...) que o fotojornalismo pode afirmar-se como linguagem autónoma para contar histórias.
Já é tarde para discussões destas. Amanhã é outro dia e só se não puder é que não irei buscar o meu filho à escola, para ter o instante decisivo do dia: o seu abraço, e aquele "olá pai!".
A melhor fotografia do Mundo.

14 comentários:

  1. a propósito dessa bela foto do Erwitt e da mais do que certa escolha que o LC fez aio ir buscar o filho á escola em vez de ir ouvir e ver as fotos do Salgado ( afinal são só fotos e um comércio como qualquer outro) lembro aqui para quem andava atazanado por causa da mãe da Maddie ( presuntivamente) não chorar o desaparecimento da filha que Kate finalmente chorou. Aliás ela já tinha chorado mesmo no Algarve e diversas vezes, mas as fotos de Kate e Gerry a chorar em frente á capela da Luz só agora vão sendo publicadas ( no Daily Mail saíram duas ) talvez como remorso de quem inventou ou acreditou na monstruosidade que seria esses pais, ingleses que sejam ( são escoceses) assassinarem a filha a sangue frio ou mesmo ocultarem em qualquer circunstância o seu cadáver. Já agora registe-se o caracter ditatorial, que reveste a ameaça sobre alguém que procure Maddie viva em Portugal, implicita
    na ameaça de prisão aos detectives britânicos que ousem procurar Maddie por conta dos McCann.Razão toda ao PGR Pinto Monteiro quando deixa entender que a PJ ( e o seu dele MP) como outrora a PIDE eos Tribunais Plenários são estados dentro do Estado. Porque raio a desaparecida em Portugal Maddie McCann não pode ter desaparecido no nosso País? Para agradar aos esquemas mentais dos agentes da PJ?

    ResponderEliminar
  2. Razão ao LC a foto do Erwitt ou a que ele possa eventualmente fazer do filho quando regressar da escola são as mais bonitas fotos do mundo.
    As fotos do Salgado, o livro e o contexto em que as apresenta são horríveis, um verdadeiro despautério e um abuso de confiança fraudulenta sobre a imagem de pessoas indefesas da sua condição e imagem.
    Essas fotos só se admitem quando enquadradas em notícias sobre o sofrimento dessa gente mesmo sendo objecto de comércio.
    O preciosismo da sua qualidade técnica, para atrair compradores ou "adoradores" só se justifica como areia prós olhos de quem não gosta de "brincar" com a miséria alheia. Num contexto informativo ok de resto tenha juízo Sr Salgadovitch. Há vida pra lá das Leicas e das impressões photshopizadas nos laboratórios de Paris, Londres ou Nova Iorque.

    ResponderEliminar
  3. Kórror o meu mestre ser o Salgado?

    Assim n vais longe...é mestre na arte da farsa fotográfica do photoshop manual ... carrega no negro em dois sentidos

    ResponderEliminar
  4. Na Magnum existem grandes bons fotógrafos sim:

    Olhem lá as fotos do Contantino Manos, do Ian Berry, do David Hurn,do Alex Soth,da Martine Franck, dos Jonas Bendiken do Trent Parke etc

    ResponderEliminar
  5. Acabei de ver um ensaio no Mediastorm que ilustra na perfeiçao estas palavras. Aqui fica:
    http://www.mediastorm.org/0018.htm

    ResponderEliminar
  6. Pessoalmente estou-me nas tintas se o homem quando está a fotografar as pessoas está a ver cifrões e depois quando fala das experiências é hipócrita ou não. Ali o que me interessa são mesmo as fotografias e acho que o livro tem trabalhos espantosos.
    Quanto à moralidade de se expor o sofrimento dos outros, então que se acabe com as exposições do World Press Photo que verdade seja dita, a maior parte das fotos que tem retratam o sofrimento alheio.

    O Sebastião Salgado é mais um entre tantos outros grandes fotógrafos.

    Já que falam no caso Maddie, apresento a minha nova teoria acabadinha de sair: Porque é que tanto os amigos, como os pais não querem falar nada sobre o misterioso jantar em que tudo aconteceu...? Cá para mim os gajos pertencem todos a uma tribo de canibais britânicos e devoraram a miúda ao jantar, daí não se encontrar corpo.

    ResponderEliminar
  7. Há coisas que me chateiam!

    Terá o Salgado provocado guerras, fome e refugiados para obter as imagens que o distinguem?

    O que é que o homem fez de mal?

    Mostrar a miséria, a desgraça humana, seja qual for a sua face, não contribuirá para uma consciencialização dos problemas?

    O homem ganha dinheiro com isso. É esse o crime dele?
    Querem o quê? Que ele numa mais das hipocrisias a que me vou habituando, faça uma doação de 1 cêntimo por foto vendida a favor de uma associação qualquer?

    Vemos miséria todos os dias e fazemos o quê?
    Quem é que já ajudou alguém que passa fome?
    Quem abdica de parte do seu conforto para evitar miséria alheia?
    Quem faz diligências para arranjar abrigo a um que não o tenha?
    Que adoptou uma criança para evitar que esta morra à fome ou que se torne um marginal?

    Criticamos quem? O Salgado?
    Olhe cada um para si e façam um milésimo do que o homem fez. Teremos certamente o mundo melhor.

    O Salgado é um bandido, e eu outro igual, porque abdicava do sossego e do conforto que é a minha vida, por uma hipótese, por pequena que fosse, de fazer um trabalho que tivesse um décimo da visibilidade do dele.
    A seguir crucifiquem o natchwey, pelo 11/9; o Al Gore por as alterações climáticas e o Adão por ter nascido.

    ResponderEliminar
  8. Tb discordo da tese que diz que as fotos da miséria humana são puro oportunismo.

    arte é arte.

    E em todas as formas de arte se encontra o grito da contestação e da revolta contra a injustiça, contra a desigualdade, contra a repressão, contra a guerra.

    Dava jeito, dava ... a todas as Ditaduras que os artistas se "calassem", não fotografassem, não cantassem, não escrevêssem.

    E quantas vezes esse "olhar" pela objectiva, tem o preço da própria vida, da perda da liberdade ?

    En passant ...

    Luiz, que bom o que disse sobre a "SUA" melhor fotografia do mundo.
    E o rapazinho é mesmo a sua "fotocópia". Pareceu-me ! (na revista VIP)



    Bom Dia !

    ResponderEliminar
  9. Rui M. alves da Silva9:40 da manhã

    O Salgado é um exemplo de empresa/fotógrafo, será por ele ter a formação que tem. Quem ainda só descobre agora a veia dele de homem de discurso de economista nunca o conheceu ou andou a dormir. Não foi por isso que ele sai da magnum ( ou pelo menos terá sido também este um dos motivos), dinheirinho meus caros, aqui está um artistão que sabe bem onde arranjar e como arranja-lo.

    Apesar disso as fotos dele continuam a serem grandes. Muito grandes. Gigantes. E viva a polémica.

    um abraço ao Nachtwey, este é de outro carácter, basta ouvi-lo a falar.

    ResponderEliminar
  10. Então? Ninguém comenta a obra de arte saída dos escritórios da polícia inglesa: o retrato-robot do presumível raptor?
    Acho que atingimos um novo degrau do ridículo em todo este caso... Aquilo mais parece um boneco saído da banda desenhada do Tintin

    ResponderEliminar
  11. há aqui moços e moças que embascam a olhar para as Artes...e ainda acreditam no poder salvador de umas imagens ( os avós acreditavam na Sra de Fátima e no mártir S.Sebastião) ou de uns livrecos para salvar a Humanidade ( e isso jamais aconteceu ) enfim pequeno burgueses com a pança cheia de conceitos, preconceitos e muito ar rarefeito.
    Depois vocês não sabem como foi/é o processo produtivo do Sr Salgado para obter tais fotos e mais digo e repito, que é não é lá essas coisas andar a expor tais fotografias no contexto em que ele o faz...e a contar balelas sobre isto e mais aquilo contra o capitalismo e a exploração do homem pelo homem e os direitos destes e daqueles. O tipo de fotografia que os fotojornalistas produzem faz todo sentido ser mostrado á saciedade mesmo no contexto informativo e o World Press premeia os fotojornalistas c/fotos publicadas ou executadas nesse ou para esse contexto...mas francamente ficarem extasiados pelos corpos anoréxicos dos norte-africanos que morrem de fome no Sahel lá porque os enquadramentos são rigorosos (????) e as nuvens bem negras c abutres e tutti quanti...só de cabeças já bué alienadas por esta sociedade que nem o belo do feio já sabe fazer a destrinça...
    Ciao vejam Luigi Ghirri, William Eggleston, Sarah Moon ,Eugene Smith, Edward Weston, Tina Modotti,Cindy Sherman, Fernando Lemos, Pierre Verger,Elliot Erwit, Juergen Teller, Helmut Newton, André Kértesz, Juan Rulfo
    ( e leiam o romance Pedro Páramo do mesmo Rulfo) Claude Simon, ~Marie Laure de Decker, Moholy Nagy, A Rodchenko David Seymour, Jean Gaumy, Peter Turnley ( o seu do PT livro sobre Paris é muito bonito) Richard Kalvar, Izis, Robert Doisneau, Edouard Boubat, ...caramba eduquem-se a fotografia pode ser arte e até crochet e deixem-se de sado masoquismo

    ResponderEliminar
  12. Também estou aqui danadinho esperando um post do Luiz acerca deste retrato ridículo.
    Estes tipos gozam com a malta. O que me incomoda é que pensam que somos um rebanho de borregos sem cérebro.E se calhar somos!
    Haverá vários milhões que se encaixam naquele retrato. Se pensarmos então, que o hipotético raptor, provavelmente estava disfarçado, então dá para o mundo inteiro.

    Uma vez que não há posts novos para ler e comentar, aqui fica uma sugestão:
    http://www.gfilomenasoares.com/galeria_pt.htm

    Já sei que vai haver uns poucos a achar que é exploração humana... Paciência! Fotografia definitivamente não são só postais ou bate chapas.
    As imagens são extraordinárias. Para comprar só tem que dispor de 35.000€ para a mais barata.
    Outros mundos!

    Cada vez gosto mais de mulheres a fotografar.

    ResponderEliminar
  13. ao anónimo das 12,00

    ah pois acredito sim.

    De facto sou "uma moça que embasca a olhar para a arte" (palavras suas !), ... cada vez mais .... e que acredita que há fotos que têm um forte poder de mensagem para o mundo.

    Senão mudam o mundo, pelo menos estremecem-no.

    pontos de vista ....

    ResponderEliminar
  14. bem ... eu cá tenho a minha opiniao , e discordo de tudo o que escreves-te ...
    porque até mesmo eu ... ando a estudar fotografia , para seguir isso mesmo ... fotojornalismo ... o grande objectivo de se fazer essa arte , é mostrar ao mundo o que existe de pior , para que algum dia ao ver essas imagens elas pensem em nao destruir o mundo , a ajudar , a rezar pelos povos que vivem debaixo de guerra (quem tem fé) ...
    falando por mim , o meu sonho é retratar tudo o que existe de mal no mundo nas minhas fotos (oxalá eu consiga chegar a isso) ... nao é ganhar dinheiro ás custas da miséria dos outros ... isso está muito mal explicado ...
    bem é a minha opinião ...

    ResponderEliminar