sexta-feira, setembro 22, 2006

Floribela para matar


Se o meu post sobre a sessão fotográfica com a Maria Elisa originou tanto amor e ódio, não sei como os leitores reagirão a uma outra vedeta da TV.
Floribela para amigos, adoradores e fanáticos.
Não é pedantismo, mas confesso ( um blogue permite estas sinceridades) que nunca tinha visto a Floribela. Fui apanhado em casa de um amigo com uma míuda irritante a ser entrevistada pela Bárbara Guimarães na televisão e em directo.
Fazia lembrar a Catarina Furtado a fazer de pastorinha de Fátima com uns olhares arregalados para o céu, parecendo um daqueles momentos místicos em que Santana Lopes recordava Sá Carneiro.
A catraia toda desenrascada pregava pelo amor no Mundo, a paz na Terra ( daqui a alguns anos imagino-a a desejar cidades sem carros e ex-fumadores a correrem a maratona) num tom de voz estudado, teatral.
"Quem é esta idiota?"- perguntei ao meu filho, 5 anos. Ele disse tudo numa palavra: "É a Floribela". Foi talvez uma das grandes lições do filho ao pai.
Acabei por nessa noite meter um gôzo no Instante Fatal .
Irritam-me crianças a armar aos adultos e com ar de boazinhas.
Mas quando esta semana me apareceram umas fotografias de uma miúda fazendo lembrar uma personagem de Brian di Palma em "Vestida para matar" fiquei de boca aberta. AH!..Pensei que fosse tique de 52 anos, mas a verdade é que a produção que a Isabel Branco fez para a ÚNICA, transfigurando uma costureirinha da Sé numa mulher fatal é arrasadora. As fotografias que Jorge Simão fez mostram uma mulher desafiadora, fria e distante, o contrário da bimba que eu conheci num momento menos feliz.
A sessão foi longa mas a actriz soube disponibilizar o corpo para uma ideia audaciosa e resistiu ao cansaço do matraquear do fotógrafo. No final, humildemente- já no seu papel de boazinha, atreveu-se: "espero não os ter desiludido".
Profissional em pleno. Não rejeita desafios nem autógrafos. Mas quem esteve por perto dela durante a sessão não escondeu: "ela tem uma tristeza latente que nunca a abandona".
Cada um carrega consigo a personagem que escolheu. Mas a alma, santa ou pecadora, essa nunca muda.

Sem comentários:

Enviar um comentário