terça-feira, outubro 31, 2006

Fátima Campos Ferreira veste-se de Fátima Lopes


Está a decorrer neste momento no canal 1 um debate sobre o aborto.
Já se engalfinharam várias deputadas militantes do pró e contra. Houve palmas e apupos.
No calor do debate aquilo já virou um galinheiro moderado pela Fátima Campos Ferreira, naquele seu estilo irritante de jornalista séria com o tique de entoar a voz e espetar o dedo.

Este programa é um embuste da RTP muito bem feito, melhor vendido.
Parece que ali se debate a salvação da humanidade mas tudo esprimido não dá nada.
Não há bicho careto que não aceite ali ir.
Vai-se transformar no Acontece em versão sociedade e a Fátinha no Carlos Pinto Coelho de saias.
É caso para dizer: Fátima Campos Ferreira veste-se de Fátima Lopes.

O debate sobre o aborto é sempre um debate cínico de qualquer um dos lados, dos a favor e dos contra.

Não consigo ter uma posição definitiva, mas há coisas que são óbvias para mim:

Abortar não pode ser um método anticontraceptivo.
O aborto provoca sequelas psicológicas e fisicas nos homens e nas mulheres envolvidos.
Abortar não pode ser um serviço á la carte.
Hoje há muitos métodos anticontraceptivos eficazes e acessíveis.
Que fazem os governos para facilitare o acesso aos jovens e às famílias pobres e ignorantes dos métodos anticontraceptivos ?
Têm de ser definidas muito bem as regras e as responsabilidades dos envolvidos.
Deverá haver possibiliades para interropções mas terá de haver limites.

Juntar tudo isto e mais, (escrevo ao correr do teclado) bom senso, sentido de humanidade, tolerância e respeito pela vida é difícil.
A mulher que aborta não pode ser uma criminosa.
Mas é verdade que um feto se forma a partir do início do ciclo da fecundação.
E este facto inquina qualquer debate.

7 comentários:

  1. "Bófia BMW a 200 à hora"11:13 da manhã

    Sempre tenho defendido a despenalização do aborto, ou a liberalização, o que para o feto vai dar ao mesmo.
    Pensava estar seguro desta minha convicção.
    Mas tenho dado comigo, nos últimos tempos, frequentemente, a pensar num pequenino ser vivo com duas semanas que "tive nas mãos", resultado de um aborto espontâneo e em um outro que, felizmente, não vi, e que resultou de um aborto voluntário de uma gravidez com mais que um mês.
    Até me estou a arrepiar a pensar nisto, pensando que, afinal, teriam sido os outros dois nossos filhos.
    Apesar de tudo, fomos bafejados pela sorte, tenho uma filha e um filho fantásticos.
    Mas aqueles seus dois irmãos também o seriam, certamente.
    É realmente uma questão muito, muito, muito complicada... Até para um agnóstico que sou (será que sou...!?)
    Espero que a política não se meta nisto e deixe as pessoas decidir com as dúvidas que, afinal, também começo a ter.
    Já tenho dúvidas quanto a alguns médicos que, simplesmente, vivem dos abortos. Até conheci um que era conhecido por Dr. Alborto (Alberto, de seu nome próprio) e que vivia muito, muito bem...

    ResponderEliminar
  2. Não acredito que tenha escrito pobres e ignorantes. Vou pensar que foi o correr do teclado e que queria era dizer pobres e/ou ignorantes.

    ResponderEliminar
  3. Queria dizer: pobres por condição e ignorantes por condição.Os pobres não t~em de ser ignorantes, bem pelo contrário, e os ignorantes são muitas das vezes ricos.

    ResponderEliminar
  4. enquanto não for aceite eles não se calam.
    também não creio que alguém faça um aborto só pelo facto de ser legal.
    então vamos lá "votar" este assunto para a areia mudar.

    ResponderEliminar
  5. Da Fátinha? Não vi mas não gostei. Pindérica, vista o que vestir. E jornalista? Bah! nem se fala dela...

    ResponderEliminar
  6. Dr. Carlos Morín, Barcelona (documental dinamarqués)

    ResponderEliminar