domingo, outubro 07, 2007

A aventura SIC

Parece que foi ontem.
O início da SIC, o entusiasmo que era ver nascer em Portugal uma estação privada de televisão, feita por gente nova, com uma ideia, um arrojo e um experimentalismo como nunca se vira. A RTP era uma instituição velha e cinzenta, institucional, burocrática. Estava a anos luz das televisões estrangeiras de referencia, embora nos seus quadros houvesse gente notável, muitos deles talentos emprateleirados.
Eu fui das pessoas que mais vibrou com o nascimento da SIC. Sempre acalentei o sonho de fazer televisão e pensava que ia ter uma oportunidade para fazer reportagem atrás de uma câmara, fazer em vídeo o que sempre fiz em fotografia. Tinha referencias do que se fazia lá fora, onde muitos fotojornalistas tinham ensaiado com sucesso o caminho do documentarismo e da grande reportagem usando uma linguagem visual, sem estar dependente de redactores.

Por isso fiquei bastante desnorteado quando um dia ao chegar ao 37 da Duque de Palmela, a sede do Expresso, me cruzo com o Emídio Rangel e ele me pega no braço e me diz que vai dizer ao Balsemão que me quer na SIC. Da redacção do Expresso já estavam de saída o Paulo Camacho, o Ricardo Costa, a Sofia Pinto Coelho, havia outros nomes no ar e eu estava indeciso. O fotojornalismo era a minha paixão, tudo o que queria fazer, mas andava muito frustrado com a minha vida a ter de aturar os humores do Rui Ochoa, bastante insuportáveis diga-se. Acabei por falar com o Rangel, ainda no gabinete provisório próximo da redacção do Expresso. A indefinição do que eu poderia fazer realmente na SIC levou a eu optar por ficar no Expresso. Não queria ser cameraman, nem realizador de informação e não havia o lugar de realizador de reportagem.
Mas fiquei sempre com essa ambição. Dentro do Expresso acabava sempre por defender a SIC nas reuniões de editores, o que deixava o José António Saraiva e o José António Lima bastante irritados comigo. Chamavam-me “o amigo do Rangel”.
Anos mais tarde acabei por fazer uma reportagem para a SIC sobre os novos mercados da China em convergência com o Expresso. Foi a minha primeira reportagem para a televisão. O Dr. Balsemão nomeou-me pouco tempo depois coordenador de comunicação editorial, cargo que ainda exerço, para fazer uma melhor ligação entre os dois títulos com o objectivo de haver mais convergência no grupo.

Este aniversário toca-me portanto e, ao ver hoje alguns resumos de muitas das grandes reportagens que a SIC tem feito, reconheço que muito do que eu gostaria de ter feito o foi realizado com uma qualidade de que eu porventura não teria sido capaz. É uma equipa de ouro: Renato Freitas e Cândida Pinto, José Maria Cyrne e Paulo Camacho, Sofia Pinto Coelho, Teresa Conceição e muitos outros são repórteres incontornáveis em qualquer SKY ou BBC.
Claro que os tempos mudaram e o elitismo que ao princípio fez da SIC uma estação avançada e de referencia, com condições de trabalho extraordinárias e com profissionais inquestionáveis, foi cedendo à ditadura dos custos, aos cortes orçamentais. Depois da crise de crescimento e da partida de Rangel, todos sabemos como muita coisa mudou. Hoje a SIC bate-se entre conquistar um público dividido entre o canal do Estado -que arrepiou caminho e tem sabido aproveitar a estabilidade financeira dada pelos governos- e uma TVI que encontrou em José Eduardo Moniz o líder que tem faltado em Carnaxide.

As reportagens perderam fulgor, emoção e empenho. A chama da paixão esmoreceu e isso é mais que notório nas peças que vão para o ar. A imagem perdeu em qualidade, os cameraman de hoje não têm o talento e o profissionalismo dos fundadores, os grandes repórteres têm dado lugar a estagiários sem virtuosismo. O grafismo e a edição parece que valem mais do que o trabalho de campo, a acção deu lugar a efeitos bonitinhos para ilustrarem temas neo-realistas, histórias de coitadinhos e de fazerem chorar as pedras da calçada. Perdeu-se ambição e perderam-se as grandes histórias.

Claro que ainda é uma grande televisão e que a reestruturação anunciada, com grandes investimentos, trará de volta uma nova televisão.
Mas o que jamais se esquecerá é a aventura SIC, o pioneirismo que foram aqueles tempos em que todos trabalhavam 24 sobre 24 horas ao ponto de se terem também apaixonado entre eles, casado, feito filhos, porque era ali a grande casa de todos. Uma grande família.
Parabéns amigos.

5 comentários:

  1. e se tivesses sido cameramen (repórter de imagem ) não farias em televisão o que sempre fizeste
    nos jornais?
    Mas compreendo, a tua pouca altura e o peso da betacam assustavam-te !
    E realizador de reportagens não era fruta demaias para quem não tinha experiência nenhuma de TV?
    Bem o Barata-Feyo também começou a angariara publicidade e acabou como repórter de TV (Grande?)às vezes.

    ResponderEliminar
  2. Subscrevo Luiz.

    Parabéns à SIC, que revolucionou o panorama televisivo em Portugal.
    Como em tudo na vida, tem altos e baixos. Mas o saldo é francamente positivo.
    O meu canal é a SIC Notícias.

    ResponderEliminar
  3. "As reportagens perderam fulgor, emoção e empenho. A chama da paixão esmoreceu e isso é mais que notório nas peças que vão para o ar. A imagem perdeu em qualidade, os cameraman de hoje não têm o talento e o profissionalismo dos fundadores, os grandes repórteres têm dado lugar a estagiários sem virtuosismo. O grafismo e a edição parece que valem mais do que o trabalho de campo, a acção deu lugar a efeitos bonitinhos para ilustrarem temas neo-realistas, histórias de coitadinhos e de fazerem chorar as pedras da calçada. Perdeu-se ambição e perderam-se as grandes histórias.!
    CONCORDO!!!!!
    MAS TB MUITOS DOS QUE NASCERAM NAQUELE BERÇO JÁ PERDERAM O VIRTUOSISMO E ISSO AINDA ME DEIXA MAIS TRISTE. E EU QUANDO TRISTE NÃO DOU PARABENS. FAÇO TAL POR NORMA NA MINHA VIDA. ASSIM CERTAMENTE O ANIVERSARIANTE SE VAI INTERROGAR PQ NÃO RECEBEU OS PARABENS!!!

    ResponderEliminar
  4. Não sei como se pode chamar televisão ao que passa na sic bem como na tvi, enfim, gostos.

    ResponderEliminar
  5. A Sic está-se a vender. Procura produto feito. Quem lá investe só quer dinheiro, e as pessoas são números.

    ResponderEliminar